24.1.11

CAVACO E OS FARISEUS

Vi e ouvi alguns comentadores a criticarem Cavaco por não ter sido "magnânimo" no discurso de vitória. O exilado e ex-campeão nacional virtual da luta contra a corrupção (em Londres, no BERD), João Cravinho, chegou mesmo a falar em ressabiamento. Estes fariseus, na sua maioria agnósticos e ateus, esquecem-se que Deus nos manda ser bons mas jamais parvos. Também fizeram ampla menção de que o PR "perdeu" 500 mil votos em relação a 2006. Sucede que esses 500 mil votos não alteraram o resultado final: Cavaco ganhou absolutamente como ganharia se tivesse apenas um voto a mais. Já os mesmos 500 mil a menos fizeram muito diferença nas legislativas de 2009. Foi a diferença entre uma maioria absoluta no parlamento e isto que agora temos.

Adenda: Depois há "casos" como este, de pura canalhice, de quem não esqueceu nem aprendeu coisa alguma. No fundo, de quem nunca foi democrata alimentando-se da democracia.
Adenda: Filipe Nunes Vicente veio, num comentário, chamar a atenção para o que terá dito o "meu" bispo Torgal, o das forças armadas. Esclareço que para mim, católico, apostólico, romano, parte da igreja portuguesa (a que inclui esse bispo e D. José Policarpo, por exemplo) não representa a Igreja (comunidade de leigos e de eclesiásticos) portuguesa. São meros opinadores que, por coincidência, foram ordenados e mandam de acordo com uma determinada hierarquia. Podiam perfeitamente ser canalizadores ou bibliotecários. Aliás, basta atentar em quem se louva na opinião dele.

24 comentários:

Anónimo disse...

Caro JG,

Tal como referi num comentário a um post anterior, os comentadeiros da nossa praça aprontaram-se a criticar o discurso de Cavaco, apelidando-o de vingativo. Mais preocupados ainda ficaram quando o Presidente da República "sugeriu" a divulgação das fontes que estiveram na base da vergonha que foi a campanha suja que ontem terminou. É fácil perceber porquê. O jornalismo mesquinho que temos depende desta discussão de vão de escada, deste tom de varina com a mão na anca, desta falta de qualidade e rigor absolutamente deplorável. Pelo amor de Deus, JG, que farão os jornalistas e comentadeiros que todos os dias vomitam as suas bestialidades se, de repente, estivessem limitados a anormalidades como a honestidade e a divulgação da verdade dos factos?

PB

Anónimo disse...

Espero bem que o Cavaco faça o que deve com os votos que teve (alguns com pouca vontade). E o que deve é deixar-se de cooperações e de dever isto ou aquilo... Já sabemos que tem opinião. Aplique-a sempre que achar que é a melhor solução. Mesmo que, depois, as circunstâncias (este eleitores descerebrados, muitos dos quais foram votar nas aves raras ou se deixaram ficar no "quentinho") pareçam tirar-lhe razão.

Vingue-se e vingue-nos, porra!

PC

Anónimo disse...

Esse BB é um perfeitíssimo pedaço de asno. Um balão de vento encanado.

Gallião Pequeno disse...

Estas eleições serviram, também, para aferir a democraticidade dos democratas da nossa democracia.

João Sousa disse...

O Anónimo chama a BB um "balão de vento". Ajusta-se: nos Estados Unidos, algumas armas de pressão de ar chamam-se "BB gun".

Fiz o sacrifício de ler o arroto que BB passou ao papel. A sua digestão dificultada pelos resultados de ontem empresta a todas as palavras um pestilento hálito de fel. Ao escarrar "o algarvio" como se de um insulto se tratasse, esta pequenina poia falante exibe toda a dimentão do seu pedantismo.

Este minúsculo cnidário não devia morar numa casa fornecida pelo Estado. Devia, isso sim, residir numa gaiola do Jardim Zoológico - secção dos moluscos.

AN disse...

Meu caro Sr.
Concordo com muito do que diz. Mas acho que um pouco de cinismo não ficava mal ao Srº Presidente da República. Deveria ter cumprimentado os seus opositores e pronto. Ele reagiu, tal como em outros momentos (por exemplo como no funeral de Saramago), mais com o coração do que com a cabeça. E isso é mal num político. Mostrar o que se pensa é mal, nomeadamente neste antro de podridão no qual transformou essa elite decadente da política e dos negócios à Portuguesa.
Ao reagir como reagiu mostrou que está muito magoado e que as acusações das quais foi alvo surtiram efeito, uma vez que o afectaram no seu equilíbrio psicológico. Penso que ontem teria feito melhor em ter tido uma atitude mas serena e, após dar os cumprimentos da praxe, poderia então sim ter desprezado totalmente os seus adversários.
Eu também fiquei indignado ao ver o candidato Alegre seguido por aquela corja miserável de senadores ultrapassados que tanto mal fizeram ao país após o 25 de Abril. Indivíduos que têm o ego do tamanho da lua. Vaidosos até a medula e que pensam que têm alguma relevância neste planeta, como representantes da elite política que manda neste país.
Faltou lá o outro senador. O que não se conforma com que as luzes da ribalta e do poder sejam transferidas para outros. Que quer manter o poder no seio do seu clã de amigos próximos e familiares a todo custo. Que acha que se devem calar as vozes incómodas que insistentemente têm tentado alertar os Portugueses dos crimes de traição e lesa-pátria que têm sido cometidos nos últimos anos. Que apunhala de forma despudorada os seus próprios amigos.
A sorte deles (e azar nosso) é sermos um povo semi-analfabeto, sem sentido crítico e de cidadania, passivo e habituado a se vergar perante os que sentem ser seus superiores. Frutos de 40 anos de Salazarismo.
Por último, e como tenho memória, lembro também que um político para dar o exemplo deve ser coerente. Quão longe vai o dia em que Aníbal Cavaco Silva elogiava o trabalho e o perfil do primeiro-ministro. Todos nós sabemos de onde terá vindo a “a campanha suja”. Terá sido do mesmo sítio donde veio a campanha de contra-informação e ruído que foi praticada contra o candidato do PSD nas últimas legislativas. A Dr.ª Ferreira Leite também não teve o tacto suficiente para fugir às cordas onde a tentavam prender e em apontar claramente o que se está a passar no país. Com gente da espécie dos que estão no poder não podemos ser civilizados. Temos de combater, na medida do possível, com as mesmas armas.
Também acho que o Presidente da República não deveria ter enveredado em alguns momentos de fraqueza pela demagogia barata, ainda que compreensível.
Portanto, espero ansiosamente o dia em que esta corja de maçons e ateus, que se auto-intitulam de republicanos e laicos, e que campeiam nas rodas do poder, desapareça definitivamente desta terra. Um dia serão julgados postumamente pela História. E os seus nomes ficarão sujos nas bocas dos Portugueses.

antónio chuchado disse...

Não sei porquê(?), não suporto figuras de "papillon", como por exemplo, Nicolau Santos e Batista Bastos.

Reconheço que os 'homens' não têm culpa, mas eu também não.

Outra 'coisa' que não suporto é ouvir o discurso do candidato que "venceu" o último lugar: o homem é 'proprietário' de um execrável carácter e fica-lhe muito bem o lugar que conquistou.

O Professor Cavaco Silva está de parabéns e eu também.

antónio chuchado

Alves Pimenta disse...

Simplesmente nojento, esse BB, que conheço muito bem há uns 40 anos.
Trata-se de um pavão, sem o mínimo de autoridade moral para falar do carácter de quem quer que seja.
Aboletou-se com uma casa da Câmara de Lisboa, ao mesmo tempo que comprava outra, de campo, em Constância.
Sem réstia de vergonha na cara, publica semanalmente no DN umas prosas desconchavadas com as quais pretende dar lições de ética a todo o mundo.
Tomara o escroque chegar aos calcanhares de Cavaco Silva em matéria de honradez!

fnv disse...

Pois pois, João o seu bispo Januário Torgal, ainda torcido por causa do casamento gay, fez muito pior e anda agora ser exibido como troféu nos locais do costume.

Jacinto disse...

Como é que estas bestas "interpretariam" os resultados se o bacoco do vate tivesse tido os votos obtidos por Cavaco?

burns disse...

um filho da puta que ocupa ilegalmente uma casa que não é sua e que se recusa a devolver aos lisboetas armado em moralista e intelectual
um bardamerdas malcriado e com um conceito de democracia vergonhoso
diz que tem vontade de morrer,pois faça isso,será recordado na história apenas como um pulha usurpador do bem público

ps-não sei como o editor deixou passar esta estupidez deste bêbedo

Anónimo disse...

A falta de produtividade portuguêsa está nas palavras que se escrevem comentando um fabiano ordinário que arrota muito depois de enfardar no solar dos presuntos e dorme a sesta a engendrar bosta contra o senhor Presidente da República, Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva.

Como seria a tragédia portuguêsa sem um lorpa como o BB?

Anónimo disse...

Cavaco Silva, fez aquilo que qualquer mortal teria que fazer. Chamar a atenção da pulhice que foi vítima.
Na minha terra há um ditado que personifica a nossa identidade.
"Quem não se sente , não é filho de boa gente".
SG

burns disse...

e ainda não viu a demência de um tal de tomás vasques
estes socráticos estão mais agarrados ao poder que mugabe

observador disse...

Enfim, o pÂntano continua de boa saúde.

Confesso que esperava, pelo menos para o 2º mandato, Cavaco contribuisse para a sua drenagem, mas, pelo andar da carruagem, parece-me que antes pelo contrário, como de habitual.

PS - Acho giro essa sua ideia de escolher o pedaço da Igreja Católica que gosta.
Eu também faço o mesmo, mas sou guloso, o que é mau concordo, pelo gosto de escolher o que como ...

João Pedro disse...

Este punhado de comentários mui edificantes (como é típico nestas caixas do Porttugal dos Pequeninos) vem aqui falar de Cavaco como se ele fosse um todo-poderoso impoluto. Só que não é: é um político disfarçado de tecnocrata, hipocritazinho (como quando falou na agricultura), que tem um medo que se pela de tudo o que possa pôr em questão a sua "honorabilidade" e só se arma em corajoso quando já tem a eleição garantida. Aquele discurso é puro fel, revanche, hipocrisia, tudo misturado, além de ser mentiroso (nunca vi Nobre a dirigir-se exlusivamente a ele, por exemplo). E sim, tinha a obrigação de responder a questões pertinentes. A referência à "comunicação social" é digana da "campanha negra" de Sócrates. É o rosto do novo-riquismo desta 3ª república.

Os senhores que gostam tanto dele e que acham que ele está acima de qualquer crítica, governem-se; eu, que nunca votei nele, tenho vergonha de ver este homem que nem consegue olhar nos olhos como chefe de estado de Portugal.

mcorreia disse...

Metralhadora Cavaco

Fernando Nobre tinha razão: só uma bala o impediria de chegar a Belém. Houve bala. Chama-se Cavaco Silva e, pelos números conhecidos, talvez seja melhor falar de uma rajada.
Primeiro, Cavaco ganhou à primeira volta. Segundo, Cavaco ganhou à primeira volta em todo o país, Beja incluída. Já não há respeito, camaradas? Terceiro, Cavaco ganhou onde a abstenção foi igualmente elevada. Cai por terra a ideia fantasmagórica de que a abstenção penalizava Cavaco, uma teoria da conspiração que autoriza outra: terá sido por isso que os ‘cartões do cidadão’ não funcionaram como deviam? Mistério. Quarto, e talvez mais importante, Cavaco ganhou porque foi o único candidato. O que não significa que tenha corrido sozinho. Significa, aliás, o oposto: Cavaco chega a Belém depois de ter sido o saco de pancada dos restantes candidatos, com a excepção do citado Nobre. Os portugueses não gostam de pancada. Não é por acaso que Defensor Moura é reduzido a pó e Alegre à sua real insignificância. Durante meses, expliquei que Alegre caminhava para o desastre. Nunca imaginei que o desastre pudesse ser tão completo: com o apoio do PS e do Bloco, o Alegre de 2011 perderia para o Alegre de 2006. É preciso dizer mais? Pouco mais. Excepto para avisar que a direita deve moderar a excitação. Vêm aí eleições antecipadas? Cavaco disse e redisse que cabia ao Parlamento fiscalizar o executivo. Tradução: varrer Sócrates não será um trabalho presidencial. A menos que a paralisia do regime e a degradação da economia, com a visita do FMI, obriguem este novo Cavaco a enterrar a moderação do velho. São as vantagens de se nascer duas vezes.

João Pereira Coutinho - CM

joshua disse...

Quem não conhecer Torgal que o compre. Eu não.

vasco disse...

O JG até é um tipo espirituoso, mas padralhada é que não pode ser. Já chega dessa gente. Eu quero vida, não o cheiro da morte, mesmo que morra.

hajapachorra disse...

Os socretinos fazem-se de sonsos e os cavaquistas tomam-nos a sério e respondem! Mas são todos palonços ou morcões? Ou ambas as três como diria o 'presidente' vieira? Ontem Cavaco não foi nem deixou de ser magnânimo com os candidatos derrotados, porque simplesmente não era a eles que se referia, mas ao dito cujo. O discurso foi inusitadamente duro, mas não foi para alegre nem para moura, foi duro e ameaçador para a engenheiral figurinha que vai penar, ora se vai. Um gajo como o cavaco engole tudo, aborto, paneleirices, trapalhadas maçónicas, mas não suporta que lhe pisem os calos. O mocinho da face oculta está fodido. E não sabe.

Lutero da Beira disse...

O problema de Portugal é só um (para além do regabofe da construção). Nunca teve uma Reforma. Esteve sempre dependente de uma sociedade desigual: um cluster apetecível para o catolicismo romano que só gera miséria e miserabilistas. Se tivéssemos tido a sorte de ser Protestantes, estávamos bem melhor. O protestantismo obriga a que os ricos olhem para baixo, para se salvar. O catolicismo obriga a que os pobres olhem para cima, para coisa nenhuma.

Anónimo disse...

A RTP devia desde já convidar D. Januário para paineleiro nas próximas eleições, sejam elas quais forem.

Cáustico disse...

BB referia-se a Salazar como o "botas", só porque ele usava botas de elástico, bem portuguesas.
Esquece-se que não passa de um "tareco" com pretensões a intelectual, mas com uma intelectualidade impregnada dos
vícios próprios do socialismo de merda.

Anónimo disse...

É a primeira vez que aqui venho e esta merda é só canalha cinzenta e bafiosa a começar pelo ressábiado deste J.gonçalves qualquer coisa...
DASS!