7.1.11

DA FALSA INOCÊNCIA


A dra. Judite Seara, mais conhecida por de Sousa, entrevista esta noite mais um pândego da série "arranjou sete mil e quinhentas assinaturas para se candidatar a Belém". Presume-se que, não se tratando de um programa cómico, a dra. Judite questione o dito candidato acerca da sua proveniência. Ou seja, e nomeadamente, acerca de quem é que lhe anda a pagar estes quinze minutos de fama. O resto, já se sabe, será mais tempo de antena (em que a dra. de Sousa tem sido, aliás, exímia nas perguntas que coloca) contra um candidato a sério. Mas os media apreciam palhaçada. Força.

15 comentários:

Anónimo disse...

O Sócrates que hoje "respondeu" ao jornalista da SIC está a milhares de quilómetros do senhor dessa entrevista, e já sabe uma coisa que nós ainda não sabemos.

Garganta Funda... disse...

Certamente o homem vai denunciar em prime-time o outro pândego da Pérola do Atlântico, o agora apoiante do Sr. Silva.

Se ele denunciar como denunciou na TVI24 os cambalachos da nomenklatura funchalense e do «caniche de estimação do colonialismo de Lisboa» (AJJ) - todos eles apoiantes incondicionais da veneranda figura - não restará dúvidas a ninguém que estará a fazer serviço público.

De resto, e no estado em que está este desgraçado país - espero mais propostas e soluções deste candidato do que dos outros todos juntos, que até aqui só falaram em BPN,espingardas de caçadores, éticas, isenções,e outras tretas que nem interessam à «bliquinha do Menino Jesus».

O Sr. José Manuel Coelho talvez seja o único que se apresenta a estas eleições sem rabos de palha.

Por uma questão de princípios não voto para Presidente da República Portuguesa, mas se pudesse votar, votaria neste cidadão ilhéu, que tem feito mais como oposição do que a palhaçada da oposição socialista da Madeira neste últimos 30 anos!

Penso que o Sr. Dr. João Gonçalves irá mudar de opinião em relação a este bom homem que não tem nada a perder nem é apoiado pelos banqueiros e senhores do dinheiro, aqueles que esmifram tudo e todos.

Anónimo disse...

Tem razão, para palhaço basta o "candidato a sério":
Abateu a frota de pesca, mas agora diz que o mar é o futuro.
Abateu a produção, privatizou serviços públicos, fomentou monopólios de bens essenciais, entregues à banca, mas agora diz que é preciso produzir.
Desbaratou os fundos europeus.
Meteu criminosos no Conselho de Estado.
Acha que nada tem a ver, com a incompetência e desonestidade dos ministros que escolheu para governar Portugal, e com os quais manteve negócio.
Não se sente comprado, por receber rendimentos de 140%. E, além de nunca se enganar, considera-se duplamente honesto!
Acha que a melhor saída é continuarmos a endividar-nos à Banca.
O Mercado é que manda. Os credores não param de subir a taxa de juro da dívida. Já vai em 7,2%.
...
O Mercado é que sabe, quanto vale "o candidato a sério", e quanto vale o governo apaniguado e cúmplice!

Palhaço por palhaço, talvez o da Madeira, que se assume como tal, seja mais competente.

floribundus disse...

Cunha e Sá disse na TVi que havia um candidato e uns quantos mamiferos que não sabem o que andam a fazer.
eu sei. andam a gastar o dinheiro dos contribuintes

suponho que entrevista o coelho do carro fúnebre

Paulo Portas atacou o pm sobre o buraco cada dia maior do bpn.
o part-time fugiu para os Açores. por mim pode ficar a fazer companhia ao cesar dos subsidios

AN, Funchal disse...

Pois pois

A questão é que este pândego a que se refere não vai buscar-me nada ao bolso (se realmente ficar pelos 2 ou 3 mil euros), ao contrário do seu candidato, que terá um orçamento de campanha bem, mais muito bem, superior.
E apesar de pândego, sempre diz umas verdades incómodas (ao regime de cá e ao seu candidato).

E já que tem um bom gosto para postar fotografias interessantes no seu blog, sugiro a si que publique aqui a fotografia de primeira página do DN de hoje.

Gallião Pequeno disse...

Vi há pouco um palhaço candidato à Presidência da República. A este somo o esforço do pateta alegre para justificar a amplitude das imoralidades.
Como é que este país pode ser levado a sério com exemplos destes?

Anónimo disse...

Judite? Só conheço a da Gomes Freire. Não, não é um travesti...

PC

Anónimo disse...

Sobre a questão da proveniência, parece-me seguro que qualquer palhaço, por mais sério que seja, pode trazer ao país soluções para a crise melhores que as de Aníbal Silva, ou seja, alguém cuja proveniência, sendo conhecida, é tão questionável como as demais.Boa noite.

(c) P.A.S. disse...

Pensar que o José Manuel Coelho é só um pândego, é fazer uma leitura dessa candidatura por metade.
Consequência daquilo que diz Manuela Ferreira Leite e que ficou bem expresso na Judite mete nojo, co-responsável da situação a que chegamos.
É que há muito bom menino dito jornalista? responsável pelo estado a que isto chegou.
Aliás ainda me pergunto se há verdadeiramente jornalistas em Portugal ou apenas comentaristas com sede de poder, cujos lábios bebem em cooptação da fonte pantanosa do poder.
Estado de alguns (poucos), bem pago por muitos (quase todos).
Ainda bem que a fonte está a secar!

Anónimo disse...

Acho o Coelho co muita piada e um bom actor para toda esta comedia!

Aires Vilela disse...

Andam por aqui uns palhaços bem mais tristes que o pobre-diabo do Coelho funchalense. Este, pelo menos, comunista de raiz que é (daí a inteligência...), não se importa de actuar como barriga de aluguer de um partido supostamente de direita.
Já GF e aparentados são apenas tontos sem norte.

Anónimo disse...

No tempo de Cavaco Primeiro Ministro o desemprego era menos de 1/3 do actual.

Bartolomeu disse...

Há pouco uma sms da Vodafone dizia que o Dr. Alberto João Jardim foi hospitalizado com problemas cardíacos... Prova superada! Em detrimento da sua seriedade, qual Herman José, Judite de Sousa passou assim no exame de entrevistadora a entertainer conduzindo momentos que atingiram os píncaros da rábula.

Anónimo disse...

pulha!

amsf disse...

Se quisermos enviar um cartão vermelho às elites portuguesas este é o portador certo. O meu voto é no José Manuel Coelho!

Louco e palhaço é o povo que vota sistematicamente da mesma forma à espera de obter resultados diferentes!