22.4.10

UM ESCRIBA NO PORTUGALÓRIO

O velho comunista B-B - quase, fosse ele, de facto, romancista, um neo-neo-realeiro muito esforçado - deu recentemente numa das mais virtuosas reciclagens operadas pelo PS e pelo regime. São actos de gratidão que ficam sempre bem a qualquer um. A câmara de Joãozinho Soares providenciou a espaço físico que, muito justamente, alberga o por vezes talentoso cronista e polemista. E a divina providência da política, onde o antigo sectarismo não descola deles mesmo quando eles de lá se imaginam afastados, faz o resto. O presidente checo é um vigoroso anti-comunista e um político "entomatado" e isso incomoda, desde Cavaco a B-B que, por sua vez, se incomoda sobretudo com o último por quem nutre vesgo ódio. B-B não entende (não lhe convém entender) que Klaus verberou mais uma língua de pau que vigora na Europa dos falsos consensos do que o Portugalório insignificante cuja merceria atrapalha e envergonha qualquer um. Parece que B-B queria que Cavaco desatasse numa bravata inconsequente e quixotesca contra Klaus para que isto não parecesse tão rídiculo e insignificante como na realidade é. No fundo, B-B transmuda a verrina que fazia as pequenas bolsas douradas de alguma da sua escrita na facilidade agradecida a um regime que, afinal, fez de Portugal o Portugalório que, ele sim, nos envergonha tão cá dentro como lá por fora e que Cavaco - porque é para isso que lhe pagam - defendeu, embaraçado, como pôde.

6 comentários:

Anónimo disse...

qd soares, mário se fartou de dar força em todo o lado a vaklav havel junto de tudo que era amigo europeu os checos não reclamaram. afinal os checos, um dos povos mais antipático com que já tive de lidar, mal se livraram da união soviética tratararm de escorraçar os seus pobres vizinhos eslovacos. boas almas.no fundo, a questão resume-se a cházinho e tomates. um que o presidente checo não tomou em pequenino e os outros que nunca cresceram ao nosso belenense inquilino.

Jacinto disse...

Vergílio Ferreira, na "Conta - Corrente", descreve na perfeição essa "pena vendida".

João Sousa disse...

Ou seja, BB considera um enxovalho a exposição da verdade: que a maior parte dos portugueses estão perfeitamente indiferentes ao desastre iminente.

Curiosamente, quando algures no passado recente Sócrates expunha o seu inglês técnico perante os pares europeus, babando que era um "double proud" e outras calinadas que tais e provocando gargalhadas trocistas em tão circunspectas criaturas, não ouvi BB ou trupe semelhante invocar ofensa pelo enxovalho.

Anónimo disse...

B-B é merecedor de todo o nosso respeito.

Anónimo disse...

"mal se livraram da união soviética tratararm de escorraçar os seus pobres vizinhos eslovacos. boas almas."

Boas almas precisamente, não querem controlar outros. Têm inteligência suficiente para saber que são diferentes e o que isso implica.

Outros preferem a ambiguidade, o interesse disfarçado de amiguismo,a vassalagem, o conforto da bolha especulativa de estar em rebanho.
O descanso de que se algo correr mal os outros também sofrem.

lucklucky

Garganta Funda... disse...

Desde que descobriram a marosca da casinha camarária do BB, o homem nunca mais atinou.

Dum palavreado vigorosamente anti-socretino começou a vislumbrar as excelcitudes do «sucialismo» vigente.

Ó BB, onde é que estavas quando esta corja começou a rapinar e a espoliar os portugueses?