3.9.10

A LIMPEZA DO CALÇADÃO


«Cavaco Silva fez esta semana um movimento de mestre: veio pressionar as moedas de troca, boas ou más, que constituem uma maioria na AR, a dotar o Estado de um orçamento aceitável no exterior, e adequado ao curto prazo no interior. Forçou assim a mão a Passos Coelho, que saltitava de comício em comício anunciando a crise orçamental em cima das presidenciais. Ora o melhor a partir de agora é o PSD virar a página do Pontal, começar a redigir a declaração de voto de abstenção na generalidade da proposta governamental e reservar-se para a batalha das emendas na especialidade. Sempre acreditei mais na cooperação táctica entre o PR e o Governo do que na cooperação estratégica, que era filha daquele encanto que a fortuna não deixa durar muito. Pois é de cooperação táctica que se trata na questão orçamental para 2011. Por isso ela funcionará. Mesmo que ninguém saiba ao certo quem cederá em termos de filosofia financeira. Mesmo que Cavaco, depois de se ter posicionado como mediador orçamental, admita no seu íntimo que os compromissos necessários para uma campanha triunfal possam requerer um diploma rectificativo para depois da reeleição presidencial. Ele sabe, melhor do que muitos, que a economia política muitas vezes é sobretudo política. Passos Coelho ou aprende depressa ou já não estará cá para a lavagem dos cestos.»

Medeiros Ferreira, CM

4 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Medeiros Ferreira é um homem com quem facilmente se pode conversar. Várias vezes trocámos impressões acerca das "situações" de cada altura e numa delas, disse-me algo que nunca esquecerei: "a nossa adesão à CEE foi antes de tudo, uma adesão política". Ora isto explica muita coisa, pois enquadra todo o regime num espaço onde o beco sem saída é a melhhor garantia de defesa. Não consigo imaginar outra possibilidade e sinceramente, parece-me que no fundo, ninguém a deseja.
A propósito do teu post, todas estas maquinações e pequeníssimos jogos entre os privilegiados do sistema, não passam disso mesmo. Pontais, calçadões "!universidade" - como detesto esta palavra que há muito perdeu o sentido! - e outras trivialidades, só interessam aos participantes nesses excelsos eventos. O país está completamente apático e na verdade, até "a bola" surge como algo de mais cativante, pois implica uma certa destreza, sem perder os condimentos próprios da politiquisse, como o tráfico de influência, nepotismo, vigarices, abusos de poder, etc.
O onanismo vaidoso de Cavaco Silva, a inconsistência das lideranças partidárias e as tais "lavagens dos cestos", não aquecem nem arrefecem. De uma coisa suspeito: esta brincadeira vai sair (nos) muito cara. Infelizmente, arriscaria mesmo a previsão de um acto tresloucado. Ver-se-á.

Eduardo F. disse...

Conselho avisado, o dirigido a Passos Coelho.

The last phase of work consists of a harvest by mowing or harvesting of cereal plants. It takes place in Europe in May-June. Is represented in Egyptian paintings. Jesus Christ (St. Luke, X, 2) mentions that the harvest is plentiful and workers scarce. This hard work until mechanization, always followed the same technology. disse...

diria como o papagaio da anedota
«eu sou assim, picha no cu janela fora».
isto é válido para a casa da pia.
depois de tantos gajos e só uma 'c... da mãe'. já me mandaram para este local mas continuo a não saber onde fica.
esta merda só é suportável a brincar.
os cadafis reuniram-sa na Líbia

Anónimo disse...

Mas para quê, mais um orçamento da incompetência só cretina?

Mais vale congelar tudo. É pena não podermos ir buscar um orçamento do Salazar...

PC