26.1.08

DIGA LÁ OS NOMES

Como bem se recorda no Blasfémias, há no regime pessoas que podem livremente "atirar o barro à parede", com acusações genéricas e abstractas, e ninguém lhes pede "nomes" ou responsabilidades. De Marinho Pinto, e em menos de 24 horas, já exigem nomes, moradas, números de telemóvel, a sua presença no Parlamento e a resposta em inquérito. Em que é o Marinho é menos do que os outros?

7 comentários:

Rita disse...

Sabe João,

É que o Marinho Pinto não é "fino" e vem de fora do "meio". E esse é o crime capital (e na "capital") .

Anónimo disse...

Ganda pedrada no charco !
Levem-no ao Parlamento e, por uma vez, ouviremos um deputado da Nação sem "disciplina de voto" e sem papas na língua. Um copo de água fresca !

VANGUARDISTA disse...

Nomes, querem nomes?
Ora toda a gente os sabe!
Aqui vão uns da área do PS , mas também os há e muitos do PSD, PP e até muitos "independentes", basta ver, quando são nossos vizinhos ou conhecidos a vistaça que fazem , o luxo em que vivem, com ordenados de merda, sim porque um ordenado líquido de ministro, secretário de estado, director geral, etc., não passa de um ordenado de merda, embora até excessivo para aquilo que fazem!

Transcrito de : http://joaotilly.weblog.com.pt/

“ Segundo notícia de hoje no Público o estabelecimento prisional de
Setúbal foi vendido a um ex-sócio de Alberto Costa de nome António Lamego, por acaso irmão de José Lamego - dirigente socialista de alto gabarito e espírito samaritano pois até foi um dos que beneficiou o Iraque com a feitura da sua Constituição.

Curioso é que quem vendeu a propriedade foi o Ministério dirigido por Alberto Costa por 3,1 milhões de euros a uma empresa que só teve existência legal um mês depois da data em que foi apresentada a proposta que permitiu a compra. Será este o grande interesse de se poderem criar empresas na hora?

Ainda mais curioso é que nesta transacção o Ministério da Justiça perde 892 mil euros relativamente ao valor que tinha pago ao Ministério da Defesa em 1998.

Outra curiosidade: este grupo de amigos (Alberto Costa, António Vitorino,António Lamego e José Lamego (seu irmão - o tal benemérito da constituição do Iraque)) tiveram uma sociedade de advogados desde 1999 e que foi dissolvida em 2005.

Tudo boa gente. Tudo normal ... para Portugal

in http://troll-urbano.blogspot.com/

É sabida a apetência dos dirigentes socialistas pelos negócios da Alta Finança, em Portugal.
Mas aqui está um negócio novo em que eu não me importava nada que Sócras e todos os seus amigos estivessem metidos até às orelhas.

Durante os próximos 40 anos, pelo menos...”

mariana tarela disse...

Até o Marcelo teve hoje uma actitude muito extranha. Aplaudiu com muitas reservas.
É engraçado , e desesperante, dependemos do poder judicial , que se queria independente exactamente por estes casos , e sabermos que essa independência é para inglês ver. Se não forem , de facto alguns advogados ( e juízes , ciosos da sua independência) interessados unicammente nos conflitos entre "civis" ( que são muitos)a mostrarem os dentes , estamos lixados.

Carlos Medina Ribeiro disse...

Tudo isto tem "sabor a ranço" (é mais fino falar em "déjà vu"...); ainda recentemente assistimos a uma rábula igual, a de Fernando Ruas a defender os autarcas acusados injustamente.

O palavreado, capaz de convencer a senhora que vem aqui ao prédio despejar os caixotes (não desfazendo nela...) é simples:

«Se denuncias, é porque sabes; se sabes, tens de concretizar e provar; se não concretizas nem provas, estás a ofender todos; se ofendes todos, afinal o malandro és tu!»

Por essa lógica, se eu escrever, sem identificar os "artistas", que há carteiristas no Metro, tenho de estar preparado para ouvir uns tantos utentes a proclamar que, se não concretizar e provar, estou a chamar gatunos a todos os passageiros.

Seja. Mas eu, se fosse à polícia, começava logo por dar atenção - precisamente... - a esses "utentes" mais preocupados!
.

Karocha disse...

dizer os nomes? O País fechava. O Marinho sabe-los e eu também, oh! se sei!!! e pra quê escutarem conversas? perseguirem tentarem matar? sei do que falo, disse alguns ao Marinho quando ele era um simples advogado, vou esperar pra ver se como Bastonário dá alguma coisa. Sefossem só os negócios de corrupção!!!

Nuno Castelo-Branco disse...

Não me parece boa ideia fazerem de conta que querem que o homem diga à alta voz aquilo que na verdade sabe. Se tem provas concretas, aqui está um saquinho de "morpions" para os nossos donos se coçarem. É que por vezes, as coisas acontecem sem que estejamos à espera. Lembram-se da entrada de Luís XVI no seu diário, precisamente na noite do 14 de Julho de 1789? "Rien"... Pois é.