1.7.10

TODOS IGUAIS, TODOS SATISFEITOS CONSIGO PRÓPRIOS


A antiga anarquista Lurdes Rodrigues publicou um livro. A mulher é socióloga, catedrática do ISCTE (pois claro), ex -"orientadora" de qualquer coisa que Sócrates andou a fazer no dito ISCTE, noutra encarnação, e foi famosamente ministra da educação no absolutismo socrático. Não começou mal. Exibiu uma autoridade que, aos poucos, se esfumou em gratuito autoritarismo discutido diariamente na rua. As escolas, que já eram o que eram, passaram a recreio privilegiado da luta da ministra contra os professores e dos professores contra a ministra para gáudio dos sindicatos, dos meninos, das meninas e dos pais destes. A figura tutelar do professor e a noção de disciplina ficaram cativas de uma agenda que se perdeu pelo caminho. Sócrates apareceu no lançamento do livro para dizer que Lurdes Rodrigues - à semelhança dele, aliás - é uma pessoa "satisfeita consigo própria". Não é um elogio como ele supõe. É um descarado vitupério dirigido, em regra, a tolinhos sobretudo no dia em que a generalidade dos portugueses começou a empobrecer. Ora L. Rodrigues nada tem de tolinha. Aliás, a fina flor do PS e do governo foi lá prostar-se, Mário Soares incluído, diante dela. Mais diante da presidente da FLAD do que da ministra que a senhora foi. Porque se fosse por isto, hoje ainda estaria numa 5 de Outubro que, no dia seguinte à sua saída, começou, pela mão da sorridente Alçada, a fazer exactamente o contrário do que L. Rodrigues andou a fazer durante quatro anos e meio. (foto: Lusa)

12 comentários:

Anónimo disse...

A Al-Qaeda não pode aniquilar esta quadrilha?

Nós quotizamo-nos...

PC

floribundus disse...

'a culpa é do governo anterior'

estas duas damas (a actual é a de ouros), a anarca é a de espadas; são como a mortalha do pai de Odisseus tecida por Penélope. faz de dia, destroi de noite.

esqueceu o al-bino, o 'rottweiler' do ministério. cérbero era tricéfalo. cada um tem o mastim que merece.

Daniel disse...

O livro publicado é provavelmente mais uma daquelas "obras científicas" sem erudição, sem ideias originais, mas carregada de números e quadros estatísticos "manipulados" e apresentados de conveniência a fundamentar os argumentos da autora.

Mani Pulite disse...

TODOS NOS TINHAMOS INTERROGADO COMO IRIA A SINISTRA PAGAR A CASINHA.ORA,ORA,O UNCLE SAM PAGA E EM DÓLARES.MUITO MELHOR QUE OS DESVALORIZADOS EUROS.DE AFUNDAÇÕES PERCEBEM ELES TODOS MUITO:MÓVEIS,IMÓVEIS E PANTANOSAS.

S.C. disse...

Uma tristeza, não é?!Todos contentinhos a condenar gerações a uma miséria de espírito ainda mais aguda do que a outra!

Anónimo disse...

Deve ser boa poedêra. Cada ovo tem 2 gemas.

A

Rui

Anónimo disse...

Quatro anos e meio da lurditas deram nisto ...
E é somente o início ...


Pergunto-me muitas vezes como é que é possível um professor não ter o controlo da sala de aula. Como é que é possível? Se fosse eu… A minha experiência com crianças e na qualidade de “professora” é diminuta e feita em circunstâncias muito especiais, de maneira que me parece que se eu consigo, qualquer pessoa consegue!
Muito enganada. Há dias lia sobre uma professora de uma determinada escola de Lisboa que desistiu de dar aulas quando um aluno se dirigiu a ela e espetou um murro com imensa força contra o quadro, mesmo ao lado da sua cabeça. Nem de propósito, nesse mesmo dia passei à porta dessa escola e vivi uma situação que me recordou a docente, a diferença é que os murros foram dados no meu carro e eu estava dentro dele.
Os miúdos vinham descontraidamente no meio da estrada, com dois passeios vazios, de um lado e do outro e eles calmamente, vagarosamente, e eu, de frente para eles, cautelosa não fosse atropelar algum porque nenhum se desviava. Com o desafio nos olhos e a boca num meio sorriso lá vinham eles na minha direcção e eu já com o carro completamente parado, à espera que passassem de uma vez. Eram uma dezena, todos rapazes, alguns pequenotes, mas a maioria enormes.
Eis que, quando passam começam a bater no capot e nos vidros, imediatamente apito-lhes e começo a andar, com cautela para não os atropelar, mas o meu cérebro envia-me mensagens diferentes: de um lado diz-me “calma, Bárbara, calma, eles são maiores do que tu mas são menores, não atropeles nenhum”; do outro a indignação verbalizada com uns “estúpidos, não têm educação, não merecem nada, não percebem nada, não se ajudam a si próprios e depois espantam-se quando tomamos a parte pelo todo e chamam-nos racistas e sentem-se vítimas da sociedade, idiotas”, ok, mentalmente também os mandei para uns sítios impróprios.
Mais à frente, um grupo de miúdas, com o mesmo desafio no rosto. Há uma que dança no meio da estrada, virada de costas para o carro, rodopiando e rindo, outra que espeta a perna em direcção ao veículo, desvio-me como posso, não lhes toco. “Anormais”, murmuro entre dentes, com as janelas fechadas e um calor de morrer.
E voltei a lembrar-me da professora daquela escola, dos professores que aturam estes miúdos diariamente. Dos que têm sorte ou jeito e conseguem estabelecer pontes com eles; dos que passam mais de metade da aula a tentar sentá-los e acalmá-los, dos que têm esperança de contribuir para a diferença, dos que já entregaram as armas e só querem que o dia acabe, dos que também se passam e agridem os alunos. Tento pôr-me no lugar destes professores, não consigo.
Em muitos destes casos, os professores perderam, a escola perdeu, a sociedade perdeu. Os miúdos são os que mais perderam mas não sabem, nem querem saber. O que fazer com eles?

Bárbara Wong, jornalista do Público

lusitânea disse...

Enquanto que Camões cantou o "dar novos mundo ao mundo", a Lurdinhas limitou-se a matricular cafres ás dezenas de milhar.Porque as escolas não eram SEF, só Min das Finanças.E se calhar por causa disso é que os "exames" "nacionais" nunca foram opção para todos os efeitos incluindo a óbvia avaliação dos professores...

Maria C. disse...

Aos miúdos não sei o que lhes fazer.

À pseudo-ministra responsabilizá-la, assim como aos que sustentaram as suas desastrosas políticas.

Se bem que no caso de MLR eu pense que se trata de um problema clínico.

Anónimo disse...

A dona lurdes na FLAD é mais escandaloso e grave do que o manuelzinho na Fundação Vieira da Silva. Bem mais grave.
O lançamento do seu livro é apenas uma irrelevância - como o "Bom dia Portugal".
A presença omnipresente do ex-presidente senil e o sorriso alvar de sócrates completam o quadro bizarro e arrepiante desta época de estulticie e canalhice galopantes que vivemos.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

MLR prestou um grande serviço aos “boys” e aos corruptos portugueses: desviar as atenções para os professores no momento alto da tomada do aparelho de Estado pelos “boys” e da monopolização dos grandes negócios de Estado pela rede que gira à volta do ainda primeiro-ministro. Por isso foi premiada com a presidência da FLAD.”
Álvaro Teixeira

Anónimo disse...

AGRACDECIMENTO POR NOS TEREM EM CONSIDERAÇÃO
Exmºs Sr.s (a) Deputados venho por este meio agradecer por nos terem ouvido
ontem dia 2010 - 06 - 30 na assembleia da republica sobre o caso de despedimento
colectivo de 112 familias do casino estoril e que mostra que todos os mails enviados
não é pura nem mera mentira de familias em que o desespero desta ilegalidade
que lhes bateu á porta.
Tudo o que disse sobre a ministra é verdade nunca se preocupou em investigar até
que ponto a empresa casino estoril com participação do estado está dentro da lei
como da parte da fiscalização do trabalho em que no terreno detectou
irregularidades e que a comissão de trabalhadores é testemunha os fiscais nada
fizeram. O grave tambem é que a justiça não funciona para todos porque um juiz
que na 1ª providencia cautelar determina que entrou cedo demais na 2ª vem
determinar tarde demais isto para todos nós trabalhadores despedidos por
substituição de outros em que a média de ordenados é igual não entende afinal
como funciona a justiça neste país.
Como o facto de o ministério do trabalho não ter posto mão neste caso ilegal mas
pôs ao dispor da empresa uma funcionária da segurança social para tratar dos
subsidio de desemprego de todos que estavam a ser despedidos .
Eu pergunto será que o casino estoril está acima das leis de um país , que interesse
tem o estado em aceitar tais ilegalidades por ultimo se os partidos politicos são os
representantes de uma sociedade em que se diz democrática porque é que da parte
do partido socialista PS , do partido PSD e CDS nada investigam para se saber a
verdade os mails foram sempre enviados para todos os partidos pondo de fora o
partido do PS pois são causadores desta situação e que arrasta mais 112 familias
para a miséria.
Despeço-me Agradecendo a todos os deputados do PARTIDO COMUNISTA de
serem firmes com a VERDADE.
Muito Obrigado