23.5.10

CONTRA OS PIGMEUS


Não encontro isto "em linha" pelo que tenho de fazer fé no leitor que enviou. «Do ponto de vista estritamente político, a situação só melhoraria quando os aparelhos partidários fossem afastados do poder, por um gabinete de emergência supra-partidário em concordância com o Presidente da República.», terá escrito o sociólogo Manuel Villaverde Cabral na versão impressa de um jornal de hoje. Não anda muito longe do que sustentou Santana Lopes. Era bom que hoje fossemos alguns a dizer isto e amanhã milhões. Até porque não temos tropa - os tais "aparelhos" encarregaram-se metodicamente de acabar com ela - nem estadistas por vir. Henrique Monteiro, director do mais respeitado e insuspeito hebdomadário do regime, definiu na precisão esses vermes infectos que pululam um pouco por toda a Europa (Obama, no fundo, não é muito melhor do que eles). Pigmeus.

7 comentários:

pvnam disse...

---> Ficar à mercê de mercenários (militar/ policial)... é meio caminho andado para ficar à mercê de um Neofeudalismo...



ANEXO:
---> A superclasse mundial (Banca Mundial, Grandes Corporações Multinacionais) tem em vista um Neofeudalismo... consequentemente, fomenta a destruição/dissolução (dividir para reinar) das pátrias, das identidades, das tradições autóctones, promovendo o nascimento de um mestiço desenraizado e fácil de escravizar...

-----> IDIOTAS ÚTEIS ao serviço da superclasse:
A ESQUERDA - a Esquerda também apanha boleia no barco da destruição de tudo o que é tradicional... embora o seu objectivo seja outro -> o objectivo da Esquerda é reinventar o homem, o derradeiro homem, um homem novo, aquele que chega ao fim da História.
O ECONOMISTA IDIOTA - o economista idiota faz a promoção do crescimento do PIB à custa do consumo interno e dos empréstimos externos... quando a corrida do crescimento do PIB bater na parede, ou seja, quando a torneira dos empréstimos externos for fechada, já os maiores activos do país terão sido conduzidos para os mega-capitalistas mundiais (e o Estado com elefantes brancos - não rentáveis - nas mãos).
O IDIOTA SUICIDA - os idiotas suicidas (PNR's e afins) estão à espera que aqueles [a maioria dos europeus] que não se preocuparam em constituir uma sociedade sustentável (média de 2.1 filhos por mulher), e que andaram a realizar negociatas de lucro fácil à custa de alienígenas , se revoltem...

Marota disse...

Por favor Sr. Gonçalves, não ofenda os pigmeus. Nós também somos gente e também temos direito a respeito. Cuide as suas palavras por favor... Marota

João Sousa disse...

Que diferença deste Manuel Villaverde Cabral para o outro Manuel Villaverde Cabral que, em 95, exultava com a libertação de Portugal das mãos de Cavaco, na sua opinião da altura um tirano, incompetente e não sei que mais.

Anónimo disse...

A solução tem método conhecido. Este, ainda foi devidamente enfraquecido por revisões da constituição (promovidas sabemos bem por quem); e a razão, como diria Salazar, "pode ser expressa numa só palavra; e ela é": Eanes. Então como agora, os governos de "salvação nacional", ou de iniciativa presidencial, desagradaram e desagradam aos partidos: Nobre da Costa - chumbado; Mota Pinto - morto à nascença; apenas o PCP apreciou o governo Pintasilgo - que era para ser de 100 dias. Este governo era chefiado por uma co-criadora do programa do MFA, com a sombra de Melo Antunes a dominar. Segundo Mário Soares - "se a senhora ficasse mais um dia em S. Bento até os candelabros e os cortinados não escapariam". Os tempos mudaram. Não subsiste um pingo de vergonha, uma sombra de patriotismo, um mínimo de luz nas cabeças vazias. O método, hoje, deveria ser mais simples e duro: fechar aquele bordel, que dá pelo nome de parlamento; chamar gente corajosa, competente e honesta que, tenha nascido em Portugal e que ame Portugal, para formar um governo; entreter os partidos com actividades saudáveis como britar pedra, pintar cadeiras em oficinas ou trabalhar em reparações de estradas nacionais e regionais; acabar com a publicidade dos bancos nas TV's, assim como proibir as empresas de telefones e de venda de automóveis de iludir o pagode; acabar com a piolhice dos festivais de Verão e impôr silêncio nos microfones quando fossem transmitidos jogos de futebol (assim como acabar com a pústula das "flash-interviews"). Também não esquecer a proibição total da música de Natal nas rádios e TV's. E mais algumas coisitas. Isto só para começar, com condições mínimas.

Ass.: Besta Imunda

Eduardo F. disse...

Para que isso possa acontecer, caro João, se bem julgo Cavaco, é necessária uma sua relegitimação que sustente a subsequente "ruptura constitucional" perante a catástrofe entretanto já instalada. Até porque, como bem recorda, já não há tropa(*).

(*)-Para quem não tenha memória, aconselho visitar o papel, não despiciendo, de PPC na matéria.

Anónimo disse...

O texto a que se refere neste "post", copiei-o do «Portugal Contemporâneo» e está assinado por Ricardo Arroja, que por sua vez citou o «Diário Económico» onde Villaverde Cabral o escreveu. Um tanto complicado ...

António Viriato disse...

Tenho meditado sobre soluções muito próximas da aqui expressa, como julgo que naturalmente o fará quem deveras se preocupa com o estado de degradação geral a que o País chegou.

Sem pretensões de adivinho, sem saudosismos, sem crer em figuras iluminadas, sou francamente favorável a um forte movimento patriótico que tome a iniciativa de promover uma solução supra-partidário para a governação do País, afastando estas nulidades, tecnicamente incapazes, demagógicas, sem nenhum tipo de credibilidade ético-política que há anos presidem aos destinos da Nação.

O próprio PR não poderá, por muito mais tempo, permanecer inactivo, alheio ou indeferente ao descalabro presente e ao que se avizinha, sob pena de ficar comprometido, quando não conivente com ele.

Com mágoa o digo, mas cedo ou tarde, antes cedo, O PR vai ter de meter a mãos à obra ou isto terminará mal, porque a desgraça é sempre má conselheira.