1.7.10

O FIM DO LEILÃO DE ILUSÕES



«Houve muitos que de facto previram, e a tempo, a crise, tanto a dos subprime como a do euro - de J. Stiglitz a P. Jorion, de J. Attali a E. Hugh, de P. Krugman a N. N. Taleb, de C. Saint Étienne a N. Roubini, entre muitos outros. Mas que estes, justamente porque contrariavam o anestesiante optimismo que é o ingrediente central de todas as bolhas, ninguém os quis ouvir, preferindo-se-lhes o canto de sereias das agências de rating… Todos eles foram - e continuam a ser - sistematicamente descredibilizados como "pessimistas", como se não tivessem sido justamente os pessimistas a ter quase sempre razão nos períodos mais difíceis da História, e como se a pertinência das suas previsões decorresse de alguma misteriosa patologia… É certo que às vezes parece que eles exageram - mas não será esse o único modo de o realismo e a lucidez se fazerem ouvir, numa época que tantas vezes mais parece um alucinante leilão de ilusões?»

Manuel Maria Carrilho, DN

7 comentários:

Anónimo disse...

Isto só pode ser uma piada juntar Taleb ,Roubini com Stiglitz e Krugman amigos da Enron, Freddie Mac, Fannie Mae, está tudo bem no subprime, "não há risco relevante"...

Ou é desonestidade ou o MMC não sabe do que fala. Dúvido muito uma vez que Krugman diz que devemos ainda ter uma bolha maior. A outra explicação é que MMC não sabe ler mas essa é absurda.

Curiosamente não estão na lista muitos "ultra-neo-liberais" moderados que avisaram para o mesmo...é só ir ler os alguns dos papeis do CATO Institute, da Heritage Foundation e do American Entreprise Institute "neocon" está aqui um texto de 2005 a avisar para o sarilho: http://www.aei.org/outlook/22514.
Se se quiser ir ao hardcore da escola neoliberal austríaca é só ir ao Mises Institute.
O que demonstra o limitado mundo por onde se move MMC, pior, errado.

lucklucky

Anónimo disse...

No dicionário socialista corrente, "pessimismo" é sinónimo oculto de "realismo", enquanto este se traduz de igual modo em "mentira", que geralmente vem acompanhada com ignorância, arrogância e vaidade, sem esquecer o fato e a gravata de marca.

Anónimo disse...

Ontem à noite na SICN, no programa de Gomes Ferreira, um dos convidados disse esta coisa de pureza quase divina: "os bancos portugueses têm de ser submetidos a um teste de stress...mas tem de ser credível, não pode ser por ordem do Ministro das Finanças".

floribundus disse...

só o Correio da Manhã menciona
as escutas do caso PT.
o silêncio fúnebre da comunicação social e dos blogues cheira a cobardia e enterro da democracia

Daniel disse...

Manuel Maria Carrilho "esqueceu-se" de mencionar que, em Portugal, Manuela Ferreira Leite também alertou para a crise que vinha aí, preconizando medidas para suavizar o impacto da crise, atitude escarnecida pelo governo de José Sócrates.

Anónimo disse...

Mesmo caído na maior miséria pedinte, coberto de chagas, coçando pústulas, vestido com trapos e catando vermes do chão, este bravo povo (nele incluídas as virgens do socialismo) aceitará as suas próprias responsabilidades e admitirá a sua cegueira voluntária.
Tirar lições da história e manter as ditas vivas na memória - ou seja: aprender - é prova de inteligência. E não fazer o oposto.

Ass.: Besta Imunda

Eduardo F. disse...

Com respeito, das duas uma: ou Carrilho foi enganado pelas leituras que fez ou não sabe, de todo, do que está a falar.