30.1.08

A CULTURA DO GATO


Para tentar encontrar um vestígio biográfico que ligasse o dr. Pinto Ribeiro, ministro da cultura, à dita, os jornais foram buscar a sua actividade profissional - advogado - e, dentro dela, seleccionaram o seu cliente, os Gato Fedorento. Também apareceu a Fundação Berardo, o conhecimento de inglês, alemão, francês e, suponho, espanhol, tudo, porém, sem o brilho da referência aos Fedorento. A cultura, porventura, também não exige mais.

6 comentários:

Anónimo disse...

miauuuuu

excrente disse...

Suponho que o homem também "pesca" algo de italiano, o que lhe confere mais uns pontitos.

Anónimo disse...

Sobre a escolha de Pinto Ribeiro para a Cultura e, mais globalmente, sobre a remodelação ministerial, o editorial de José Manuel Fernandes no PÚBLICO do dia 30 revela bem a falta de independência do seu autor numa coluna que, embora de opinião, seria suposto primar por um mínimo de objectividade. Julgo não errar se disser que o director do PÚBLICO perfilha ideias mais extremistas de que o próprio Bush, cuja política criminosa defendeu acerrimamente no jornal. Não fosse o espaço reservado, "et pour cause", a alguns "dissidentes" e o jornal seria um mero arauto do capitalismo mais selvagem!!!

Anónimo disse...

Quem são os gatos fedorentos? São jornalistas os que fizeram essa "notícia"?

osátiro disse...

José M. Fernandes é dos poucos jornalistas em Portugal que escreve com argúcia e coragem os seus editoriais, não se deixa levar pelo snobismo hipócrita do "politicamente correcto".
E denuncia com vigor as atrocidades do terrorismo, coisa que incomoda os "aliados" desses bárbaros.
Quanto à Cultura(?), só é pena que os milhões que lhe saõ atribuídos não sejam dados aos reformados que vivem na miséria.

Nuno Góis disse...

Até parece que não se sabe que os jornais só pegam no que mais lhes interessa...
Se se interessa por cultura não fique tão à tona e investigue um pouco.