14.7.10

RETRATO DE UM HISTORIADOR PEQUENINO

Aqui.

7 comentários:

Anónimo disse...

O rui tavares é aquele tipo categórico e progressivo. E tolinho. Não é o único. Existe "outro" do BE que mora na minha rua mas nunca deixou (lá) que "se percebesse" que era deputado. No café, na padaria, no outro café ao Sábado, o rapaz assistiu e ouviu, calada como um rato, a conversas parvas e menos parvas sobre política, história, futebol, gajas, arte, arrotos, apoios sociais, ciclismo, guerra colonial e outras guerras. Nunca se chibou, nunca interveio, nunca disse nada, nunca contradisse nada. Zero. Entra e sai da tasca como uma sombra, cosido aos muros.
A malta da freguesia (graças a Deus) também não é da sua família - e assim não temos a honra de falar com um deputado; a gente passa bem sem essa honra.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

De facto antes um PC puro e duro do que estes pseudo democratas e progressistas já não digo "filhos" mas sim "netos" do 25 de Abril.
Escrever que o Pinócrates é da sua "família" e é de centro-esquerda(?) revela bem a tacanhez de espírito de tal indivíduo

Garganta Funda... disse...

Como a coisa tá a ficar preta para Sô Sócrates, esssa animada turma fracturante do Bloco de Esterco, vai entrar em acção mais dia menos dia e vai vir em seu auxílio.

Apoio ao bardo Alegre, oblige...

Daniel disse...

Rui Tavares não é um Historiador, nem grande nem pequeno, é um Licenciado em História, algo diferente. Para ser-se Historiador é, ou melhor era, necessário escrever uma Tese original, ter uma obra bibliográfica publicada sobre determinado período histórico. Uma "Esquerda Cultural" promoveu actualmente "deformação" académica nos cursos de Letras, os Licenciados em Sociologia ou Filosofia passaram a ser Sociólogos ou Filósofos, o mesmo caso para História.
Mas o Rui Tavares é da mesma "família" de Fernando Rosas, um Licenciado em Direito que, por ser militante do PCP, a seguir ao 25 de Abril, no assalto comunista ao Poder e à Universidade, foi promovido a Professor, na Faculdade de Letras, a um ramo académico que não era o seu, porque os verdadeiros Professores de História foram, na maioria, saneados. Fernando Rosas que nunca consegue argumentar ou tecer qualquer comentário sobre qualquer período histórico anterior a 1789, e mesmo aquilo que sabe sobre a Época Contemporrânea é uma "vulgata" ou tirado da "sebenta". Penso que nunca leu Plutarco, Heródoto, Tucídides, Tito Lívio, Gibbon ou tantos outros que definem aquilo que é ser-se Historiador, limita-se a discursar, mais a nível político que académico, sobre o Portugal do Estado Novo/Salazarismo num tom profundamente ideológico (no sentido pejorativo do termo) em vez de um estudo baseado no saber erudito, ou seja, a "arte pela arte", como alguém verdadeiramente versado em Letras faria.

Anónimo disse...

Tanta asneira junta.... mas vá lá uma correcção, o Fernando Rosas foi militante do MRPP.

Quanto á D. Maria de Fatima , ela é realmente uma boa contadora de histórias no estilo de Hermano Saraiva,daí a ser historiadora com H grande vai um mundo.....

Daniel disse...

Fernando Rosas foi efectivamente militante do PCP, do MRPP não consta que tenha sido. Um pequeno pormenor que o Anónimo das 11:39 parece querer escamotear.

Daniel disse...

Confirmei agora na Wikipedia, e lá refere que Rosas foi militante do MRPP, "mea culpa" eu desconhecia tal facto, não aparece na "biografia" oficial da personalidade.