19.2.10

«TAPAR OS OLHOS DOS OUTROS»

«Tapar os olhos dos outros», uma expressão utilizada numa fala por um esbirro qualquer do PS, podia bem ser o lema destes desbiografados que nos pastoreiam. Ou «degradação da vida pública», na boca de outro, quando é justamente dali que ela vem. Porventura uma raça tão estúpida como a nossa não mereça melhor. «Paris fez a Revolução. Londres deu Shakespeare, Viena deu Mozart, Berlim deu Kant, Lisboa deu-nos a nós.» (Eça de Queiroz, citado aqui)

5 comentários:

Anónimo disse...

Mas o nós - que diabo (ele está a perguntar-se o que já tinha dado New York ao mundo), o nós. a que Eça se refere era ele e os Vencidos.
Não eram o nós desta gente.

Anónimo disse...

Esta gente é muito educativa.

Tem o mesmo nível de umas meninas de pernas desnudadas a cantar no festival dos "Enchidos de Vinhais":

- 112 SOS do Amor; 112 SOS do Amor; 112 SOS do Amor; ....; ....; 112 SOS do Amor (até esgotar o tempo)

radical livre disse...

os dirigentes são os piratas

os contribuintes usam ala nos olhos
ou antolhos como os burros que puxavam água à nora

Nuno Castelo-Branco disse...

O que não o impedia minimamente de "fazer de conta" de que era de "lá de fora", uma maniazinha que aqui dentro conhecemos muito bem. E sempre do mesmo gálico sítio. O resultado está à vista.

Pobre país que sendo há seis séculos aliado da Inglaterra e a ela devendo a independência, alia-se culturalmente - as terríveis mentalidades - a uma França de rodriguinhos, rififís e rococós.

Luísa disse...

Obrigada, João, pela referência. Na verdade, a citação pretendia traduzir um certo optimismo, na medida em que, embora tenha sido escrita com ironia negativa, hoje, em retrospectiva, pode ler-se com orgulho: Lisboa deu-nos um Eça, como deu e poderá continuar a dar (fora da política) «coisas» que valham a pena. :-)