13.11.10

VÁ PARA A BICHA


Os fins de semana, talvez por apelarem à beatitude e à displicência, acomodam quase sempre as mesmas "notícias" entre sábado e domingo. Há bola e, a finalizar, o prof. Marcelo resume tudo em meia-hora com a habitual caldeirada de livros infantis, pequena intriga, "factos políticos" e sporting de Braga. Basta, pois, passar directamente do sábado de manhã para aquela meia-hora de elixir do Dr. Dulcamara e ficamos esclarecidos. Este fim de semana apareceu o dr. Amado, um chamado ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, a apelar a um governo de coligação nacional - há variantes: salvação, patriótico, etc., etc.., é só rever a "quadratura do círculo" -, disposto a imolar-se no altar da pátria e oferecendo o seu lugar para um eventual coligado salvador patriótico se poder sentar. Amado gostava de ser alguém no PS e no país. Tem bom aspecto, apresenta-se com aquela gravitas irrelevante dos "estadistas" contemporâneos, ocupa um cargo que está sempre bem nas sondagens mesmo que o titular fosse o macaco Adriano, viaja, o que permite fingir cosmopolitismo e, sobretudo, vegeta no meio do saco de gatos esfolados em que se tornou o governo (e a consequente nomenclatura partidária) de Sócrates. O que Amado, com uma subtileza que não tem, quer dizer com esta entrevista é que está disponível para sair e voltar, dentro da tal coisa patriótica, para o lugar de Sócrates. Da última vez que a secretaria partidária produziu um chefe de governo (S. Lopes), sem consulta ao "povo", a coisa acabou mal. Não há governo de espécie alguma sem essa evidência aborrecida que é a manifestação da "vontade popular" sentada no parlamento. Ora o "povo" ignora tipicamente a pessoa do dr. Amado a não ser como mais uma "voz do dono". A frequência das chancelarias, de Queluz ou do Palácio de Belém não prodigaliza necessariamente um chefe de governo. É o "povo". Se o dr. Amado o pretende conquistar, tem, primeiro, de passar pelo crivo do Rato (e de Sócrates que, talvez, ainda é capaz de ir na sexta vida). É só pôr-se na fila.

16 comentários:

Anónimo disse...

O Sócrates já o topava quando deixou o Amado de mão a abanar no ar e foi dar um bacalhau a outro qualquer.

Isto, sim, é visão!

Mélanie Crystal disse...

"É só pôr-se na fila".

Acho que o título do post é bem mais expressivo...

floribundus disse...

neste fascismo
«o diabo está sempre atrás da porta»

Anónimo disse...

Esta ideia do Amado deve-se inserir na ideia, que começa a ganhar relevância, de correr com o Pinócrates. Como se o mal, pese embora ele seja o principal responsável, se resolvesse meramente com a sua saída!
Esta gente não tem emenda!

Mani Pulite disse...

SÓCRATES JÁ TEM A CABEÇA A PRÉMIO NO PAÍS E NO PS.NO PS JÁ PERDERAM O MEDO AO CHEFE E ANDAM DESESPERADOS PARA QUE SEJA FORMADO UM GOVERNO DE SALVAÇÃO NACIONAL DO PS.SÓCRATES PASSARIA A SER A FONTE DE TODOS OS CRIMES E DESGRAÇAS DA PÁTRIA E O PS RESSURGIRIA ALARGADO OU COLIGADO, PURO COMO O AZEITE EXTRA-VIRGEM E SALVO DO DESCALABRO ELEITORAL QUE SE AVIZINHA.QUANTO AO AMADO NUNCA FOI UM HOMEM DE MÃO DO SÓCRETINO MAS TRABALHA DESDE SEMPRE PARA O HOMEM QUE SE SENTA NO TOPO DAS ESCADARIAS DO PARLAMENTO.QUEM CONHECE OS MEANDROS DO PS SABE QUE ESSE É QUE É UM VERDADEIRO CANDIDATO A PM DEPOIS DE SÓCRATES SER TRATADO POR MONSIEUR DE GUILLOTIN.MAS SÓCRATES VAI DAR MUITA LUTA E AS CANALHADAS E PEIXEIRADAS VÃO SER MAIS QUE MUITAS ENTRE O RATO E S.BENTO.

Anónimo disse...

Boa Noite,

Parabéns! Depois de ler a "tralha" dos jornais, um texto bem escrito e o melhor comentário às "notícias do dia".

Obrigado.

Cumprimentos,

AS

Garganta Funda... disse...

Há quem acha este senhor um politico muito ponderado, etc. e tal.

Eu acho que é mais um mestre de cerimónias do que um verdadeiro MNE duma nação que já tem barbas!

Anónimo disse...

De facto, foi este que o dito cujo deixou de mão no ar... LOL! O dito cujo até parece um visionário, mas não: isto está tudo combinado... Ele, o dito cujo, já disse que os outros não querem "governar" (com aspas porque é o que ele faz), porque é muito "exigente"... E ele até pediu para se juntarem a ele, mas não quiseram... coitado!...

A falta de vergonha na cara que eu achava que havia quando era pequeno (pelo menos, ensinaram-ma) já foi... Nem é sancionada. Aliás é sinal de esperteza, quase inteligência.

PC

Fado Alexandrino disse...

O melhor do fim de semana é o Governo de Salvação Nacional que o grande romancista Pitta elege no seu blog.
Fartei-me de rir.
Só lá falta a Câncio.

Anónimo disse...

O "crivo do Rato" ?!
Só se for para nos infectar de leptospirose como o que aí está.

Manuel Brás disse...

A rosa definhada no pedestal

A deterioração financeira
da conjuntura orçamental
é resultado da pasmaceira
de quem está no pedestal.

O colapso é evidente
na esfera governamental,
este regime decadente
não se segura no pedestal.

A ruptura é fundamental
contra um regime falhado,
tanta podridão no pedestal
deixa o país humilhado.

Anónimo disse...

Muito bom post, Dr. Gonçalves. Amado admiravelmente "caçado" e caracterizado.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

«...ocupa um cargo que está sempre bem nas sondagens mesmo que o titular fosse o macaco Adriano, (...)»


No deserto que é a nossa arte de fazer ironia, é sempre com muito prazer que se encontrem estes pedaços de prosa. Há uns tempos que não me ria com tanto gosto...

Anónimo disse...

Mesmo assim nao me parece tao mau como o bad eng. Nao e que seja muito melhor, mas ha que reconhecer a diferenca.

Luis

Anónimo disse...

E pensam vocês que é com comentários destes que se justifica a queda deste governo? Mereçam o espaço em que escrevem, meus senhores.
O post é bom, claro, e explica bem como se vão afiando as facas no Rato, mas talvez a elegante irrelevância da Amado seja a solução certa para o dilema que a saída de Sócrates criou. Sim, porque esta é já aceite por tout le monde. Com Seguro a segurar-se para o futuro e os Soaristas a movimentarem-se, Amado pode aparecer como o menor dos males, porque é manejável, flexível quanto baste, o que serve a causa, momentaneamente. Depois, facilmente se arruma numa prateleira simpática. Belém, a São Caetano, o Caldas e parte do Rato assim o pensam.

Anónimo disse...

Proponho que, quando Tugal sair do Euro, a nova moeda, que não valerá obviamente um pentelho, se chame Sócrates, e o cêntimo do Sócrates seja o Vara.