31.1.11

PARA MEMÓRIA FUTURA


«O comportamento do Governo na campanha presidencial foi vergonhoso. Promoveu e alimentou calúnias e infâmias contra Cavaco Silva, com a conveniente cumplicidade de uns tantos palhaços e de um numeroso bando de idiotas úteis. Para culminar a sua actuação, impediu milhares e milhares de portugueses de exercerem o seu direito de voto na vã esperança de aumentar a abstenção e assim poder levar o seu triste candidato a uma mais do que improvável segunda volta. Como tudo falhou, resta-lhe espalhar por aí que, afinal, o grande vencedor de dia 23 acabou por perder e ficou ferido na sua credibilidade para exercer em pleno o seu mandato. Perante este quadro de miséria, não basta decretar tolerância zero ao senhor engenheiro relativo. A bem da Nação, exige-se do Presidente da República uma implacável vigilância

António Ribeiro Ferreira, CM

«Em 23 de Janeiro, com a reeleição do Presidente da República extinguiram-se não apenas a maioria que o elegeu mas também, e sobretudo, as minorias que se polarizaram nos candidatos derrotados. Descontado o eventual interesse dos elementos de análise que fornecem, os valores percentuais respectivos não servem rigorosamente para nada, nem dão qualquer autoridade ou força política aos vencidos. Por sua vez, a autoridade de Aníbal Cavaco Silva não sai beliscada, nem de perto nem de longe. Mas ainda há, aqui e ali, uns trejeitos ranhosos de gente que não desarma e, como não pode contestar a legitimidade da sua eleição, continua a regougar, a ratar, a roer, talvez a regurgitar e a remoer de novo, a propósito da figura e da força do Presidente, o qual, a despeito de vencedor, teria saído ingloriamente enfraquecido da eleição. Cavaco Silva não apenas ganhou com uma confortável maioria, como ganhou em todos os distritos, do Continente e das regiões autónomas, mas para essa malta é como se não tivesse ganho. Ganhou, mas agora há quem garanta que afinal ele... perdeu! Este prodígio dialéctico tem um intuito evidente, que é o de tentar desagregar na opinião pública os poderes que a Constituição confere ao Chefe do Estado, ou pela via de lhe quererem descortinar na prática uma diminuição de estatuto e de autoridade, ou pela das conclusões extraídas a fórceps de variados malabarismos aritméticos sobre os resultados eleitorais, ou ainda pela da crítica ao seu discurso de vitória na noite das eleições, em que, opinam eles de sobrolho contristado, deveria ter perdido a memória, oferecido a outra face e estendido a mão caridosa e conciliadora a quem o insultou sem escrúpulos (...). Dizendo as coisas por outras palavras: as minorias vencidas extinguiram-se, mas ficaram no terreno uns agentes póstumos, ao serviço de uma conveniência política manhosa e obscura

João César das Neves, DN

10 comentários:

Jacinto disse...

Falando mal e depressa ( em linguagem pseudo - tauromáquica): exige-se que o PR, contráriamente ao mandato anterior, não se deixe tourear por essa choldra e, mui sériamente, entre a matar sem complacência nem hesitação.

iupi disse...

dispense as citações:

o srº da primeira, é um opinador relativo, bem com tudo que comenta - um trauliteiro;
o segundo só por falta de tema e necessidade de fazer crónica, volta ao tema que já não é tema.

os opositores de cavaco sempre aí estiveram e sempre haverão de estar - não é por ter ganho as eleições que irão emigrar ou passar a gostar dele: conhecem-se todos há demasiado tempo para se insultarem.

floribundus disse...

filosofias:

do português de esquerda volver: tudo já = nada

dos ratos do ps:
de 'sans-culotte' a milionário

Bastonário da Ordem dos Otários disse...

V. Exª. citou dois opinadores tipo brigada do reumático.

Portugal não anda nem andará com gente dessa.

Os pobres coitados ainda não enxergaram que mesmo se Cavaco tivesse tido uma votação esmagadora de 90% que nós não vamos descolar do «ponto morto».

É uma questão de lógica, ou melhor de matemática.

A gente puxa, mas não dá.

Anónimo disse...

Tarde ou cedo Portugal vai resolver-se. Só não se sabe ainda se será a bem ou à porrada da grossa. Mas vai resolver-se.

Anónimo disse...

A pseudo elite cultural e política (transversal as direitas e esquerdas políticas) resiste a aceitar e reconhecer o Prof. Cavaco Silva apesar das “4 vitorias 4 “ com maioria obtidas na sua vida ao serviço do povo português.
O “pai da pátria” impante de vaidade e autoconvencimento não quer aceitar que a democracia tenha reconhecido alguém que lhe faz sombra na sua pretensa e sobrevalorizada importância política para o bem do povo.
Assim em 2006 antecipando uma vitoria do Prof. Cavaco Silva por margem elevada, e escamoteando a vaidade em lógica política, sujeita-se ao voto, não para se medir com o poeta ( cujas possibilidades ele, observador atento e experiente, sabia a que patamar chegavam ) mas com o objectivo de desvalorizar, reduzindo a amplitude da vitoria do Prof. Cavaco Silva.
Em 2011 perante o mesmo objectivo, o clã e seus apaniguados, não hesitam em recorrer a processos menos claros e utilizando dois idiotas úteis atacam o HOMEM.
Perderam mas demonstraram mais uma vez a influencia que ainda tem esta “elite” na política, na cultura, nos media e como ainda entravam o desenvolvimento social e económico do país.

Anónimo disse...

Os comentários dos pseudo-analistas ao resultado das eleições confirmam: a pseudo elite cultural e política só aceitará o Prof. Cavaco Silva quando obtiver um vitória superior ao do seu mentor e patrono, mais de 70,35 % (resultado de Mário Soares no 2º mandato em 1991 ).
Para esta pseudo-elite o Prof. Cavaco Silva não ganhou as eleições. Que interessa a abstenção ter vindo a subir... que interessa Jorge Sampaio ter perdido mais de 600 mil
votos do primeiro para o segundo mandato...
Valoriza-se que o Prof. Cavaco Silva perdeu 500 mil votos , que a abstenção foi da ordem dos 53,57%, que os votos nulos e brancos somam....
Para esta pseudo elite o Prof. Cavaco Silva quase perdeu as eleições.... para o povo o Prof. Cavaco Silva ganhou as eleições... contra todos mas... ganhou!!!
Se isto não é o povo... onde está o povo???

Mani Pulite disse...

ISTO SÓ VAI LÁ COM MANIFESTANTES A SÉRIO,APÓS A REMOÇÃO DO CARVALHO DO ISCTE E SEUS PARES,E COM A PORRADA SUFICIENTE PARA A TROPA TER DE SER CHAMADA PROCLAMANDO QUE QUEM TEM RAZÃO É O POVO E NÃO O INJINHEIRO DA TRETA,COMO NO EGIPTO.A REMOÇÃO DO SÓCRATAK SÓ SE FARÁ À CANELADA.

Anónimo disse...

Mani Pulite: O Socratex tem o dossier do Banco Nacional dos Pulhas na mão.

Enquanto ele tiver esses dossier, a «elite» politica que andou a chafurdar nessas paragens vai ser queimada em lume brando.

Mas mais tarde ou mais cedo, este regime podre e corrupto vai cair como caiu o regime corrupto e mafioso na Itália de Andreotti....

Anónimo disse...

Eh pá o Andreotti não foi substituído pelo Craxi ?! Abrenúncio Satanás !