29.6.10

MENOS QUE ZERO


Mariano Gago, um ministro que em ambas as legislaturas de distinguiu pela irrelevância, vem agora defender que os portugueses devem estudar mais. Gago ficará conhecido, enquanto ministro do ensino superior, apenas como alguém a quem mandaram encerrar estabelecimentos comerciais de má nota a que apelidavam de universidades. De resto, entrou mudo e sairá calado do consulado socrático, com balanço menos que zero. Esta tirada era, por isso, dispensável. Tem tanta autoridade para mandar estudar os outros como eu.

11 comentários:

Alves Pimenta disse...

Há pouco, ao ouvir o Lacão na rádio, anotei que o PS continua a acusar o PSD de estar a governar mal.
Bem feito!

Anónimo disse...

Não estou de acordo. Mandou fechar o estabelecimento de má nota onde o chefe se "formou" e, face aos fracos predicados que lhe observa, resolve aconselhar que estudem mais o que me parece uma correcta conclusão!

floribundus disse...

«quem fala assim não é gago»
agradeci-lhe o interesse pelo meu caso junto duma faculdade mumificada

Mani Pulite disse...

ESTA NULIDADE ABSOLUTA JÁ MANDOU ENCERRAR A FALSA LICENCIATURA DO FALSO INGINHEIRO VIGARISTA OU AINDA ESTÁ EM ESTADO DE CUMPLICIDADE?

Jacinto disse...

Além de, numa "entrevista" à RTP,ter dado cobertura à trafulhice da "licenciatura" do bacharel sanitário zézito.
Favores pagam-se - e este gago manteve o "tacho"...

António Fagundes disse...

A ignorância de joão gonçalves é atroz. dá pena.

Fernando Torres disse...

E para deixar mais alguns milhares de licenciados a "boiarem" nos mal-afamados estágios da função pública.

Anónimo disse...

Gago, na sua área científica, não era particularmente estúpido: tirou boas notas, estudou, fez-se assistente e professor, pôs-se "nas partículas" e foi lá para fora. Há bem pior.
Mas para mim foi estragando o sua reputação - com coisas pequenas mas significativas - até desaguar neste esgoto socialista a céu aberto.
A sua passagem lá por fora quase se resumiu a limpar o pó e arrumar os gabinetes para a malta "das partículas" trabalhar.
Enquanto (meu) professor cuidou muito mal das publicações e sebentas que os alunos tinham de adequirir - fazendo do espaço que lhe estava "reservado" na Secção de Folhas do IST uma algaraviada de acetatos escritos a vermelho e amarelo, que davam fotocópias a cinza claro e a branco (ou seja ilegíveis); e é isto um químico-físico!
Depois a sua origem de duro socialista-comunista com juventude difícil levou-o, uma vez no governo, a desfrutar abusivamente dos jactos da Força aérea para ir de férias com a famelga; enquanto que também gostava de impôr, aos turistas fascistas do Hotel Palácio, a sua figura lamentável vestida de roupão de seda, e os seus repelentes pés na piscina - abertos em leque ao sol.
Finalmente o seu trilho nulo nos governos socialistas, escapando intocado por entre a chuva e servindo caninamente chefes bons para habitar um 2º andar no Linhó. E irá receber um poiso dourado como gratificação de tão elevados serviços prestados ao país. A isto chama-se Socialismo Científico.

Ass.: Besta Imunda

APC disse...

Oh, sua Besta Imunda, V. de besta não tem nada e de Gago ainda menos, julgo. Mas, sobre o bicho ainda não disse tudo.

Anónimo disse...

Caro APC,

Tenho sobre o gaguinho apenas um conhecimento de circunstância, e acessível a milhares de outros contribuintes. De pormenores relevantes nada sei. O que sei já é suficiente para me deixar nauseado - mas é certo que "toda a verdade" será muito pior. Não tenho dúvidas de que quem o conhecer melhor poderá considerar estas parcas palavras duma ingenuidade biberónica. Se quizer desbroncar-se com mais informação, faça favor. Presumo que o Dr. Gonçalves não pretenda ninguém aqui a escrever acanhado...

atentamente, seu

Besta Imunda

dorean paxorales disse...

a irrelevância é reflexo de quem a julga.
ciência, tecnologia e ensino superior foi, durante muito tempo, uma secretaria de estado.
mudou tudo com mariano gago mas, lá está, para a maioria, essa mesma que só encontra visibilidades quando há polémicas e que pouco contacto terá com ciência, tecnologia ou ensino superior, o ministro pode ser visto como irrelevante. a prova do erro está em que, depois dele, essa mesma maioria ficou um pouco mais pequena. claro que com apenas 1.5% do PIB a relevância não podia aparecer de repente.