23.2.10

DA CLASSE

Se a "classe política" - uma contradição nos termos por causa da classe - é o que é, a "classe jornalística" não lhe fica atrás. Por causa do número revisteiro que Mário Crespo perpetrou na fantástica "comissão de ética" (outra contradição substantiva e terminológica), Constança Cunha e Sá, sua colega de "classe", vem dizer que «a actuação de Mário Crespo na Comissão de Ética foi um exercício deplorável que enxovalha o jornalismo e a Assembleia da República» (como se ambos não fossem já um enxovalho por natureza) e «um exemplo da histeria que hoje em dia reina em Portugal» (presumindo-se por histeria irrelevâncias como as liberdades e a relação do poder com as liberdades). Estamos falados quanto a classe.

Adenda (mail de leitor): "De tanto falar em histeria, fica-se histérico.Transforma-se o histeriador em cousa histérica."

8 comentários:

Anónimo disse...

Não há quem, excepto talvez meia duzia de mortais desconhecidos da sociedade portuguesa que hoje em dia não seja assim como Mario Crespo e os deputados ali presentes.
Repare como os "entalados" deputados nem reagiram.
Porque será?
Cada um tem a escoliose que merece e esta já faz parte do código genético português.

radical livre disse...

a patética comichão de ética da ar vai ser um exemplo de palhaçada politica

cada vez que observa a excelsa actriz recordo o diálogo com
joaquim de almeida num filme pretogues
-vai à merda
-vai tu

digo o mesmo da dita comichão

Anónimo disse...

Digam o que disserem o Mário crespo é um homem de coragem que por o parlamento socialista em sentido e arrumado na sua inutilidade. Isto ninguém tinha demonstrado ainda e ele fez isso. Podem não gostar do homem mas lá que ele tem-nos no sítio...

Anónimo disse...

Por falar em jornalistas, o PÚBLICO está cada vez mais interessante.

e hoje tem duas ganddas cachas:

- que o MP não encontrou provas no freeport para acusar sócrates(não é uma ganda cena??!!)

- e que o PS tirou a cena das finanças regionais da agenda(não coisa de gandas jornalistas??!).


Eu, que sou uma azelha de uma vulgar fisioterapeuta, já sabia destas "cenas" há mais de três-quinze-dias...

Se fosse menina de dizer palavrões mandava estes jornaleiros para a p... que os p...

Rita

ruy disse...

Calma lá. A "classe jornalística" encontra-se "entalada" pelos patrões dos media ou pelas direcções de "encomenda", pelos joãos marcelinos,paulos baldaia(porque razão queriam o homem na TVI), pelos leites pereiras, antónios costas,afonsos camões,...
O comportamento na AR de Mário Crespo, não tem importancia alguma se comparado com a "compartimentação" das notícias impostas por estes senhores.

Anónimo disse...

O Crespo entusiasmou-se... Depois do degredo de há uns anos (quando o enfiaram numa prateleira na RTP e ele tentou mover montanhas até pedindo a intervenção daquele irritante "sicretário" arons, para sair do "buraco")), de um bom trabalho na SIC mas num canal de cabo (pouca audiência, pouca projecção) abre-se uma fase de vedetismo que deve enebriar qualquer um...

PC

PS: E dá jeito para promover o livro.

Nuno Oliveira disse...

Tenho que fazer de advogado do diabo.

Quando ia à Feira da Ladra vender as bugigangas que tinha, tentava integrar-me no espírito da coisa!

Será que o Mário Crespo não fez o mesmo?

Anónimo disse...

Quando a manipulação da comunicação social está a colocar em causa o Estado de Direito e a Democracia, uma idiota vem-se colocar contra um colega de profissão que tem tido a coragem e a elevação moral de o denunciar, ao seu modo, ao seu estilo.

Em Português (falado e escrito), existem alguns vocábulos para qualificar tais acções com atribuição de juízos morais e éticos a estes personagens, tais como: pulha ou p***.

Disse.

AH