11.9.10

SEM ESTADOS DE ALMA


«Implicitamente, VPV fala como se o arrastamento disto fosse remédio para alguma coisa», escreve o Miguel Morgado, uma forma de vida inteligente na sua geração. Fala disto. Sem a menor pretensão hermenêutica, parece-me que Pulido Valente quis significar uma coisa muito singela. Cavaco Silva não tem estados de alma acerca do país. Certamente não ignora a natureza dos protagonistas - na circunstância, Sócrates e Passos - mas não permitirá qualquer alarvidade que agrave isto. Os episódios do calcetão, a revisão da constituição, o "9 de Setembro", as feiras do leitão, do móvel ou do milho, o Paquistão ou a China, etc., etc. não melhoram o estado do endividamento externo ou reduzem o desemprego. Nem tão pouco o PC, o BE e os seus apêndices candidatos presidenciais. Sucede que aqueles dois protagonistas ali acima se comprometeram com uma coisa chamada PEC, goste-se ou não do "compromisso". Os sapos são a comida preferida dos políticos, como explicava Clemenceau. Cavaco que ter a certeza que a comam. Até ao fim. Aliás, como disse lá para trás, este PR deverá ser o primeiro de quatro eleitos que não dissolverá o parlamento durante os seus mandatos. Porquê? Porque, a menos que haja um cataclismo, a verdade é que nada indica que o "povo" pretenda a remoção de Sócrates porque sim para o trocar por um proto-Sócrates. E Cavaco não deve ter jurado a si próprio, como Soares antes dele, que deseja acabar o segundo mandato a dar posse a um governo do partido de que foi chefe. Pode ser que dê, pode ser que não. Mas isso não depende dele.

5 comentários:

Anónimo disse...

Entre o que se deseja (ou "o que seria bom") e o que se obtém, vai um abismo de diferença. Quase sempre. E depois, mesmos os corcundas ou os afortunados são fruto do acaso; ninguém tem "aquilo que merece". Nada disto, porém, poderá ser justificação para inércia. Já passaram muitas ocasiões justificadas para Cavaco fazer isto ou fazer aquilo; e nada disso deveria estar relacionado com juras a si próprio, mas sim com o cumprimento do dever. Esse cumprimento é difícil porque nunca é "feito" em condições ideais e perfeitas de catálogo - em que as nossas escolhas se tornam claras e fáceis.

Ass.: Besta Imunda

floribundus disse...

se a maioria continua a votar 'bancarrota' o PR nada pode fazer.

'cocem a pulguinha' enquanto não chega o FMI

itchi e scratchy disse...

Quem é o "mago Fernandes"? A posta é assinada por Pedro Froufe (PMF).

Zé Rui disse...

Outra forma de vida inteligente da geração de Miguel Morgado: João Pereira Coutinho.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/opiniao/joao-pereira-coutinho/portugal-radioactivo

Anónimo disse...

"mas não permitirá qualquer alarvidade que agrave isto."

Que coisa extraordinária e bizarra para se dizer, se Cavaco julga que estamos numa situação estável então ainda é pior que pensava, é que nós estamos em queda livre, só ainda não batemos no chão.


lucklucky