11.6.10

A "COESÃO NACIONAL" MORALIZADORA



«A redução de 5 por cento toca levemente na bolsa dos políticos, mas prescindir ou prejudicar a corte que o rodeia tocaria no seu poder - e isso eles não quiseram. Os jornais, misteriosamente, chamam à coisa "moralização". De quem ou de quê? De qualquer maneira, essa "moralização" não chegou por enquanto ao deputado Ricardo Rodrigues, vice-presidente da bancada do PS, que alegadamente subtraiu dois gravadores, no fim de uma entrevista à revista Sábado. Perante este episódio, em que só a polícia e os tribunais deviam intervir, a Assembleia da República vacila. A Comissão de Ética ainda não levantou a imunidade parlamentar ao deputado Ricardo Rodrigues, uma decisão que, em princípio, se julgaria automática. E Francisco Assis declarou a história, que, aliás, não nega, "lamentável", acrescentando generosamente que ela "não corresponde a um padrão de comportamento" de Ricardo Rodrigues ou às relações do PS com a imprensa. Estas palavras consolaram de certeza o país, que ficou agora seguro da alta honestidade dos seus representantes.»

Vasco Pulido Valente, Público

9 comentários:

Anónimo disse...

Fabuloso!

Besta I.

Anónimo disse...

VPV diz o óbvio e o que toda a gente sabe ou sente; mas à VPV. O rei vai nu, e há muito tempo. Até já apanhou uma pneumonia e está à morte. E arrisca-se a morrer num qualquer hospital da misericórdia, pobremente caído numa enfermaria para andrajosos.

Ass.: Besta Imunda

Francisco disse...

Claro, do que o PS gostaria era de ver-se livre do Rodrigues sem perder a face. O dilema é que sabem que o país inteiro reprovou a "acção directa" do Rodrigues, mas este tem muita força dentro do aparelho, pode partir a louça toda, pelo que não é fácil alijá-lo.

Fado Alexandrino disse...

Ontem, numa reportagem sobre uma Câmara, acho que era Santa Maria da Feira ou coisa parecida, o Presidente pedia a todos que poupassem um euro por dia.
No fim veio a saber-se que havia 871 funcionários na Câmara.
O que eles fazem, aposto, que podia ser feito por duzentos.
Se multiplicarem pelas câmaras do rectângulo e se lembrarem que um empregado numa câmara nada produz a não ser papelada acho que dá para perceber porque estamos como estamos.

Jorge Diniz disse...

Como ainda não obtive resposta, reitero:

Sendo COMPROVADAMENTE a cumulação de reformas pelos "gestores profissionais" vindos dos diferentes quadrantes políticos a razão do "pântano" e da "crise";

QUAL A SOLUÇÃO?

Garganta Funda... disse...

A solução é deixar de pagar essas falsas reformas.

Também no tempo do Rei Sol determinada corja estava habituada a determinados privilégios...

Jacinto disse...

Nos dias que correm qualquer bordel tem mais dignidade do que aquele coio ali a S.Bento...

Anónimo disse...

Vivam os "corninhos" do ex da Economia ! Comparado com o Rodrigues tem mil anos de perdão.

jpt disse...

"Alegadamente"? Então o homem foi filmado a "palmar" os gravadores dos jornalistas e VPV vai na moda e diz "alegadamente"?