1.7.10

«É PRECISO UM HOMEM DESCER MUITO PARA SE JULGAR FELIZ»


Estão sempre a atirar-me à cara com o meu alegado fel e mau feitio. Ora leia-se Baudelaire que serve de resposta. «O senhor é um homem feliz. Lamento-o, Senhor, por ser feliz com tanta facilidade. É preciso um homem descer muito para se julgar feliz!...Ah!, o Senhor é feliz. Pois bem! Se dissesse: sou virtuoso, depreenderia que essa afirmação subentendia: sofro menos do que qualquer outro. Mas não, o Senhor é feliz. Quer dizer: fácil de contentar? Lamento-o e considero a minha má disposição mais refinada do que a sua beatitude.»

15 comentários:

Nelson Marques disse...

Caro João Gonçalves,

Lê-o quem quer, obviamente.

Pela minha parte encontro-lhe... como dizer... um não sei quê de São João Baptista. Sobretudo porque nos ajuda a todos a preparar para algo que se há-de seguir.

Trabalho inestimável portanto.

Paz

Hugo da Graça Pereira disse...

na mouche!! Diga-me por-favor qual é a obra, que não conheço mas que já estou interessado em ler!

Hugo Correia disse...

A minha 'munição'(onde Baudelaire por ignorância e preguiça não se encontra)poderá ser limitada, mas penso que adequada à circunstância:


«Aquele que na vida prefere o belo ao útil acabará, como a criança que prefere as guloseimas ao pão, por arruinar o estômago e contemplar o mundo de forma caprichosa.»

Nietzsche, Humano, demasiado humano


«Nunca somos tão infelizes como cremos, nem tão felizes como ansiávamos.»

La Rochefoucauld, Máximas


«O homem foi visivelmente feito para pensar; é esta a sua dignidade e o seu míster; o seu dever é o de pensar como deve ser. Ora, a ordem no pensamento consiste em começar por si, pelo seu autor e pelo fim. Mas em que pensa o mundo? Jamais nestas coisas, mas sim em dançar, em tocar alaúde, em cantar, em fazer versos, em andar de roda, etc., em medir forças, em fazer-se rei, sem pensar no que significa ser rei, nem no que significa ser homem.»

Pascal, Pensamentos

De "O Livro da Tranquilidade" - apresentação de Olívia Benhamou


Já agora permita-me elogiar o renovado "Portugal dos Pequeninos". Penso que também ajudou a 'suavizar' o seu autor, claro, sem perder o tom crítico e pertinência(quase sempre) que lhe é característico.

Anónimo disse...

mas olha que isso não é resposta nenhuma, João...

veja o exemplo de Cristo, e da Alegria que Ele era e que trouxe.

um pouco de ânimo fazia-lhe bem

iupi disse...

dependendo da altura a que se encontra.

Sísifo disse...

Está a confundir Transtorno Obsessivo-Compulsivo com literatura.

JMG disse...

O sarcasmo contra a estupidez, a ignorância e o crime é justificado e merecido. Mas, o mais das vezes, o sarcasmo gasta-se aqui contra a mera diferença de opiniões. Mas está bem: continuo a vir aqui porque continua a valer a pena. Mas Deus me livrasse de ter alguma importância ou notoriedade e, ao mesmo tempo, ter uma opinião diferente de João Gonçalves: seria logo despromovido a sacana.

zézinho disse...

Acho indecente que andem a chamar "cagalhão com óculos" ao professor CAA.

Anónimo disse...

Apenas uma pequena parte dos bem-dispostos e optimistas o é sempre: trata-se pois de casos patológicos.
Os restantes bem-dispostos e optimistas são a grande maioria - e essa boa-disposição decorre do facto de lhes (es)correr bem a vida. O optimismo tranquilo dá-se bem é na fartura ou nas existências escudadas dos "horrores" que o resto da piolheira tem de sofrer.
Para pessimista mal-disposto basta ter dois dedos de testa e conhecer minimamente o nosso semelhante e os seus instintos. A receita para a felicidade está em ser baboso de idiotismo.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

A alegria de Cristo ainda está para ser provada. Para a história de Cristo ter chegado até nós, mesmo arranjada e reescrita várias vezes, Ele deve ter sido um tipo extraordinário. Por isso mesmo não acredito que fosse louro.
"...Omnisciente como devia ser o Filho de Deus, dificilmente terá sido feliz pois estava bem consciente das coisas que nós, os cristãos, iriamos fazer em seu nome."

Ass.: Besta Imunda

Animal disse...

o mau feitio e o azedume são indubitavelmente mais elegantes que um sorriso espontâneo e sem qualquer motivo racional. além disso os gastroenterologistas precisam de ganhar a vida.

acho que sim: é patriótico e sinal de superioridade praticar a auto-mutilção intelectual.

Alex disse...

João… cá estou de novo, mesmo não tendo recebido a sugestão para uma primeira leitura de Jorge de Sena! Isto é mesmo um vício danado, vir aqui de vez em quando! Beaudelaire foi de um cinismo exagerado, teve uma infância e adolescência um tanto difícil.Um relacionamento com a mãe um pouco estranha. Foi um dandy. Levou uma vida bem pouco moderada. Essa afirmação não deve ser considerada como medida de comparação...sem menosprezo pela sua obra...

Alex disse...

As pessoas com mau feitio não são muito felizes porque acham que tudo está mal, que ninguém tem razão; não conseguem ver a beleza nas pequeninas coisas, não são tolerantes principalmente quando os outros não pensam da mesma maneira, não gostam das mesmas coisas, não tem os mesmos conhecimentos, os mesmos gostos...Não são felizes porque não conseguem sorrir.

João Gonçalves disse...

Resposta ao leitor Hugo - de uma carta que Baudelaire nunca chegou a enviar, citada por Jean-Paul Sartre no seu (excelente) «Baudelaire».

Anónimo disse...

Jesus? Ou Brian?

http://www.youtube.com/watch#!v=-ECUtkv2qV8&feature=fvw

Para as pollyanas e sócretinos cantarem em uníssono.

Merkwürdigliebe