23.5.10

DIGNIDADE NA DERROTA


Para esquecer, por breves instantes, os pigmeus e as ténias (as "elites" do regime), talvez valha a pena ler o livro de Carlos Brito. Cunhal, afinal, era humano e tinha "embirrações pessoais". Mas, segundo Brito, foi decisivo para salvar Portugal da guerra civil em 1975. Já disse o que tinha a dizer sobre Cunhal. Basta agora a frase de Jorge Luís Borges, citada no livro, incompreensível em tempos de broncos tão satisfeitos consigo próprios. «Há na derrota uma dignidade que dificilmente pertence à vitoria.»

6 comentários:

Anónimo disse...

Há na estupidez uma insignificancia que dificilmente pertence à vida.
Ass: Gregorio uber alles

www.angeloochoa.net disse...

Em feliz hora topei com este seu post, João Gonçalves, que, em dia de Pentecostes, veio de encontro a reflexões que vinha comigo alimentando pela tarde:
1º: Nas revelações de «a divina misericórdia na minha alma» (espécie de diário) Faustina Kowalska dá-se conta da satisfação do bom Jesus para consigo por ela aceitar suas humilhações e as incompreensões da comunidade de suas irmãs de clausura.
Isto na sequência da bem-aventurança nona «quando vos perseguirem e espezinharem e contra vós maquinarem toda a espécie de torpezas por causa do meu nome bem-aventurados sereis!» (Cito de cor).
2º Na minha rápida passagem pelo PCP (de que não me envergonho) dei conta da aura de «santidade» de Cunhal.
O mesmo confirma Zita Seabra, pelos vistos uma predilecta dele, segundo ela…, ex-esposa de Carlos Brito. O mito de que Cunhal havia sido «castrado» pelas torturas da PIDE não passa de isso mesmo, um mito.
Vide a Biografia de Cunhal de José Pacheco Pereira, a quem só falta uma luzinha de fé cristã para bem entender o comunismo de que é estudioso.
Agora quanto à
3º «guerra civil» -- é facto que Cunhal a evitou… E Eanes, ciente disso, ressalvou, e garantiu, até hoje o papel interventivo dos «comunistas» entre nós. Com luz que Melo Antunes também terá ajudado (a ele Eanes).
Cunhal tinha um «sentimento cristão português aprendido com o povo profundo.»
Era para os comunistas, o mesmo que para os cristãos ainda hoje é, uma espécie de patriarca José, patrono da Madre Igreja. (Falo de S.José, o operário, o putativo pai de Jesus, o Cristo).
Uma referência.
Como em termos de dignidade «operária» (vide Chenu, «o valor teológico do trabalho») é o trabalhador de obras José, para os cristãos.
Note-se que José segundo recentes estudos não era mero carpinteiro, mas empreendedor de obra de construção civil em geral.
Espero voltar a este assunto futuramente, Senhor João Gonçalves.

Eduardo F. disse...

Caro João,

Já o leu ou só o folheou?

floribundus disse...

nunca visitou Alguém que o considerava amigo.

estiveram na clandestinidade juntos.

no dia seguinte ao parto da mulher do amigo exigiu que esta lhe fizesse o pequeno almoço.

goncalo disse...

Consegui ler o livro numa tarde/noite com um olho no Inter. É fascinante, lê-se de um fôlego. Não é um ajuste de contas de Carlos Brito, longe disso. Fica-se a conhecer um pouco melhor a figura de Álvaro Cunhal, como pensava, como reagia, como manipulava e dominava, as suas embirrações pessoais, os odiozinhos a Mário Soares e a Melo Antunes, a Domingos Abrantes e a José Saramago (vetou-o para director do "Diário"). Interessante, muito interessante.

GM

Anónimo disse...

Não subestime a estupidez, meu caro Gregório. Ela move montanhas. Gosto também do seu desprezo superior e lúcido. Por outro lado não posso concordar com o título "Dignidade na derrota" pois apesar de Cunhal poder ter morrido a pensar que foi derrotado, sabemos e podemos confirmar hoje (e isso para nós é que importa) que a sua herança foi pesada e para durar: marxização das mentes pobres; estatização quase total e irrecuperável da sociedade; sindicalismo ocioso e fantasista-criminoso; medo irracional da "direita" (como se até agora tivesse aparecido uma verdadeira direita); complexos gosmas e lorpas de esquerda - que se infiltraram como bactérias em todos os sectores que possamos imaginar. Nem vou falar de toda a destruição terrorista que assolou o país entre 74 e 75, e mesmo depois. No essencial, quem nada tinha, pouco passou a ter (e entretanto tudo foi gasto); quem tinha algo, deixou de ter sem que daí tivessem vindo benefícios para quem quer que fosse - a não ser passageiros e ilusórios. Ainda por cima, tudo isto - Cunhal, o comunismo etc - já deslocados no tempo, obsoletos e sendo apenas uma curiosidade de laboratório neste canto escuro da europa da década de 70: como quem observa ratos mutantes dentro de gaiolas, com orelhas nas costas ou vitelos de duas cabeças e cinco patas.

Ass.: Besta Imunda