20.2.10

TUDO IR MORRENDO


Para quem já subiu e desceu, a pé ou de carro, aquelas ruas laterais às três ribeiras que desaguam no coração do Funchal, dói ver aquela estupidez de água, lama e pedragulhos. Dói ver lugares que associamos a vida, sol e alegria, a tempos melhores e a amigos, assim. Há um título de Vergílio Ferreira, pouco conhecido, que podia somar isto com uma serenidade plausível. Onde tudo foi morrendo. Esta é a única conspiração séria da vida. Tudo ir morrendo.

2 comentários:

radicaln livre disse...

as ilhas sofrem periferias, isolamento.

tanto madeirense por esse mundo fora há séculos por falta de espaço útil para sobreviver.

com inclinações deste tipo não há salvação possível

uma critica para o serviço meteorológico nacional que consulto diariamente, entre outros. sei perfeitamente o que são previsões,mas falhar sempre é demais. parece que estavam todos de fim de semana.

AG disse...

A ideia de morrer,não me é desconfortável. Espero vida, como qualquer animal, mas a morte, não me é alheia. Nesta faena, só nos resta enfrentar os cornos, da vida.