27.4.10

OS DEGRAUS DA ESCADA

O dr. Passos telefonou ao 1º ministro. O 1º ministro agendou o dr. Passos e, a seguir, o Doutor Cavaco agendou o 1º ministro. Gostamos todos dos mercados mas os mercados são como tudo na vida dos dias de hoje. A democracia funciona em pacote à semelhança das viagens a Cancun com pulseiras "pensão completa". E funciona em huis clos. Particularmente na Europa. Ora a Europa, a do euro, está em crise e a senhora Merkel não tem sido especialmente inspiradora. O que se passa - e virá a passar - prova à saciedade que, não tarda, a Europa regressará as "velocidades", da primeira à vigésima quinta ou sétima. As agências de rating valem o que valem. Mas nós também.

8 comentários:

Anónimo disse...

Este ano, nos 3 primeiros meses cada português passou a dever mais 320 euros para juntar aos 13270 já devia final do ano de 2009. Um aumento de 2,4% em 3 meses. Crescemos 2% em 3 meses? Nem 1% conseguimos num ano inteiro...

Como em Abril já houve mais dívida colocada no mercado já deve ir nos 500 uros ou mais por Português, do mais novinho ao mais velho. Como referência Portugal já está pagar juros acima do valor que seria o suposto empréstimo à Grécia.
Por isso já não falta muito, com estes loucos ao volante.

Acima só estou só a referir a dívida publica, depois`ainda há aquela das EP's, PPP's, Municipios e aquilo que não está à vista e só vai aparecer no futuro.

lucklucky

Garganta Funda... disse...

Há gente muito tola.

Então vocês acham que este grande «imbroglio» passa com uma reuniãozinha urgente entre o Sr. Engenheiro e o Sr.Dr.PPC?

Ainda acham que esta situação poderá ser resolvida com a «joint-venture» dos dois partidos que colocaram Portugal na miséria e na bancarrota?

Que povo é este, que já teve um Império e agora já não passa duma periférica região da UE e um futuro protectorado alemão, por via das obrigações da zona euro?

Será que «este» país tem Presidente?
Assembleia da República? Forças Armadas? Igreja? Em suma, Forças Vivas e Povo Soberano?

Anónimo disse...

Tudo o que Garganta Funda refere foi, há muito, despromovido, desmantelado, desactivado, esquecido, insultado, aviltado, desvalorizado e passado-a-patacos numa qualquer loja-do-prego entre Bruxelas e Estrasburgo. Agora que nos fazem falta, até é quase um exotismo referir tais coisas - "de que fala ele?" - perguntará um qualquer jovem porco chula-o-pai-e-a-mãe e que estuda linguas-e-literaturas-modernas, que por engano tenha topado com o Blog do nosso Bom Doutor Gonçalves. A pé-firme Gorge Profonde !

seu,

Besta Imunda

Karocha disse...

Assino por baixo Garganta Funda.

sampy disse...

Fiquei na dúvida se o meu anterior comentário entrou para aprovação. Se sim, é favor apagar esta cópia.

Gostaria de convidar o João Gonçalves, bem como quantos frequentam esta casa, a ler este texto:

http://corta-fitas.blogs.sapo.pt/3622952.html

Confesso que o meu coração se encheu de orgulho.

Anónimo disse...

A frase em epígrafe refere o trajecto previsível para o que é da propaganda no cartaz ? Ou é apenas uma espécie de exorcismo pela lembrança ? Ou ambos ?

Pedro disse...

Garganta Funda, pergunte aos gregos. Eles também já foram grandes, e nunca mais se endireitaram.

Anónimo disse...

Não aprecio particularmente o que o jornalista Ferreira Fernandes escreve: parece-me moralista, sentencioso e acerca de tudo fala, categórico. Um pouco como se faz aqui, mas sem o desabafo. No entanto recordou recentemente um eposódio há muito esquecido pelo país: a morte de Joaquim Agostinho. O nosso grande atleta caiu da pasteleira por acção irresponsável de um cão. Depois de ter batido com o crânio no basalto, foi socorrido pela rapaziada, amparado, e prudentemente conduzido a uma pensão próxima "para descansar" - autêntico! O traumatismo, a falta de assistência médica e uma finura estranha na espessura do crânio - revelada na autópsia - ditaram a sua rápida morte. Dadas as circunstâncias patéticas da ocorrência, FF concluia que "Agostinha morrera de ser português". O frase é arrepiantemente compatível com o tempo que vivemos: "...morrermos de sermos portugueses".

Ass.: Besta Imunda