21.5.10

O RETRATO DE UM ROBOT QUE DIRIGE UM PAÍS DE BANANAS

«Debita sem cessar frases decoradas. Isso permite-lhe gastar o tempo sem responder a perguntas. Segundo, sempre que há uma má notícia da economia (mais desemprego, mais endividamento, etc.), Sócrates diz que "já se esperava", o que permite atribuir menos importância à notícia; se houver uma rara boa notícia (crescimento económico no primeiro trimestre, por exemplo), ele diz que foi uma "grande surpresa", o que aumenta o efeito positivo. Terceiro, usa em simultâneo a vitimização (vítima da crise mundial, vítima das perguntas dos jornalistas, etc.) e o ataque demolidor às perguntas e aos próprios entrevistadores. Na RTP1, Sócrates foi de uma grosseria imprópria de qualquer pessoa, a começar por um governante, na violência e má-criação com que se dirigiu a Judite Sousa e ao tratar José Alberto Carvalho com o desprezo de um mau patrão a um empregado, interrompendo-lhe todas as perguntas. A referência ao facto de o salário de Judite Sousa ser mais elevado do que o seu foi das manobras mais ignóbeis que algumas vez um político usou numa entrevista (...). Sócrates foi malcriado, o que é raro num entrevistado, e a nada respondeu. Além de não responder às perguntas dos dois jornalistas, também se livrou das que não chegaram a colocar-lhe, por falta de tempo, de vontade, ou porque Sócrates levou a entrevista para onde quis pelas técnicas referidas. Ficámos sem saber o que e onde cortará o Governo à despesa do Estado. Ignoramos o destino das obras faraónicas. Ignoramos o que foi transferido da independência nacional para Bruxelas. Ignoramos qual o alcance da crise, porque Sócrates oculta-a quanto pode. A entrevista a Sócrates confirmou um preço a pagar pela democracia. Com base na mentira, na ocultação e nas campanhas negras, Sócrates conseguiu ser reeleito. Agora, o país está contra ele e ele está contra o país - mas o país tem de o suportar. Espalhou-se a ideia feita de que é melhor Sócrates continuar do que termos uma "crise política" de alguns meses com eleições, etc. Todavia, também há um preço incrível a pagar por termos um governo surrealista, gasto, demagógico e que apenas quer continuar no usufruto do poder por cada dia que passa. Um país em que o povo está contra o Governo e o Governo está contra o povo por mais três anos e meio - isso, sim, é uma longa e trágica crise política que pagaremos todos bem caro.»

Eduardo Cintra Torres, Público


Nota: À notória má criação do "visado" no texto, ECT contrapõe a "delicadeza" de Passos Coelho na entrevista com Cunha e Sá. Um leitor "responde" por mim a esse fogo fátuo da "delicadeza" passista, manifestamente comprometida e submetida, afinal, à má criação do outro. «Esse Passos Coelho definiu-se muito bem quando a entrevistadora o confrontou com o famoso "pedido de desculpas"; " e não acha que deve um pedido de desculpas à dra. Ferreira Leite?" Resposta do senhor: "se achasse que devia, já o tinha feito..."»

19 comentários:

Fado Alexandrino disse...

De que se tira desta crónica é que o Pinóquio foi mais esperto do que dois experimentados ( e segundo parece muito bem pagos) funcionários públicos.
Então o que estes devem fazer é pedir ao cronista para os substituir na próxima entrevista.

Anónimo disse...

O RETRATO DE UM ROBOT QUE DIRIGE UM PAÍS DE BANANAS ...

E

O RETRATO DE OUTRO ROBOT QUE QUER DIRIGIR UM PAÍS DE BANANAS.

AH

De nihilo nihil disse...

E que tal uma providência cautelar para impedir que este primeiro-ministro exerça asneiras atrás de asneiras?

Anónimo disse...

ECT em grande forma!

Não assisti a esta "entre-a-vista", porque tinha mais o que fazer. Mas agora até fiquei com pena. Gostava de ter visto a cena do ignóbil doto cujo a acusar a querida Judite de ganhar mais que ele próprio... Mas não é por ela merecer esta grosseria, e muito menos por não merecer ganhar mais que o palhaço ordinário. Teria sido muito divertido assistir a isto em directo, "that's all"!

PC

Anónimo disse...

Leite Campos, no jornal das 9 do Crespo, "sentiu" comiseração e lamentou o 'papel' do ministro das finanças - em minúsculas que o dinheiro não abunda - quando, perante o Zé Povinho, justificava a subida dos impostos e toda a trapalhada que envolveu o número de circo, chegando mesmo a apelidá-lo de "coitado".

Não creio que se deva ter qualquer tipo de, digamos, compaixão para com o senhor que "trata" dos dinheiros do país e, mais grave ainda, do nosso; se o homem se sente desconfortável, que se venha embora e abandone o grupo de 'fabricantes de mentiras'.

Também não percebo o 'papel' do psd: se o governo não presta, o que é verdade, se o primeiro ministro é um aldabrão que comanda um grupo de fantoches, se cada vez caminhamos, em passo acelerado, para o caos, se já não há nada de bom que possa vir destes incompetentes que governam, então porque não se faz o que deve ser feito e "mandar" essa corja para a rua? o sr. Passos Coelho está à espera de quê? que andemos todos esfarrapados a pedir esmola? e quem nos dá esmola? os 'comentadores' e os 'economistas' da praça que, ainda não há muito tempo, diziam que o Sócrates estava a governar bem (João Salgueiro, António José Teixeira, etc., etc., etc.) mas, contudo, dizem agora que o homem já não presta?

Que bom viver num país onde os "inteligentes" não se aperceberam que o Sócrates era uma fraude, um mentiroso, um sem catácter.

antónio chulado

João Gonçalves disse...

O Campos, Diogo, é vice presidente do Passos Coelho. Fazer de virgem ofendida e de "filósofo", como lhe chamou o pobre do Crespo, é de rir à gargalhada não fosse se´rio o assunto.

Garganta Funda... disse...

O Sócrates é o «madoff» da politica portuguesa.

Há muitos anos que este blogue e muitos dos seus comentadores desmontaram o maior embuste das últimas décadas e que está evoluindo para um ultraje.

O Mário Alberto foi aquele tipo que disse que o comunismo tinha sido o maior embuste do século XX.
E com toda a razão...

Que dirá ele do «sucialismo» socrático?

Anónimo disse...

Como é seu timbre, ECT acertou na mouche. Mais do que vergonha, o escândalo que é esta governação e particularmente o desempenho vergonhoso do primeiro ministro (as mentiras e corrupções sistemáticas e consecutivas há anos e anos) deveria merecer prisão perpétua. Tudo o que ECT disse é a verdade nua e crua e ainda faltou muito por dizer. Parabéns por isso.
Maria

Anónimo disse...

Levas púrada. Levas púrada, meu.

Anónimo disse...

Ainda existe a treta do "simplex"?

Anónimo disse...

Zé-Alberto e Judite submeteram-se à vergonha de uma entrevista pré-combinada com o chefe e paga pelo chefe. A partir deste ponto não havia recuperação possível. Se o chefe tivesse querido cagar-lhes em cima e em directo, nada o teria impedido. E depois a tarefa, com o labrego mitómano-engenheiro, era mais para outro tipo de jornalistas... (eu próprio conheço alguns bons na construção civil). Esta brilhante parelha só conseguiria uma entrevista bem educada com a bem educada Velha-Manela, mas aí, estou certo, seriam eles os labregos - coisa que já vimos bastas vezes a soutoura-judite ser, com gracinhas espertas, risinhos sonoros e olhinhos cheios de curiosodade inteligente. Pela boca morre o peixe.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

Desde há vários meses que digo isto: Sócrates é o novo Vale e Azevedo - mentiras atrás de mentiras e depois atribui a culpa da situação sempre a outrém que quer conspirar contra ele, com Vale e Azevedo era o Porto e a Olivedesportos, com Sócrates é a oposição e a crise internacional. Na altura conseguiu enganar milhões, mas depois quando saiu do cargo aconteceu o que toda a gente sabe. Penso que Sócrates vai ter o mesmo triste destino.

Anónimo disse...

A notícia de hoje do CM nem se faz notar porque já não é notícia. É só mais um "Trafulha Nº1" aposto na folha de cima das centenas de resmas que estão na fila para carimbar.

Anónimo disse...

Isto é na realidade uma cleptocracia. Quantos pares de sapatos terá o sr Engenheiro?
f&v

Anónimo disse...

Bravo, ministro "à trouche-mouche" da 6:42PM! Não se sinta limitado. Sei que a sua verve é rica e capaz de iluminar aqui a rapaziada. E quanto aos seus receios de escrever demais, deixe esses medos para moços-de-redação.

cumprimentos, seu

Besta Imunda

Ana Cristina Leonardo disse...

os jornalistas estiveram bem para o 1º, e o 1º para os jornalistas. A tragédia é que talvez eles e o país (que somos nós...)estejam igualmente bem uns para os outros.

AAA disse...

É preciso recuar atá ao Gonçalvismo para encontrarmos um 1º ministro que tenha feito tanto mal a Portugal. Pobre país e pobres portugueses que tão caro e durante tanto tempo vão pagar por isso...

Anónimo disse...

Para a besta: Já me viram! Sabem quem sou! Um Banqueiro Anarquista? Um fiscalista canhoto? De esquerda? ou Sinistro? (em italiano).Sou o Homem-Bomba. Encosta-te a mim...seremos os Homens-bomba limpadores de manilhas na Igreja de Senhora de Fatima.
...ele lhá coisas que tem que levar um empurrãozinho.
Ass: f&v, ministro à "trouche -mouche", Gregorio Uber Alles. Um forte abraço.

Anónimo disse...

Judite de Sousa é das piores coisisnhas a que se pode recorrer para entrevistar alguém que não seja "mulher de soalheiro". Escrevem-lhe meia dúzia de questões que a indígena debita a espaços certos. Como é burra com uma porta nunca entra no tempo certo e só incomoda.
Só sabe invocar o diz que disse e a conversa de café. Não há mortal que resista a não ter que a mandar dar uma volta. E esta alimária só nos custa 15000€ por mês. É óbvio que ECT no seu afã de bater no Sócrates nada disto vê. Comporta-se como um zarolho!
João Mendes