13.4.10

É SÓ ISTO

Como católico, considero intelectualmente desonestas as declarações do Cardeal Tarcisio Bertone que, no Chile, teve a brilhante ideia de ligar a homossexualidade à pedofilia. E são desonestas porque, num homem com a sua formação, é inadmissível um "raciocínio" digno da superstição mais primitiva e analfabeta. A pedofilia é um crime e uma patologia. E a sexualidade, em versão hetero, homo ou ambas, não é nem um crime nem uma patologia. É só isto.

42 comentários:

Anónimo disse...

A Igreja não é um partido, para que estas coisas se discutam. Come e cala.

Anónimo disse...

Mas num contexto como o dos abusos sexuais cometidos por padres, em que quase todos os casos são relativos a pedofilia homossexual, sendo raras as situações de pedofilia heterossexual, é possivel não notar a prevalencia da orientação homossexual nos padres pedofilos?

Anónimo disse...

o que o cardeal disse e os media truncaram, foi que "segundo os estudos, nos casos de pedofilia entre padres católicos, 80% são situações de homossexualidade reprimida e que não estão relacionadas com o celibato".
E resumiu: "ou seja: são situações que têm a ver com homossexualidade e não com o celibato".
Referia-se à pedófilia na Igreja Católica e não à pedofilia em geral.
Foi isso.
Parabéns, caiu na ratoeira dos jornalistas, caro João Gonçalves!

Anónimo disse...

A este propósito, é indispensável ler: Massimo Introvigne, Pedophile Priests. The Social Construction of a Moral Panic, em http://www.cesnur.org/2010/mi_preti_pedofili_en.html

Aí se refere, entre outros dados interessantes, com base num estudo do insuspeito John Jay College, que "While it may hardly be politically correct to say so, there is a fact that is much more important: more than 70% percent of pedophiles are males who abuse other males. And over 90 percent of Catholic priests convicted for sexually abusing minors abused males. If a problem has sprung up in the Catholic Church, it is not due to celibacy but to a certain tolerance of homosexuality in seminaries, particularly in the 1970s, when most of the priests later convicted for the abuses were ordained."

João Gonçalves disse...

O que se diz no post acerca da infelicidade das declarações - vi e ouvi-as perfeitamente - serve para alguns comentários. Já feitos ou por vir.

Anónimo disse...

João, de forma muito directa, dê-nos a sua explicação para o facto de a maioria dos casos de pedofilia na Igreja serem de natureza homossexual, sendo muito menos frequentes, nesta instituição, os casos de pedofilia heterossexual?
Porque é que isto sucede? Porque é que os padres pedofilos se orientam mais para os rapazes e menos para as raparigas? Será o celibato que desenvolve nestes padres o gosto por rapazes e a aversão sexual ás raparigas?
Ou serão factos exteriores ao celibato?

João Gonçalves disse...

Não sabe ler? A pedofilia é um crime. E quem a pratica é um criminoso. Se for padre, é um criminoso que é padre. Se for pedreiro, é um criminoso que é pedreiro. Se for professor, é um criminoso que é professor. Se é um estimável pai de família, é um criminoso que é um estimável pai de família. E assim sucessivamente.

Pedro Morgado disse...

Os anónimos que aí estão a citar o Cardeal não sabem o que dizem. Eu ouvi as palavras da boca dele e o que ele disse foi exactamente o que João Gonçalves aqui refere.

Anónimo disse...

Meu caro. Meteu o pé na poça. Precipitou-se na análise.

O cardeal Bertone refere-se aos padres pedófilos e estes são-no, porque são homossexuais.

Já vários responsáveis da Igreja declararam que é preciso mais cuidado na selecção de candidatos ao Seminário e os homossexuais devem ser excluídos.

Já reparou que a pedófilia de padres é quase exclusivamente homossexual?

Anónimo disse...

O que não esperava era um João Gonçalves "politicamente correcto"...
Por vezes turva-se-lhe a inteligência. E é pena dado ser o blogger que mais gosto de ler.

Anónimo disse...

Nao sei qual é a percentagem de heterossexuais entre os homens em geral. Mas imagino que seja lá para os 90%... Se juntar isto aos dados referidos nos comentários já aqui feitos, nao percebo como nao considerar legítimo, pelo menos, perguntar se o facto de as vítimas dos abusos serem, na sua grande maioria, rapazes nao estará relacionado com a homossexualidade.

João Gonçalves disse...

Politicamente correcto? O que é que bebeu esta noite? Se o Cardeal tivesse dito que a heterossexualidade está ligada à prostituição, não acha que não seria um bocado exagerado? Quanto ao que quer à viva força passar atestados disto ou daquilo a alguns padres para chegar à Igreja, vá dar para esse peditório noutro lugar. O que não falta aí é blogues dedicados em exclusivo a isso, coitadinhos.

Anónimo disse...

João,
Sou completamente abstémio, só bebo água.
Por mais voltas que dê não encontro nenhum desacerto nas palavras do cardeal mas admito ser intelectualmente limitado (eu, claro....)
Quanto à relação heterosexualidae/prostituição não acharia um bocado exagerada mas sim completamente estapafúrdia.
Cumprimentos

José Maia disse...

Não é difícil perceber porque os casos encontrados são maioritariamente homossexuais. As instituições da Igreja que acolhem rapazes são orientadas por funcionarios e consagrados homens, as femininas vice-versa. Por outro lado, há uma complacência muito maior para com a pedofilia heterosexual. Veja-se a prostituição infantil nas Filipinas ou Tailândia, tão apreciada por respeitáveis anónimos ocidentais. Ou os edificantes episódios dos suburbios das grandes cidades e da provincia. É tão natural como saber que grande parte das putas onde se vai "despejar a tomatada" são trazidas ao engano e mantidas sob chantagem. Quer alguém saber disto para alguma coisa?

P.S. - Que testemunho corajoso é esse que debita umas postas de pescada com assinatura de anónimo?

João Gonçalves disse...

Exactamente. Tão estapafúrdia como a outra. A Igreja não tem de aprovar a homossexualidade tal como o Papa não deve lançar preservativos das janelas do Vaticano. Mas também não pode, por razões puramente defensivas, associar a 1ª a um crime (há pedófilos homo, hetero e bissexuais)em nome dessa não legítima aprovação. Não é com cajadadas destas que se matam os maus coelhos.

Karocha disse...

Não entendo estes anónimos!

O que um ser humano, resolve ser a sua linha sexual é um ponto.
Pedofilia é um crime.
Aliás tentaram a mesma conotação no caso "Casa Pia"
O JG. tem toda a razão!

Anónimo disse...

Bem gostava de perceber qual é a diferença entre pedofilia e pederastia.
É que, como se sabe, na Grécia Antiga era comum os adultos letrados ensinarem a matemática ou a filosofia a jovens efebos no âmbito de uma relação homossexual. A coisa, segundo consta, era simplesmente aceite ... de modo que pelos vistos e escritos actuais parece haver um eloquente retorno ao "berço da Civilização Ocidental" ...

Anónimo disse...

Grupos de risco não lhe dizem nada?

Segregar homossexuais no acesso a padres ou monges, tem a mesmíssima finalidade que excluir os homossexuais de darem sangue.

Uma questão pragmática e matemática.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Ana Margarida Tinoco

Anónimo disse...

Toda a gente sabe e volta a saber que a pedofilia é praticada por homosexuais.

Quem é que querem enganar?

É assim.

A grande diferença entre o Estado Novo e esta república está no tipo de sexualidade.

Antes foi o ballet rose, onde homens desfrutavam de jovens raparigas e agora é a casa pia onde os homens desfrutam de rapazinhos.

E esta? Hem?

Anónimo disse...

http://diario.iol.pt/sociedade/pedofilia-serzedelo-bertone-homossexualidade-igreja-tvi24pt/1154471-4071.html

Anónimo disse...

Pedofilia é crime.

Agora a pergunta é se na triagem já tinham praticado actos pedófilos para se saber.

Como é óbvio, não. Portanto os testes para seleccionar o ingresso, fazem todo o sentido.

E neles pode-se detectar mais facilmente a homossexualidade que qualquer outra "doença" chamada crime e que ninguém sabe como se detecta antes do "crime"- acto sexual- acontecer.

Ana Margarida T.

Anónimo disse...

Ninguém sabe com o que está relacionada uma tara.

No caso do Fritzl na Áustria até estão a estudá-lo.

Mas há variantes onde o limite de idade é um nada. E é aí que acontecem as coisas.

A menos que alguém diga que de um dia para o outro um acto pedófilo passa a ser uma mera prática sexual pederasta, que nada tem de criminosa.
...........

Ana Margarida T.

Karocha disse...

Anónimo
A escravatura,não era crime, passou a ser.
A pedofilia, não era crime, passou a ser.

Chama-se "Avanço da Civilização Ocidental"

Anónimo disse...

A homossexualidade não é oficialmente uma doença porque os psiquiatras - muitos deles homossexuais - decidiram que assim fosse, há 30 anos. Não houve nenhum facto novo que fizesse pensar que a consideração da homossexualidade como uma perturbaçao grave estava errónea.
O Catolicismo continua a considera-la uma perturbação grave e a sua prática um pecado.
A pedofilia quando é exercida sobre criança do mesmo sexo é pedofilia homossexual

Anónimo disse...

É só isto.

Os pedófilos são-no numa percentagem muito mais elevada entre os homossexuais que os heterossexuais.

Aliás os homossexuais até reivindicam a redução da idade do consentimento.

Muitos sociólogos já chegaram a esta conclusão.

Ponto Final.

Alex disse...

A pedofilia, qualquer que seja a sua origem, para o caso não interessa. É crime e acabou-se.
Interessa é que o Papa tome medidas a sério e não esconda padres criminosos no Vaticano onde as autoridades estrangeiras não lhes possa pôr a mão. E quando um caso desses acontecer numa grande paróquia não envie esses criminosos para os sítios mais pequenos que podem existir em países católicos pensando que lá não vai haver problema porque as pessoas são ignorantes e não vão fazer nada contra esse dito padre. Se não aprenderem a lição agora e se não fizerem uma “limpeza” a sério, vão perder muitos fiéis. Neste caso, perder a fé na Igreja não é a mesma coisa que perder a fé em Deus.

Atónito disse...

Ó Anónimo e se fosses resolver o teu problema pessoal.
A Pedofilia é uma ANORMALIDADE DO FORO PATOLÓGICO.
A merda de dizerem que existe mais nos homo do que os hetero é de imbecis mentecaptos.
Aceita esta porra de uma vez por todas; O mundo apenas está revoltado porque morALMENTE os clérigos não deveriam ter estes desvios. OK?

O mal deste mundo é mesmo a merda de TODAS as religiões!

E podem crer que o celibato (tanto laico como religioso) é mesmo uma das causas destes comportamentos.

Estas aberrações advêm de longos períodos de solidão e carência instalada e manifestam-se quando não se encontra resposta para o seu suprimento em indivíduos/as adultos.

Nuno Oliveira disse...

Não sou católico. Nem cristão, por muito que os pais digam que eu fui baptizado e que não haja volta a dar.

Não comungo da forma como a Igreja age. São hipócritas.

Surpreende-me o seu espanto, caro João... eles são hipócritas.

A ideia que pretendem transmitir, mais uma vez, é que a homossexualidade é algo do demónio. Embora não o digam taxativamente, deixam implícito que os homossexuais são a razão da pedofilia. Uns tristes.

Acrescento apenas que sou mais cristão nas minhas acções que a maioria dos cristãos assumidos. O que ainda me entristece mais...

Pedro disse...

Pedofilia não é crime, é um conceito médico. Crime é outra coisa: abuso sexual, violação, etc. Rigor p. f.f.

Anónimo disse...

Como é conhecido, o capitalismo, esse eterno reciclador, reservou lugares de destaque e de poder a estes contestatários. Mas o tempo o está a pregar uma enorme partida a essa geração que enquanto teve e tem um discurso muito severo sobre quem a precedeu e se habituou a ser extraordinariamente indulgente consigo mesma. O que agora os atormenta não é terem chamado libertadores a ditadores, confundido filósofos com chefes de seitas ou, em alguns casos, terem atravessado a ténue linha que então separava a contestação do terrorismo. O que o tempo agora lhes atira à cara através de interpostas crianças é a memória desses anos em que eles gritavam liberdade, façam amor e não a guerra, eram jovens e belos, em que acreditavam que iam ficar para a História, quiçá ser o seu fim e não concebiam sequer que outras gerações os julgariam. Com as suas enormes diferenças o drama de Daniel Cohn-Bendit, Frédéric Mitterrand e Roman Polanski é que tudo aquilo que agora lhes é atirado à cara foi senão aprovado pelo menos razoavelmente tolerado em determinados períodos.

Belzebu Catita disse...

Como católico, deveria desconfiar sempre dos padres. Aquilo não é gente em quem se possa confiar. NUNCA.

Fado Alexandrino disse...

Vamos lá a ver se aqui passa que noutros sites não.
A pedofilia (quando entre homem e criança ou rapaz)pode levar ao homossexualismo e vice-versa.
Se disserem que não quem sou eu para vos contradizer.

Anónimo disse...

"Le sexe rend fou"
Sigmund Freud

Anónimo disse...

A confusão está na finalidade da segregação.

Se é uma medida pragmática, para evitar problemas internos- tem todo o sentido- são grupos de risco. Ponto final.

Se se quer tomar a questão por "opinião" da Igreja face aos homossexuais é outra.

E aí pode ser mais complicado pois é um problema que a doutrina nunca resolveu.

Mas as coisas foram mudando e hoje também já não se queimam sodomitas.

O problema da Igreja com estes padres até dá ideia que foi outro- excesso de condescendência por nunca saberem o que fazer com o sexo.

A Igreja tem um problema com a sexualidade.

E é óbvio que agora os ateus militantes e os grupos LGBT tiram partido disso e querem impor agendas deles lá dentro.

Não faço a menor ideia que interesse podem ter pessoas com sexualidade activa e com causas proselitistas em se infiltrarem numa organização que não feita para desbunda.

E imagino que o João também não se revolte se não deixarem entrar muitos activistas sexuais para padres.

Anónimo disse...

Claro que a questão da percentagem de casos entre pessoas homossexuais altera muito.

Mas altera em relação a agendas laicas, não em relação à Igreja.

E a questão de base é a que o psiquiatra Afonso de Albuquerque anda há anos a dizer a medo- por temer ser apedrejado pelos lobbies-

existem vários tipos de homossexualidade. Portanto, não se trata apenas de chamar a tudo- uma heterossexualidade saudável de sentido contrário.
Até porque o que não é apenas saudável é a sexualidade.

E estes desvios é que não podem ser classificados clinicamente como "crime".

Alex disse...

É evidente que os “desvios” em si não podem ser classificados de crimes. Crimes são os actos que deles advêm.

GAVIÃO DOS MARES disse...

Eh pá!!!
Quando o tema é paneleirice tudo saca da pistola.

Anónimo disse...

«É evidente que os “desvios” em si não podem ser classificados de crimes. Crimes são os actos que deles advêm.

Não necessariamente. Nem todos os actos derivados de desvios são considerados criminosos.

O erro do João foi precisamente esse. Seguiu uma responsabilização jurídica e fê-la passar como um sintoma de comportamento sexual.

E isso está errado. Pode existir muito comportamento derivado de desvios ou sexualidades doentias que não é criminoso- entre adultos e com consentimento de ambos o que mais há é comportamento sexual anormal- na net até está lá todo para consumo e venda voyeur. Ao vivo fazem-no.

Portanto, o erro mantém-se. Em termos práticos não se pode dizer que a pedofilia é uma doença já que doença é tudo acerca do qual é possível detectar sintomas.

As inclinações pedófilas não têm sintomas- logo, não se podem prevenir aprioristicamente. Só depois dos actos de abuso.

Por isso é que já se considera crime a pornografia infantil- por ser uma prática sintomática de apelo a abuso.

No caso da Igreja, como a triagem é absolutamente diferente, pois os candidatos têm de se candidatar a castidade, não há alternativa.

Só evitando os tais grupos de risco.

E, como é óbvio, com uma alteração face ao acto de pedofilia que dantes a própria sociedade não considerava sequer criminoso.

Estes exemplos demonstram-no. Na maior parte dos casos nem a polícia ligou.

Não vejo aqui a menor associação ofensiva para quem seja católico e homossexual.

Se nem quer ser padre, não lhe diz respeito.
Mais apalermada é a condenação da pílula e outras coisas do género.

Alex disse...

Com receio que seja contagioso.. Gavião dos Mares?

Anónimo disse...

BDSM não lhe diz nada?

Acaso não são desvios?

São punidos por lei, entre maiores?


........

Nick à escolha do freguês, mas também posso escrever nome e apelido.

Anónimo disse...

Já agora, DBSM é doença?

É que esta mania de se chamar "doença" a tudo, também serve para muita coisa.

Até os drogados já são doentes.

E os BDSM- o que é que são- os actos podem ser ainda mais violentos que pedofilia consentida- porque também existe- mas não tidos por doença e por crime?

------------
Nome :Catarina da Rússia.

Alex disse...

Catarina da Rússia
Só agora me apercebi que o meu comentário ao seu não entrou na devida caixa.
O “momentum” do post já passou. Ficamos assim.
Alexandra