2.6.10

TOMAI LÁ UM TGV


Já devo ter ido para aí umas oito vezes a Marrocos. O que lhes deve estar a fazer mais falta é o TGV "à portuguesa", uma coisa que nem Sócrates sabe bem o que é.

9 comentários:

floribundus disse...

o meu TGV
tenho grande vergonha
de ser obrigado a viver 'aqui e agora'

bA disse...

Se quiser voltar um pouco atrás, deixei-lhe um comentário em "cães não como nós".
Hoje ouvi Sócrates a falar francês??? em Marrocos, e do pouco que retive e muito me envergonhou foi "...com relation", com tanto amadorismo, já começo a acreditar no que não queria.

Mani Pulite disse...

NÃO SABE NADA DE TGV MAS SABE TUDO SOBRE KUMISSÕES.FOI A MARROCOS APRENDER BAKSHEESH TÉCNICO.

Anónimo disse...

O livro encontra-o aqui pela módica quantia de 15 aéreos
http://www.livrariamanuelsantos.com/ctemaslp.htm

Abundância no Presépio

Karocha disse...

Também não percebi!

Garganta Funda... disse...

Isto é um país de doidos.

Tentar exportar o TGV (que não temos, nem muito cedo o teremos) para Marrocos é de partir o côco.

João Gonçalves disse...

Muito obrigado ao "abundância no presépio."

Mani Pulite disse...

O KNOW-HOW DO ZÉZITO EM BURACOS E ATERROS TAMBÉM VAI SER PRECIOSA A MARROCOS.FOI LÁ VENDER AOS MARROQUINOS UM TUNEL PARA O ESTREITO DE GIBRALTAR CHAVES NA MÃO.O COELHO CAVA E A CAIXA EMPRESTA.OLIVEIRA DA FIGUEIRA NÃO FARIA MELHOR.MARROCOS PAGA COM TURBANTES E BURQAS PARA OS PORTUGUESES SE HABITUAREM A TER O NIVEL DE VIDA DOS MARROQUINOS.

Anónimo disse...

É apenas natural que o mitómano-caixeiro-viajante, depois do "tour" chavista onde impingiu casas pré-fabricadas e mais magalhães, venha agora nesta etapa seguinte apresentar o TGV como um banha-da-cobra numa feira. Depois segue-se a promoção de aquecedores a óleo em Angola, e de regresso poderá ir à convenção dos Carecas de Sul-e-Ilhas apresentar pentes sem dentes. É uma vocação.

Ass.: Besta Imunda