15.5.10

PARABÉNS À PRIMA


O eterno candidato a um trono que não existe, Duarte de Bragança, faz hoje sessenta e cinco anos. Já se podia reformar sem penalizações.

40 comentários:

Anónimo disse...

Sempre preferiu assistir em silencio ao desmantelamento de Portugal. Praticamente nunca se lhe ouviu uma palavra lucida de oposição ao caminho trilhado pelo país e ao regime.
Podia perfeitamente tê-lo feito. Podia ter afrontado o regime sem perder a isenção exigida a um candidato ao trono.
Mas nunca teve coragem para tanto. Agora.... mais vale que se cale para sempre!

Karocha disse...

Aprovado Anónimo!

PEDRO QUARTIN GRAÇA disse...

Quando um anónimo cobardola diz tamanho disparate mais vale calar-se efectivamente para sempre!

Karocha disse...

Pedro
Eu não sou anónima.
Acha que é disparate?
Conhece o Dom Duarte?

Lura do Grilo disse...

Parece-me um homem decente. Fez três filhos o que já de si é um feito notável nesta sociedade.

Nada contra D. Duarte. Quando o vejo recordo Portugal: outro não este.

joshua disse...

Eu gosto sinceramente de D. Duarte e a ele exprimo desde logo toda a minha lealdade irrefragável.

Pelo contrário, abomino sinceramente D. Mário Soares, D. Almeida Santos, D. Jorge Sampaio, D. Vítor Constâncio, D. José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa, tudo gente com um espírito incomensuravelmente rapace e infinita lata, sendo que, quando os ouvimos, ainda lhes ficamos a dever dinheiro a todos.

Por que motivo não se reformam uns e abdicam de reformas triplas milionárias outros, a bem do derradeiro conceito ultrajante e ultracínico "esforço patriótico"?!

Karocha disse...

Joshua

Quanto aos outros assino por baixo.
Conhece o D. Duarte?

Fado Alexandrino disse...

Li os comentários,
Era bom que pensassem no que este senhor teve que trabalhar para chegar onde chegou e no que pena para pagar as prestações dos bens de que é dono.
Uma boa ideia, não acham?

Anónimo disse...

Ser desagradável para com o Senhor D. Duarte, que não tem culpa de desde o berço ser príncipe e afilhado de baptismo de um Papa e de uma Rainha tem a mesma gratuitidade dos insultos das jugulares e quejandos a S. Santidade.
E bebe do mesmo terrível ressentimento, desta pequenez catitinha, mas sórdida vingativa.
Vc. merece-se mais do que estas raivas sopeirais (e que nos úlitmos tem gasto com o encontro de S. Santidade com gente da cultura - onde Vc. devia ter estado, aliás).
Já reparou a força que teria um post seu em que dissesse algo como "não fui convidado e tenho pena?"
Enfim. Desculpe isto, mas irrita-me ver gente inteligente e fazer figuras tristes e a dar o flanco a mediocres.

Mani Pulite disse...

O DUARTE ESTÁ PARA O JUAN CARLOS COMO PORTUGAL ESTÁ PARA ESPANHA.É PENA...

João Gonçalves disse...

Em relação ao penúltimo comentário: o facto de o evento ter sido designado "encontro com a cultura" não transforma os presentes em gente da cultura embora, entre nós, o termo sirva para tudo. Basta atender em quem se vangloriou de lá ter estado. Por isso não lamento não ter sido convidado e, muito menos, de me ter feito convidado. O Papa, para mim, está a milhas dessas coisas e dessa gente. Quanto ao D. Duarte, é-me indiferente desde que jamais seja chefe de Estado.

floribundus disse...

tive a oportunidade de falar com o Serenissimo descendente da Casa de Bragança.

ninguém o deseja ouvir como acontece com gente séria e competente desta terra.

os cem asnos de república sem bem piores que ele.

nada é definitivo a não ser o socialismo e o estado de cadáver

Mani Pulite disse...

O ENCONTRO DA "COLTORA" FOI ORGANIZADO PELO POLICARPO SITUACIONISTA,A VERSÃO MODERNA E COM AVENTAL DO CEREJEIRA.ESTÁ PORTANTO TUDO DITO E EXPLICADO.FELIZMENTE ESTÁ À BEIRA DA REFORMA.

hajapachorra disse...

É incrível o que pode fazer a propaganda aventalícia: consegue sequestrar boa parte dos neurónios de quem os tem. Por que é que estes republicanos da treta não lêem obras insuspeitíssimas e bem documentadas como as do Prof. Catroga? Talvez lhes fizese alguma luz sobre o que foi a república. Da actual creio que nem é preciso bibliografia nem estudo. A merda tropeçamos nela quotidianamente. Não conheço D. Duarte, nem preciso de o conhecer para apreciar o desassombro com que diz verdades como punhos. O mal de D: Duarte é que teima em ter razão antes do tempo: defendia Timor e os timorenses quando ninguém queria ouvir falar do assunto, era ambientalista quando os verdes ainda eram vermelhos, sobre a família e a moral diz o óbvio que incomoda. Preferia de longe manter uma Casa Real a ter de pagar o trem de vida de quatro 'presidentes' e respectivas cortes de imbecis.

Anónimo disse...

Dr. J.G., sou o autor do penúltimo comentário e, tem graça, pensei que lá estivesse.
Pode ter muitos defeitos, mas se há pessoa que se tem distinguido na defesa inteligente da posição da Igreja e do Santo Padre tem sido o Dr. J.G.
Quanto ao encontro em si- tire-se o anedótico de quem foi imerecidamente (onde desde logo me encontra) e de quem não foi e devia ter ido (o seu caso) e todos os ridículos inseparáveis destas ocasiões e mesmo assim acho que foi importante, principalmente para os mais timoratos.

Anónimo disse...

P.S. De resto, tire-se-lhe o Dom ou dê-se-lhe o Dom - como as jugulares fazem infantilmmente com o S. Santidade do Papa, o Senhor Duque de Bragança continua a ser o que é: alguém que S. Santidade recebe a sós, que o Imperador do Japão vem receber e trazer em pessoa à porta do palácio imperial em Tóquio e a quem o Dr. J.G. lembra o aniversário para, rendido às virtudes jugulares do barrete das moçoilas da Frisia, lhe «tirar» o dom.

cristina ribeiro disse...

O mínimo que posso dizer é que é um post lamentável.

Karocha disse...

Não acho o post lamentável.

Perguntei várias vezes se alguém conhece o Dom Duarte.

cristina ribeiro disse...

Karocha, conheço-o pessoalmente, mas foi um brevíssimo encontro no elevador dum Hotel de Paris - só deu para ver da simpatia e simplicidade dos duques. Mas mais do que isso tenho lido -quando lhe dão tempo de antena -do seu patriotismo, coisa que nem de lanterna acesa em pleno dia se encontra facilmente.

Anónimo disse...

Nunca considerei D.Duarte Pio um astro. Manifestamente não o é. Todavia é um homem digno e bem educado. A sua falta de brilho e a sua dificuldade de expressão são compensadas com sinceridade e alguma cultura, que manifestamente tem - ao contrário das vastas legiões de faladores-comentadores-salvadores que diariamente desfilam nas TV's. Não sei exactamente o que pretendem dele: que coloque bombas nos ministérios ou que organize um bando de atiradores furtivos para alvejar ministros e deputados e que faça uma revolução ou force um referendo, tipo Hugo Chavez? Penso que não. Nem os monárquicos mais absolutistas e fanáticos que podessem existir (e não existem...) o pediriam. Quanto aos que se dizem republicanos, não sei bem o que esperam do homem e por que se cansam com ele sequer...Afinal até deveriam gostar dele assim: pacífico, bem educado, aparentemente ocioso...
Depois, penso sempre "no que é ser republicano" para as gentes que por aí falam disso e que, à beira do centenário da brilhante coisa, talvez devessem pensar numa boa definição: é ter sido como o padre João Soares? é ser como o seu filho? é ser como o seu neto? ser republicano é ser como Santos Silva ou como Seguro? ou como Alegre? e para o PSD, o que é a República, fora as definições dos manuais? É a República Americana o exemplo ou a Francesa? E quais os seus ideais? "Igualdade, Liberdade e Fraternidade"? e isso existe? e JÁ AGORA: SIGNIFICOU O FIM DA MONARQUIA EM PORTUGAL, O FIM DA DESIGUALDADE E DA INJUSTIÇA? Também deve ser referido que D. Duarte vive modestamente e poderia reclamar legitimamente o que pertencia à sua família, e que não era propriedade da Coroa - ou seja do Estado. E jamais o fez. Vamos mas é bater em quem merece.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

Respeitinho, Dr. João Gonçalves. Respeitinho.

joshua disse...

Eu voto por que se bata em quem merece! A desigualdade e a injustiça marcam esta onerosa República sem rei nem roque que temos. Por uma República com um Rei vinculado visceral e umbilicalmente aos interesses de Portugal e não ao currículo comparativo e reformas duplas supervenientes.

Nuno Castelo-Branco disse...

Ao anónimo das 7.52
Antes de 1974
- Lista rival da ANP que lhe causou a expulsão de Angola
Pós 1974
. alerta para a descolonização que se ia realizar (ninguém ouviu)
- Alerta ara o caso de Timor (ninguém ouviu e Soares/Sampaio declaram o território como "aquela ilha indonésia).- constantes avisos para as negociações de adesão ao mercado Comum. Alertou para a destruição da agricultura, indústria e pescas, liquidação em que gulosamente participou o sr. Cavaco Silva.
- as questões ambientais, "obsessão" que hoje consideramos património de decência de qualquer pessoa normal.
- a defesa do património monumental e dos costumes regionais: têm dúvidas? pesquisem.
- a incansável defesa do espaço lusíada no mundo, que lhe vale ser bem recebido desde Bissau a Dili, não esquecendo territórios que há muito deixaram de pertencer a Portugal.

Os republicanos gostam de Napoleões, homens raros em república. Na verdade, ainda não tivemos um único. Por mim, prefiro investir num homem médio, sensato e discreto.

Para republicanas palhaçadas, já basta o que temos tido. Uma tristeza sem desilusão. Nunca me enganou.

Anónimo disse...

ó karocha já estão a servir a gelatina no hospital

Karocha disse...

Espero que seja do sabor que goste Anónimo.

Anónimo disse...

sabe a bacalhau e a uvas karocha

Anónimo disse...

Lembro-me bem quando Timor - e os refugiados do Jamor - eram assuntos com que ninguém se preocupava. Preocupou-se o Senhor D. Duarte, que chamou a atenção internacional para o drama. E a Princesa Grace do Mónaco, numa visita que fez a Portugal foi, por sua intervenção, ao Jamor, para desconforto dos malandros e dos bem-pensantes (que são, muitas vezes, os mesmos).
Só a acção de S.A.R, o Senhor D. Duarte, Duque de Bragança, nesse assunto lhe devia merecer o respeito e admiração de todos os portugueses.
E no mundo possidónio em que se transformou Portugal, o modo de ser e de viver do Senhor D. Duarte, faz-nos pensar em opções de vida sem ersatz ou gadjets.
Felzimente, o Dr. JG está enganado e o Senhor D. Duarte não se pode reformar, mesmo que quisesse, do que é: uma pessoa boa e decente - e com o seu quê de excêntrico que é um remédio poderoso contra a mesmice de que falava Eça.
Para essas coisas não há pensões de reforma.

Nuno Castelo-Branco disse...

Caro anónimo, num país de gelatinas, ser excêntrico é um elogio. Estou de acordo consigo (claro).

João Gonçalves disse...

Vossa (de alguns de vós, comentadores) Alteza fez anos ontem. Já chega, pois, dele. mais uma vez, os nossos pobres monárquicos, como lhes chamava Salazar, mostram estar à altura do seu representante e vice.versa. Ponto final.

Anónimo disse...

Salazar, como sabe, era monárquico. Mas tal como a vastíssima maioria dos seres vivos de duas pernas em Portugal, sabia que as suas origens e as suas grossas palmas beirãs indicavam ascendência de servo-da-gleba, coisa que jamais lhe permitiria ser chefe-de-estado - a ele e a todos os outros. E sei que, então como agora, isso atormenta muita gente iluminada. (estupidamente, aliás...)

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

Pois, pois dr João Gonçalves ... é preciso saber perder. Pelo resto, e se não me falha a memória, o Prof. Salazar foi estúpidamente e profundamente ofendido por uma "nobre criatura" patrão do caseiro, senhor seu pai.
Claro está : - «pobres monárquicos».

PEDRO QUARTIN GRAÇA disse...

Não comentei o seu post Karocha mas sim o primeiro anónimo que apareceu. Conheço evidentemente, e muito bem, desde há 30 anos, o Senhor Dom Duarte por quem nutro uma enorme admiração e estima.
Lamento este post de João Gonçalves, de uma enorme injustiça relativamente a um Patriota.
Cumps,
PQG

joaquim disse...

João Gonçalves. Este lamentável post, destruiu toda a ideia que eu tinha de si.

Vá-se foder. Você é uma merda.

João Gonçalves disse...

Não censurei um único comentário a este post. Mas, confesso, que me apetece citar o Doutor Salazar que era tão monárquico quanto eu: decididos até onde ir, não devemos ir mais além. Quem se sente vassalo - ou tem pena de não ser - faça favor. Mas vá ser vassalo noutro sítio, se fizer favor.

Anónimo disse...

D. Duarte, aka o papa jantares

Anónimo disse...

Fico contente, dr João Gonçalves, por não ter censurado nenhum comentário ao seu "post". Mas caramba, acha que o assunto e a elegância dos comentários mereciam censura ?
E depois, se os monárquicos são «pobres monárquicos», porque é que a Constituição desta República exclui e descrimina os monárquicos e a Monarquia ? Medo de fantasmas ? ...

psico disse...

Conheço pessoalmente o Sr. D. Duarte. Porque razão não há-de a chefia do estado ser de ALGUÉM QUE REALMENTE TENHA ORGULHO EM SER PORTUGUÊS?

Javali disse...

Só me apetece "mandar um ganda LOL" sobre tudo isto. Não fosse o ridículo, viveria em tédio permanente.

Anónimo disse...

Dr. JG: não confundir vassalos - que o feudalismo já lá vai - com súbditos.
Não me importava nada de ser um súbdito britânico e de ter uma parte dos direitos que ele, súbidto, tem e que eu, cidadão português, não tenho.

Anónimo disse...

Desculpem, mas detesto cometer um erro de ortografia :
Escreve-se «discriminar» e não «descriminar».