6.6.10

UM POETA


A coisa ia razoavelmente bem até ao derradeiro parágrafo. Depois Filipe Nunes Vicente meteu ali Pound e Alegre, este na sua vertente de "indigente poeta". Ora bem sabe o Filipe que a grandeza da poesia de Pound é incompatível com o seu "acantonamento", ainda que circunstancial, junto de um pequenino poeta lírico-politiqueiro e periférico como Alegre. E quero lá saber se Pound era "fascista" ou "louco". É um enorme poeta.

9 comentários:

harms disse...

Assim, de repente, até me parece o maior do século XX. Ou, pelo menos, dos maiores, vá.

Mani Pulite disse...

O PROBLEMA DO ALEGRE É SER INDIGENTE NOS DOIS PLANOS.UM POETA INDIGENTE COM UMA CARREIRA POLÍTICA MEDIOCRE.

floribundus disse...

Dino Segre (Pitigrilli) em 'decadência do paradoxo'

«os homens dividem-se em pios e ímpios, mas quem fez a classificação foram os pios»

Anónimo disse...

«Os cães pequenos olham para os cães grandes,
Observam as intratáveis dimensões
E as curiosas imperfeições de odor.
Eis um grupo de machos compenetrados.
Os homens jovens olham de cima para os mais velhos;
Consideram-lhes a mente de meia idade
E observam-lhes as inexplicáveis correlações.
Tsin-Tsu disse: só nos cães pequenos e nos jovens
Encontramos a observação minuciosa».

Anónimo disse...

acho que não percebeu o texto de filipe vicente...

joão p.

Merkwürdigliebe disse...

Fascista, louco, Poeta. Mas não era desertor. Cada um que fique com as suas preferências.

Anónimo disse...

Ó criatura pinball action, ó medonha afronta ao sabonete lux, isto é má poesia onde, triste e suada virgem de passos apressados para fora da inchúdia!??


.......


Regresso

E contudo perdendo-te encontraste.
E nem deuses nem monstros nem tiranos
te puderam deter. A mim os oceanos.
E foste. E aproximaste.

Antes de ti o mar era mistério.
Tu mostraste que o mar era só mar.
Maior do que qualquer império
foi a aventura de partir e de chegar.

Mas já no mar quem fomos é estrangeiro
e já em Portugal estrangeiros somos.
Se em cada um de nós há ainda um marinheiro
vamos achar em Portugal quem nunca fomos.

De Calicute até Lisboa sobre o sal
e o Tempo. Porque é tempo de voltar
e de voltando achar em Portugal
esse país que se perdeu de mar em mar.

Manuel Alegre

.................

Rita

FNV disse...

Safa.
Acantonamento muito circunstacial. Muito mesmo.

Fernando Pobre disse...

O que move João Gonçalves contra Alegre? "Um poeta lírico-politiqueiro e periférico"! É de bradar aos céus. João Gonçalves acabará os seus dias dizendo mal de si próprio!