20.4.10

UM DESASTRE ANUNCIADO

As "confiantes" declarações do Presidente sobre a nossa economia e o seu glorioso futuro, nacional e internacional, só têm uma interpretação possível. Cavaco ficou associado, como primeiro-ministro, a um bom desempenho. Dele e do país. Teme agora, como chefe de Estado presumivelmente reeleito, vir a presidir a um desastre anunciado.

13 comentários:

Anónimo disse...

Não percebo. Também está em negação?

Anónimo disse...

Só para dar os parabens ao autor deste blog, João Gonçalves, pela brilhante campanha eleitoral que protagonizou, neste seu mesmo blog, apoiando o candidato e actual eleito Presidente da Republica Professor Cavaco Silva, que continua a ser conivente com o descalabro da actual politica governativa em Portugal. Os meus sínceros parabens, merece-os...

Anónimo disse...

Em minha opinião, também tem bastantes culpas no "desastre anunciado".

A "estabilidade" que está, sempre, a 'evocar', parece-me que não passa de um estratagema para um novo mandato.

Desiludiu-me muito.

1 chulado.

Anónimo disse...

É também por isto que a constituição deve ser alterada.
Não faz sentido a possibilidade do presidente poder ser reeleito com o actual sistema político.
Todos os PR actuaram nos seus primeiros mandatos de forma a, de maneira mais abrangente,serem reeleitos.
Desta vez não votarei a menos que surja alguém que pretenda alterar o sistema politico vigente.

David Levy disse...

Mas para ser reeleito é preciso votos. O meu hoje ficou tremido. Ouvir Cavaco dizer que o Governo está "a fazer o que é preciso", não me caiu bem. Tenho um profundo desprezo pelo 1º ministro e pela trupe dele. Não percebo como é que o PR pode elogiar gente desta laia e que faz o que faz há 15 anos.
Outra destas, e Cavaco terá de ir pedir votos a outra freguesia.

Mani Pulite disse...

DEPOIS DA BANCARROTA, PORTUGAL PRECISARÁ DE ALGUÉM COM MUITA CREDIBILIDADE INTERNA E SOBRETUDO EXTERNA.COM ESTAS DECLARAÇÕES CAVACO ESTÁ A DESBARATAR A SUA CREDIBILIDADE INTERNA E,MUITO PIOR,TODA A SUA CREDIBILIDADE EXTERNA.SERÁ QUE NÃO APRENDEU A LIÇÃO KLAUS OU JULGA QUE PODE TAPAR O SOL COM UMA PENEIRA?

Anónimo disse...

E por estar tão confiante no Sócrates e no seu PEC, mereceu bem o ridículo por que o fez passar o presidente checo.

Anónimo disse...

O desastre anunciado, a acontecer, também se deverá a factores externos que não controlamos (vergonhosas apostas especulativas em como "Portugal se afundará", à vista de todo o mundo e do inoperante BCE); e que a "União" também não parece muito disposta a combater (queridos parceiros...). Cavaco, já aqui o disse, tem sido silencioso e "cúmplice" quando se impunha pancadaria às bestas socialistas, e agora, talvez tarde demais, "fala" para tentar salvar a coisa económico-financeira. Não sei o que teria feito outro qualquer dos nossos "presidenciáveis" - falar é fácil. No entanto, não consigo perdoar a Cavaco a "convivência" quase incondicional com o burlão Sócrates. Se houvesse decência no PR e no País, aquando do caso-licenciatura, do caso-independente, do caso-"projectos" e do caso-lixeiras, mesmo sem "freeport", "só" isto bastaria para mandar Sócrates para Pinheiro-da-Cruz, e teria sido feito com a antecedência que talvez nos poupasse agora ao desastre. Talvez... No entanto o "povo" não está livre de culpas: tudo se admite, tudo se pode fazer e dizer, ninguém se revolta, não há escândalo público, a dignidade acabou; acho que a maioria das "pessoas" nem percebe quão escandalosa é a situação. Puta que os pariu a todos.
Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

As únicas apostas especulativas que vejo é daqueles que ainda emprestam dinheiro ao Estado Português. Certamente emprestar alguma coisa a este Estado é alto risco.

Hoje cada Português dos 0 aos 110 anos passou a dever mais 107,5 Euros. Ou á volta de 200 Euros por pessoa que trabalha ou 400 por casal que trabalha.

lucklucky

Anónimo disse...

Concordo, meu caro Lucklucky; eu próprio fui na última 5ª feira pagar às "finanças" cerca de 380 Euros - a mais - "...porque sim": ou seja, houve um erro (deles...) que terá de ser reparado (por eles...) mas enquanto isso não acontece, o pagamento INDEVIDO terá de ser feito (por mim...). Com esse (meu...) dinheiro, o "estado" capitalizará juros, jogará em casinos ou da-lo-á a comer a criminosos aforrados (que o cagarão depois...). Pagamentos indevidos, "erros" das finanças e outras merdas tenho eu muitas coleccionadas e documentadas. Temos também a certeza de que jamais iremos ver o dinheiro (pouquinho...) todo. Vários contribuintes terão já pago muitas vezes os seus 200 Euros, que somos supostos dever ao "exterior". Quanto aos que nos emprestam dinheiro, não estou ralado. Sabem que o irão receber de volta, TODO, e com altos lucros. Aí está a "aposta especulativa".
Ass.: Besta Imunda

Justiniano disse...

Ora, caro João Gonçalves, o problema de Cavaco (por ora Senhor Presidente da Republica) é, e sempre foi, a enorme (propensão) (tentação) de ficar, sempre, bem na fotografia...um vaidoso travestido de espartano. Um lugarzinho quentinho nos anais da história de Portugal. Alguém diga ao homem que as "forças vivas", "mercado", "investidores", "parceiros"...estão-se borrifando para o que quer que este verbalize!!
Uma grande desilusão, este Cavaco, que nem a companhia do "Checo" aproveitou, devemos estar sempre a aprender, pena!

Anónimo disse...

Caro Besta Imunda(não soa lá muito bem...:)

Cada um de nós deve ao exterior só em Dívida Publica mais de 13500 Euros. Depois adicione tudas as dívidas das empresas publicas, PPP's, Câmaras Municipais e não deve andar longe dos 18000 Euros ou 36000 por quem trabalha.

Eu só disse que com o empréstimos de hoje de 1000000000 de Euros foi mais 200 para a conta de quem trabalha, fazendo por alto as contas que 50% da população trabalhe.

lucklucky

Anónimo disse...

Caro LuckLucky (soa bem, embora prefira Lucky-Luck, "cobói" que animou a minha feliz infância...),
Não seja por isso...Se necessário for, e se isso ajudar o País, também tenho já 18000 Euros, que entrego a fundo perdido e em "el-contado"; os 36000, também consigo arranjar, mas preciso de mais horas e de convencer alguns amigos meus, marginais, a fazer o inconcebível. O problema está no dia seguinte. Acredito que por esses cofres arrombados de autarquias, ministérios e empresas públicas ainda haja alguma mísera reserva de metal; por outro lado teríamos possibilidade de alienar algum (pseudo)património (coisas físicas que alguns socateiros mundiais ainda poderiam valorizar...). Quero eu dizer que se estas contas já se fazem, pois que se faça também um plano de futuro e que se arranque a partir do "zero", como novos, limpos, rapados e expurgados de piolhos, escovados e prontos para reconstruir - necessário será, primeiro, executar barbaramente ("with extreme prejudice" como dizia um general ao capitão Willard) alguns vultos que enfeitam a paisagem nacional. Assim haja colhões para o fazer.

Com consideração e cumprimentando,
subescrevo-me - Besta Imunda.