18.6.10

SARAMAGO


Morreu Saramago. As "elites" não cessam de perorar sobre o Nobel. Enquanto bebia um café e comia um pastel de nata, desfilavam na tv, ao vivo e ao telefone, derramando sobre o dito cujo tanto quanto nunca se derramou sobre escritores maiores do que Saramago como, por exemplo, Jorge de Sena. Há uns anos Saramago entrou nos curricula liceais do regime e varreu a possibilidade de os meninos e de as meninas conhecerem literatura portuguesa aproveitável ou sofrível para além da dele. A "oficialização" cultural de Saramago começou quando, estupidamente, lhe proibiram um livro num concurso qualquer. O Nobel, festejado pela paróquia provinciana como uma vitória internacional no futebol, acentuou o carácter quase místico da figura que, daí em diante, passou a tratar abaixo de cão qualquer poder politico que não o bajulasse adequadamente. O que afinal subsistiu em relação a Saramago foi o velhinho temor reverencial de um país com lamentáveis "tradições" culturais que, entre outros, fez de Saramago um "símbolo". E é esse que vai ser exibido por estes dias. Poucos ou nenhuns recordarão o pequeno tirano do Diário de Notícias, a seca vaidade vingativa da criatura ou o homem que eliminou de edições posteriores à emergência da afamada Pilar as dedicatórias a Isabel da Nóbrega. "A morte absolve tudo", como ensinavam os latinos, mas nem tudo é absolvível pela morte. Paz à sua alma.

Adenda: O governo vai decretar - mediante conselho de ministros "extraordinário" - luto nacional. Ainda mudam o 10 de Junho de 1580 para o 18 de Junho de 2010. País de pequeninos parolos deslumbrados sem a menor noção da verdadeira grandeza.

75 comentários:

Misugi disse...

Como escritor era um lixo. Compara-lo a Eça ou a Pessoa é o mesmo de comparar o olho do cu com a Feira de Castro...Enfim, as crianças é que ficaram a perder com o ter de engolir este estupor nas aulas. Mas era comuna e reles qualidades mais do que suficientes para ser eleito escritor do Regime.
Que Deus o guarde. Saudades não deixa.

Anónimo disse...

Misugi...tanta asneira...alguma vez leu alguma coisa dele?...

Anónimo disse...

Caro autor do blogue:
Tem toda a razão quando utiliza a afirmação "... de um País com lamentáveis tradições culturais" tratando tão mal, (como tem sido o caso deste blogue), personalidades como Saramago que é, até ver, o único nóbel da literatura em Portugal.
Prémio reconhecido por uma academia internacional, que avalia um conjunto de uma obra criada por um homem de pensamento sempre actual, humanista e intelectual.
Na falta, cada vez mais, de valores na nossa sociedade e principalmente de referências culturais nacionais, eis que alguns iluminados por não estarem de acordo com o pensamento do GRANDE SARAMAGO, tentam desvalorizar uma referência que felizmente deixou há muito de a ser nacional e passou a ser internacional e melhor de tudo, IMORTAL. Por muito que isto vos custe!

jojoratazana disse...

Os meus parabens, aqui está um post que condiz perfeitamente com o nome do seu blog.

Paulo Ribeiro disse...

Saramago tem só o livro mais notável escrito em português (na minha opinião): "O ano da morte de Ricardo Reis".

Quanto ao "memorial do convento" dava um prémio nobel em qualquer parte do mundo. Lamento, mas o amigo João Gonçalves, é um bocadito faccioso. Ou não? Desde quando é que a vida pessoal de um escritor influi na forma como se olha para a sua obra? Veja o caso do racista e nazi Céline. Escritor admirável e pessoa detestável.

Lamas disse...

Tirano sim.
Até para a família.
Quem viveu na Parede sabe bem como tratava a mulher Ilda e a filha Violante.
Não gosto do escritor e muito menos do homem.
Acabo de ouvir na rádio que o "nosso querido lider" mandou a mnistra da cultura ir de avião buscar o corpo a Lanzarote.
Porquê?
Não foi ele que praticamente renegou a pátria que o viu nascer?
Deixe-se lá estar sff.
O estado não tem dinheiro para is buscar a àfrica os corpos dos combatentes que por lá ficaram, mas para este estupor já há.
Que a terra lhe seja leve, que o passado foi pesado.

João Gonçalves disse...

Parece-me que fica claro no post o que penso do escritor.

Anónimo disse...

O Saramago que eu conheci era o meu vizinho da Rua dos Ferreiros à Estrêla. Numa rua popular dos anos 50, de convívio paroquial,onde toda a gente se conhecia e se falava, era o unico que não falava a ninguém. Depois disso lembro-me do social-fascista do Diário de Notícias que no Verão quente de 1975 saneava os seus colegas de trabalho a mando do PCP. Quanto à "obra" literária, deixemo-nos de tretas de saloios deslumbrados: o homem escreve mal e porcamente. Para não falar sem conhecer dei-me ao trabalho de tentar ler. Impossível. Aquilo não tem pés nem cabeça e dá um sono de caír para o lado.
Sem as diligências do lobby comuna nunca teria ganho o Prémio Nobel; escritores duma estatura literária muito superior nunca o ganharam porque não eram de esquerda. Assim de repente José Luís Borges, por exemplo. Venerar Saramago por ter tido o Nobel é o reflexo condicionado de quem não sabe entender o que lê e, não tendo cabeça nem bagagem intelectual para pensar por si, se veste com o prêt à porter que lhe metem pelos olhos dentro, pensando que assim fica elegante. Haja paciência...
Para não falar da arrogância e vaidade pessoal que, como pessoa, o tornavam intragável.
Lá porque morreu não o transformem no que nunca foi: uma pessoa estimável.

fsosalgueiro disse...

Fica bem claro o que pensa do escritor. Enquanto permitir os comentários também me permitirei discurdar da sua opinião.
Não é a opinião pública que faz um escritor mas sim a sua obra. Nem sequer episódios da sua vida serão recordados, excepto por alguns historiadores. O tempo faz a triagem.
Jorge de Sena não aprecio, sou muito terra-a-terra e pouco dotado de compreensão para perceber certos rendilhados. Há quem goste, não me incomoda. Na minha modesta opinião, Saramago é grande na sua linguagem simples e directa, nas histórias fantásticas que conta e também na sua noção de realidade. Enfim, cada qual come o que gosta.

floribundus disse...

boa viagem.
espero que Caronte o transporte

Fado Alexandrino disse...

Este apontamento é para o senhor Professor Doutor Alves Pimenta

Concorde comigo finalmente em Portugal uma coisa certa na pessoa certa.
A Casa dos Bicos a quem é especialista.

Anónimo disse...

O prémio nobel já não presta para nada há pelo menos 30 anos. Em todas as áreas. E no que diz respeito à literatura, mais ainda. Até porque dar prémios, em literatura assim como em pintura ou música, é duma inutilidade total e de significado nulo. Só os que atribúem o prémio e quem o recebe poderão fazer uma pálida ideia das verdadeiras razões - e às vezes nem isso. Até digo que esse famoso prémio é uma espécie de peste intelectual e política - que qualquer escritor minimamente decente devia recusar com fúria e indignação. Depois há o dinheirinho, o vil metal... E saramago, o duro comunista levantado do chão, apressou-se a fazer a vénia (!) e a embolsar. Citando Vasco Pulido Valente, uma vez questionado por um tolinho casal de jovens jornalistas na SIC-N, acerca do seu eventual merecimento de um nobel: "...Eu? um nobel?! não!...O nobel dá-se aos escritores menores."
Conhecendo-se de saramago o que se conhece, toda esta agitação servil post-mortem é grotesca.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

O Físico Prodigioso já leu, ó anterior comentador?

Abundância no Presépio

Alves Pimenta disse...

Telefonaram-me a dizer: morreu o saramago.
Como o conheci muito de perto, senti tal desgosto que imediatamente lamentei não ter um foguete à mão.
Vou desligar o televisor e o rádio e não comprarei jornais nos próximos dias. É que fiquei mesmo abalado e não estou para secas, entendem?

Karocha disse...

Lá por ter levado um Nobel é bom escritor?
O Comité Nobel, já não é o que era.
A última graça foi o Nobel da Paz ao Obama!!!

Ex-saneado do DN disse...

fsosalgueiro:

como leitor do sujeito, só lhe fica bem "discurdar" do post. Com u.

Farto disto disse...

Há um erro no post: ninguém lhe proibiu livro nenhum.
O que aconteceu foi que, a certa altura, um subsecretário de Estado da Cultura não submeteu um livro do indivíduo a certo concurso internacional.
Daí a acusações de censura foi um passo. E logo ao Saramago, que não tinha passado de censor e saneador comuna, não senhor...
Que fartura!

Anónimo disse...

Voces são de facto uma gentinha lamentável. Merecem o que têm tido. Do Sócrates ao Salazar. E vão ficar-se por aí. Não merecem mais do que o meu anonimato que é igual ao vosso

Garganta Funda... disse...

Nunca li Saramago.
E não é agora que vou ler.
Peço que Deus seja misericordioso para com ele.
Paz à sua alma.

Anónimo disse...

O pastel de nata é que era de evitar.

Luís disse...

Como já tinha referido num comentário de outro post, Vergílio Ferreira foi varrido dos currículos de Português do ensino secundário para ser substituído por Saramago. Acto lamentável, pois a profundidade de Aparição ou Manhã Submersa não podem ser comparadas ao Memorial do Convento. Miguel Torga e Sophia também desapareceram do programa de 12.º ano, e Jorge de Sena nem lá estava.

Anónimo disse...

Usei "post-mortem" em total boa-fé, e como termo puramente médico-legal. E nada relacionado com literatura, hagiografias, biografias e outras coisas em "ias". Apenas a simples constatação: já está cadáver.
Verifico também, com pesar, que o estado vai gastar alguns milhares de litros de JP-4 e cerca de 4 horas de mecânicos, fora a duração da viajem e o custo com a tripulação, mandando um C-130H recolher o despojo. Morte, cinzas, combustível; tudo coisas prosaicas. Ele deveria era repousar muito sossegadinho na sua ilhazinha de eleição. Era mais barato.

Ass.: Besta Imunda

Jacinto disse...

Num país ignorante a etiqueta comercial "nobel" impressiona sempre - ajudada pwela outra etiqueta ,a "de esquerda"...
Sub-produto publicitário,sagaz e "patriòticamente" utilizado pelo pessoal aqui do lado , eminentemente descartável para dar lugar ao próximo "génio" que as centrais político/ideológicas escolherem como símbolo do "ismo" em voga...

M. Abrantes disse...

Portugal é um país engraçado. Passa-se a vida a atirar à cara do Saramago o caso DN. Como se naquela altura Portugal fosse um exemplo de bons procedimentos (a maioria das pessoas que usa este argumento não saberia escrever a primeira letra dos acontecimentos que o marcaram). Entretanto há um ex-PIDE chamado Rosa Casaco, responsável pelo assassínio de Humberto Delgado, e que até parece que vive em Portugal, e ninguém se indigna.

Saramago foi censurado, sim. Foi censurado por essa coisa viscosa e inútil que é a direita beata e bolorenta portuguesa. Foi censurado e prejudicado por ter escrito coisas belíssimas como a que, em sua memória, deixo aqui.

"O filho de José e Maria nasceu como todos os filhos dos homens, sujo do sangue de sua mãe, viscoso das suas mucosidades e sofrendo em silêncio. Chorou porque o fizeram chorar, e chorará por esse mesmo e único motivo".

Manuel Pessanha disse...

O Saramago que eu conheci e etc.....
Peço desculpa por não ter assinado. Escapou-me.

Anónimo disse...

Coitadinho do saramago. Passou autênticas provações com as críticas tontas de Lara e o desagrado da Igreja. E jamais capitalizou com isso! Sofreu mil penas. E os seus indefectíveis também, pobres almas. Mas como consolação podem agora ir ao templo-dos-bicos, em peregrinação devota, ver as relíquias santas do santo. Lindo.

Ass.: Besta Imunda

De nihilo nihil disse...

Que Deus o guarde junto do Filho de José e Maria.

Paulo Ribeiro disse...

Ler o que está para trás nesta caixa de comentários é exercício de adentramento. Lê-se e ainda de olhos esbugalhados fica a certeza: será muito difícil Portugal ter futuro risonho. Muito difícil. Mais difícil do que um camelo passar pelo buraco da agulha. É um tal chorrilho de disparates perpetrado por gente que se adivinha pateta até ao mais ínfimo do tutano. São pobres e tratados como indigentes por essa Europa fora, mas, ainda, permitem que a sua estupidez, a cupidez mesquinha, o seu talhão pequenino de preconceito, seja superior ao orgulho por um português que triunfou. Deus tenha piedade do país que pariu esta gente. Pois é, o prémio Nobel não vale nada. Alguma coisa valerá alguma coisa para essas cabecinhas? Duvido.

Anónimo disse...

Para pinto de sousa esta morte é óptima. Sobretudo se for dum gajo dos livros, que tenha escrito e assim. O luto pelo censor - bom. Esperança do povo na selecção - melhor. O mitómano-sousa é tão aldrabão, e finge tão permanentemente, que é até agradável ver e ouvir as suas declarações "de pesar" nas TV's. Para a ceráfica imbecil (a propósito, que faz ela permanentemente em Sintra?) também foi bom: a sua crassa banalidade fica ligada à coisa-morta-saramago. Só, de facto, um conselho extraordinário...

Ass.: Besta Imunda

ricardo disse...

Sobre o escritor tenho algumas perplexidades:
Como se consegue transformar em estrela alguém que escreve em mau português?
Do que li, retenho a dificuldade em resistir à tentação de pôr o livro de lado.
A ideia base de cada obra, normalmente brilhante, à falta de talento, fica a saber a pouco entre um português macarrónico e um final decepcionante.
Desconfio mesmo que o êxito no estrangeiro se deve às traduções, que eliminam as dificuldades do autor com a língua portuguesa.

Anónimo disse...

Em Portugal todos nós conhecemos primeiro o homem e só mais tarde o escritor.
Alguns, tão impressionados com o pequeno e pobre homem nunca se deixaram convencer pelo grande e rico escritor.
No estrangeiro, conheceram apenas o escritor. Sorte deles.

Paulo Ribeiro disse...

Pois é, para quem não consegue ler José Saramago: o problema não está no escritor, mas na cabecinha que não dá para mais. Sorry.

Anónimo disse...

Você, Paulo Ribeiro, é que devia fazer aquele anúncio da Media Markt: "Eu é que não sou parvo!"

Ass.: Besta Imunda

Raquel disse...

Que post delicioso....

Vou roubar:)

Manuel Pessanha disse...

Paulo Ribeiro, já o percebi. Aliás ando há dezenas de anos a perceber os Paulos Ribeiros deste país: quem não é de esquerda e quem não está de acordo consigo é idiota e pateta, é ignorante e não percebe nada. Só a esquerda é a dona da verdade e os Paulos Ribeiros são os seus profetas.

Daniela Major disse...

Dizer que Saramago foi o melhor escritor português porque ganhou um Nobel é quase tão inteligente como dizer que a Hilary Mantel percebe de História porque escreveu o Wolf Hall. Eu consigo ler Saramago. Já li. Não gostei. Nem é devido á falta de pontuação mas à maneira flagrante e ordinária como expõe as suas opiniões durante as narrativas. Dizem-me que é ironia. Pois. Então no memorial (dizem-me que é um romance histórico, mas eu tenho dúvidas) é o fim da picada. Saramargo não era um mau escritor nem nunca o será, mas concordo com o post quando se diz que há evidentemente outros melhores que eles e infelizmente não são estudados NEM considerados.

Pequena nota para o Miguel Abrantes: Não sei se essa inf. sobre o Rosa Casaco é verdade. A ser é uma vergonha. Tal como é vergonhoso que Otelo Saraiva de Carvalho e o resto da trupe não esteja dentro de uma prisão, o lugar de assassinos. Isto da Direita é uma chatice.

rose disse...

Não gosto da escrita de Saramago,pelo contrário ,gosto muito do Garcia Marquez...;))))

Anónimo disse...

Acabo de vir dos corta-fiteiros e deixo aqui o mesmo que lá debitei.

O gajo era comuna. ERA.
O gajo tinha mau feitio. Tinha. o JG também e eu aprecio a sua escrita.
O gajo era arrogante. ERA
Mas uma coisa é certa, foi UM GRANDE ESCRITOR!!!

Acabei de ouvir a BOSTA do Sousa Lara e continuo a pensar que ele tem um lindo bigode para pendurar balões.

João Santos disse...

Será que o Nobel não se importa que se reze uma missa pelo descanso da sua distinta alma de ditador estalinista?

Eduardo F. disse...

«Poucos ou nenhuns recordarão o pequeno tirano do Diário de Notícias».

Não é o meu caso. Lembro-me bem, mesmo muito bem. Aliás, enquanto me recordar, não conseguirei conhecer o escritor que hoje faleceu.

Anónimo disse...

Saramago escreveu o que lhe apeteceu, publicou, ganhou dinheiro e não foi censurado. Mas era um homem com h pequenino.

Nunca o ouvi lamentar o facto de muitos dos seus contemporâneos não terem liberdade para escrever, lhe confiscarem os manuscritos, os encerrarem em gulags ou viverem debaixo de fatwas.

Não se lhe conhecem obras de caridade: enriquece, lamenta os pobres e explorados mas acha que não é nada com ele. Agarrou-se a financiamentos e prebendas públicas vindas de impostos de gente mais pobre que ele.

Conviveu mal com as sociedades que lhe deram o sucesso e não lamentou ditaduras infames e torpes no seu sectarismo cego e hipócrita.

Que Deus seja misericordioso!

Anónimo disse...

Paulo Ribeiro, a Besta Imunda já te indicou um caminho: vai para a Media Markt, pá!

Quando ao comunófilo merdoso e arrogante, pseudo-escritor, agora vamos gramar dias e dias de funerais da treta. Até o bandalho do dito cujo vai verter uma ou outra lágrima. Façam muitas missas em memória do gajo! Bem precisa! Já devia muitos anos à terra!

PC

Anónimo disse...

A vontade de saramago não vale nada. Não lhe adiantou dizer, com soberba e vingativo, que queria "que as suas cinzas ficassem na ilha, no meio das pedras, com uma florita ocasional". Não. Pilar, a família, as filhas, o edil-costa, toda a Azinhaga, o PC, Trotsky e canavilhas; todos trabalham, na sombra, para transladar "o grande corpo" e fazer - para benefício da esquerda e do mundo - uma espécie de fátima do marxismo, usando o templo-dos-bicos e as relíquias do santinho. E também dinheirinho. Muito dinheirinho que isto vai render. Piedoso.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

Respeitinho, Dr. João Gonçalves. Respeitinho.
Uma linha escrita por Saramago vale mais do que o seu blogue todo. Saramago será lido e glorificado para todo o sempre como o maior génio que alguma vez a Terra viu nascer. Maior ainda do que o de Kim-Il-Sung.
Respeitinho, portanto.

josé ricardo disse...

saramago é um grande escritor. aliás, a prova da sua grandiosidade literária revela-se precisamente nestes comentários. sempre gostei destas personagens onde o meio-termo não mora: ou se ama (gosta), ou se odeia.
cumprimentos,

josé ricardo

delfux disse...

João,

li o seu post e
talvez tenha lido apenas metade dos comentários, mas de toda esta ilucidativa amostra fica bem patente de facto a actualidade e o valor intrinseco da algo como por exemplo : O Ensaio sobre a Cegueira.

Este post e respectivos comentários são o maior e mais puro Elogio a Saramago e sua obra literária.

Obgdo Saramago. Obgdo João e comentadores...

...porque no fundo são voces o fundamento das palavras de Saramago.

e tenho a certeza, que lá de cima, (E)eles estarão agora os 2 a sorrir !!!

Anónimo disse...

Caro autor do blogue:

Já agora qual é a sua "noção de verdadeira grandeza"?
Deslumbrenos, por favor...

Q disse...

A televisão já estava insuportável. E agora isto.
Enquanto o tempo estiver bom vou tentar encontrar num jardim público quem me ensine a jogar cartas.

Alex disse...

É interessante ler a pequenez de alguns comentários. Mentalidades pequeninas e tacanhas.
O que é que tem a ver o homem que escreve livros, sendo um deles premiado com um Nobel e o déspota do DN? As particularidades da sua vida privada nem deveriam ser mencionadas. Este foi um escritor que é conhecido internacionalmente. Talvez os que não o conseguem ler não estejam equipados intelectualmente para o fazer.

Anónimo disse...

«Há uns anos Saramago entrou nos curricula liceais do regime e varreu a possibilidade de os meninos e de as meninas conhecerem literatura portuguesa aproveitável ou sofrível.»

Dois apontamentos sobre o assunto. Não me parece que a entrada de um escritor nos curricula de qualquer sistema de ensino, em qq parte do mundo, possa ser responsável pela não inclusão de outros autores.
O que é melhor ou pior literatura nunca será pacífico; muito menos num país como o nosso onde, felizmente, ainda temos muito por onde escolher.
A obra não se pode confundir com o seu autor. Céline é um autor odiado em França e dono de uma obra notável. Ratzinger alinhou nas fileiras do nazismo e é lido e considerado por milhões de pessoas, não pelo que fez mas pelo que escreve. E assim por diante.

Mar disse...

E este "João Gonçalves" que aqui perora...já agora, é quem??

Mar disse...

(e já agora, alguém me explica como é que os perigosos comunas conseguiram meter a cunha ao Comité do Nobel? é pa´julguei que os gajos eram um partidozeco residual de quem ninguém ouve falar, afinal...)

Disse, pois disse...

"ilucidativa" é uma das palavras chave dos comentadores muito admiradores de Saramago.

Anónimo disse...

Com as sua escrita mostrou-nos o verdadeiro mundo, feito de hipocrisia. Já dizia Karl Marx " A religião é o ópio do povo" e pelos vistos para alguns ainda é. Bem hajas José Saramago.

Duarte

Anónimo disse...

A mesquinhez perante a morte é típica dos cobardes ou pior, dos estúpidos. Mas não é de estranhar, sempre houve esta ferocidade perante os inofensivos comunistas. Quando morrer o Alberto João, o Cavaco, esta gente vai meter o rabo entre as pernas com medo de represálias.
A culpa da crise? Se calhar é do espelho...

De nihilo nihil disse...

Saramago é um mau escritor, uma pessoa distantemente antipática e arrogante. Defensor político de valores totalitaristas. Contundiu cobardemente a sua pátria como se fosse culpada das asneiras dos homens. Se todos fossem a fazer o que fez, hoje, a população portuguesa residente estava reduzida a 20%, resultado das enormidades legislativas deste governo.
Isto é Saramago, para mim, tudo o resto que possam pensar e dizer é um enorme "ruído" para os meus ouvidos.

Ibn Erriq disse...

O pobre o João Gonçalves, que não faço a mínima ideia quem seja, anda meio "baralhadote", não anda?

O pobre homem mistura tudo. Cá para mim, ele já mais defenderia a literatura daqueles que sendo escritores maiores se lhe opõem na ideologia, como seria o caso de Hemingway, Saramago, Camus, etc. Bom, talvez fizesse loas ao Grass.

Oh pobre país este que não tem gente com inteligência suficiente para separar os quadrantes.

PS: Não sou comunista, mas acho Sramago um dos grandes da literatura portuguesa e mundial.

João Gonçalves disse...

Pois, Ibn, o que nos separa é precisamente o seu PS. O resto é parvoíce sua.

p D s disse...

Pois, o Saramago era mesmo uma "nodoa" de homem. Foi muito mau no DN e não falava com os vizinhos...portantos, bóra lá denegrir a sua obra.

Já o Hitler, cuja obra matou milhões, consta que um dia deu um bejinho á mãe, e disse "obrigado" a um menino...portantos, João, será para si um grande homem.

É isto mais ou menos a tese que defende no seu post, certo ?



P.S - aguardo serenamente por tantas correcções aos "portantos".

Anónimo disse...

Ainda a pessoa mais clarividente foi Sousa Lara. Parabéns Sousa Lara.

Quanto ao Saramago nem na morte foi modesto: vem para Lisboa receber honrarias, ser cremado, a Pilar fica com a sua rica casa e as cinzas são para a família.

Anónimo disse...

Como bem escreveu J. L. Saldanha Sanches, num artigo sobre fundações e impostos/fisco, Saramago optou por pagar os seus impostos em Espanha, e em Lanzarote, pois aí nessa ilha o fisco é mais favorável do que naquele país. A alguém que "fugiu" ao seu dever de pagar impostos neste país o Estado não deveria com ele gastar um cêntimo, não obstante o seu valor como escritor, que temos de respeitar e valorizar.

javali disse...

Sousa Lara tem "um lindo bigode para pendurar balões."

AHAHAH. Esta é a melhor de todas.

carol disse...

Ainda bem que há pessoas como o autor deste "blog" para nos salvar da parolada... ...

hf disse...

é curioso que uma pessoa que faz frequentemente a apologia de salazar, envolve-se em questiúnculas venenosas na blogosfera e seja tão veementemente anti poder venha falar dos mesmos defeitos do escritor.

FGC disse...

Ainda me lembro quando o defunto foi indicado para o prémio nobel e não o recebeu, ter desdenhado a coisa com a afirmação de que era um prémio definido por lobbies. Foi uma das poucas altura em que concordei com o homem.
Em relação ao seu propalado carácter, humanitarismo, coerência, espírito de justiça e demais elogios ao alegado incondicional apego à justiça e combate ao mal dos poderosos, é interessante notar que a UNICA vez na vida em que deteve poder (quando foi sub-director do DN), logo procedeu como o mais reles tirano e insensível ditador. Hipocrisia só igualada pela lavagem da comunicação social e bajuladores do costume.

javali disse...

Sejamos intelectualmente honestos. O valor e a importância de Saramago, como escritor, não pode ser visto pelo crivo da opinião pessoal. Nem da dele. É no futuro (no presente, em Portugal, não creio que o faça - lá fora não faço ideia) que se verá se a sua estética literária (estilo, temática, referências, etc) vai ter alguma influência noutros escritores. Essa é a verdadeira medida da obra de alguém - e nenhum dos disparates que li aqui.

Silvio disse...

O Joao Gonçalves só pode ser ignorante...

LaurentinoProst disse...

Este post só justifica o título do blog sem margem para qualquer dúvida. Se à coisa que eu não consigo entender é como é que alguém consegue desprezar tanto os valores criados nesta nossa sociedade, apropósito, cheia de Joao Gonçalves, utilizando o "bota-abaixismo" como argumento alimentador de um preconceito ideológico. E fico completamente descansado em saber que a morte de Saramago deixa de parte todo o "inimiguismo" a que lhe está associado, mas, isso não invalida o facto de que a pessoa que morreu ter sido um dos maiores escritores de Portugal. Saramago é referenciado como um dos melhores escritores, Saramago deve ser referênciado como um dos melhores, Saramago tem que ser referênciado como um grande escritor! E nós não o vamos esquecer por mais à esquerda ou direita se posicione ideolgicamente porque, se à coisa que me honra em ser português, é o facto de que Saramgo é uma das caras do nosso país juntamente com outros escritores e individualidades culturais. Porque nós temos cultura e só não vê isso quem de facto não quer ver: um inculto.

Anónimo disse...

Concordo plenamente com o que Sr. Dr. saldanha Sanches escreveu no tal artigo sobre fundações e impostos / fisco e que aqui já foi referido. O Estado português como não é uma pessoa de bem anda a roubar-me, sim a roubar-me que eu falo por mim, que sou aposentado, para pagar a esta gente (a este escritor??? arrogante e manhoso)que tendo renegado o seu País, ainda tem direito a todo este séquito/fantochada. E os outros, quê dê os outros?... Que a terra lhe seja leve...o que duvido.

Anónimo disse...

DEMOCRÁCIA É HIPOCRACIA! FASCISMOOOOOO

Prof disse...

"Se à coisa que eu não consigo entender", diz aí atrás um tal Laurentino Prost, que conclui: "Porque nós temos cultura...".
Temos, quem? Você, Laurentino?
Por que não tenta as Novas Oportunidades a ver se lhe ensinam, por exemplo, que há no alfabeto a letra h?
De passagem, vistas as coisas, devo dizer que não me surpreende nada a sua admiração pelo ora defunto.

Anónimo disse...

Se há coisa que mais lamento, é a morte de alguém.
Por isso, na minha opinião, acho que
posso comentar sem me contradizer, Saramago foi um sortudo, no ano em que foi premiado como prémio Nobel pela Academia sueca.
Pode ter sido um bom escritor, mas como homem foi muito pequenino, devido às suas atitudes políticas, que culminaram com os saneamentos dos seus colegas que não partilhavam das suas ideias.
Ostracizou a sua pátria, defendendo o federalismo ibérico e, por conseguinte, e após escolher Espanha como sua pátria, só quando lhe prestavam vassalagem se dignava cá aparecer, borrifando-se para tudo o resto.
Comunista convicto, nem esse estatuto o animou a ajudar os mais carenciados do "seu" país, ou pelo menos da sua aldeia natal.
Por tudo isso, só desejo que esteja em paz, mas muito tempo sem nós.
Cps
Scaramouche

Anónimo disse...

««Poucos ou nenhuns recordarão o pequeno tirano do Diário de Notícias».

Não é o meu caso. Lembro-me bem, mesmo muito bem. Aliás, enquanto me recordar, não conseguirei conhecer o escritor que hoje faleceu.»


Já ouvi dezenas de pessoas referirem-se a este "episódio" da censura no DN, alegadamente praticada por Saramago. Não ouvi nem uma a explicar como as coisas se passaram, apontando datas, nomes, lugares, circunstâncias. Eu não era nascido, mas parece-me que se trata de mais uma daquelas estórias muito mal contadas, em que o lobo é, afinal, a avozinha.

Eduardo F. disse...

Caro Anónimo das 10:42 PM,

Não se tratou de um "episódio". Tratou-se de um filme. Seria melhor que não falasse do que não viu ou conhece.

Anónimo disse...

Finalmente morreu o escrevinhador que da blasfémia fazia propaganda aos seus livros. O que o povo português pensa dele viu-se hoje junto à CMLisboa: 100 ou 200 pessoas... E, mesmo assim, arregimentadas pelo PCP... Compare-se com o funeral da Amália, da Irmã Lúcia, de Sá Carneiro ou mesmo de Cunhal! Foi patético ver a Pilita vir à janela acenar à "multidão"... Pronto, acabou-se o Saramago: Portugal melhorou como comunidade só por esse facto!