16.6.11

OLD HABITS DIE HARD

Saudades do teleponto?

8 comentários:

joshua disse...

O excelente Medeiros está a engendrar um tom inteiramente novo para com o novo e virginal Governo. Mas isto de comentários ácidos e eficazes no acidular da opinião não é para qualquer um.

Dazulpintado disse...

Ácido ele sempre foi.E razões não lhe faltam para continuar a ser. Há quem recomende ENO.

Anónimo disse...

Isto de dizer mal e ridicularizar os outros é um dominio exclusivo do Dr. JG: são todos uma merda, menos a Trindade (Cavaco, Medeiros e o inenarrável Carrilho)....

S.C. disse...

Têm mau perder estes senhores. Mas esperava-se melhor de Medeiros Ferreira. Eu, pelo menos, esperava que desse mais atenção à substância e menos, muito menos à forma...mas é capaz de ser isso, habituou-se ao desempenho do "artista" do teleponto e prefere circo a pão.

Anónimo disse...

«são todos uma merda, menos a Trindade (Cavaco, Medeiros e o inenarrável Carrilho)....»

Menos também o jorge de sena que passou meio tempo a dizer mal de portugal e dos portugueses.

João Gante disse...

Faço minhas as palavras do S.C. Esperava que Medeiros Ferreira fosse crítico com este Governo, mas evocar a máquina marketista do reinado Sócrates extravasa a razoabilidade.

Se houve atenuante para o meu voto forçado em Passos Coelho foi a maior incompetência do PSD no domínio do spin. Dá jeito quando se lida com alguém como Paulo Portas.

Anónimo disse...

Ontem tentei enviar por duas vezes um comentário ácido o suficiente para com os que já começaram a corroer o novo executivo, designadamente os dois principais líderes. Claro que apareceu por duas vezes o 'not found..., error". Quando se trata de dizer a verdade sobre o desastre que foi o desempenho do anterior p.m. e respectivo séquito que levou seis anos a adulá-lo, quando estávamos perante a maior nulidade política e a pior governação que este país já conheceu, a central de espionagem entra em acção e barra toda e qualquer crítica a ambos, sobretudo ao primeiro. Faz parte do esquema.
Vamos lá ver se este hoje chega ao destino...

O programa da Constança C. e Sá é de facto bastante recomendável, talvez um dos melhores de debate político das televisões. Mas, como em tudo, tem alguns defeitos. Os convidados por exemplo deveriam abster-se de serem tão sectários e abertamente facciosos. Ou então os convidados serem simplesmente substituídos. Agora que o novo governo está delineado, o 'tiunvirato' presente já começou a atacá-lo. Aliás os três - especialmente Rosas destilando um veneno indisfarçável em cada palavra proferida e sempre contra a direita e seus representantes, mas inacreditàvelmente os outros dois farsantes(?) - um supostamente PSD e o outro supostamente independente mas 'naturalmente' favorável ao PS... - idem aspas, aspas idem, já tinham começado a fazê-lo muito antes de se saber se o PSD ganharia as eleições... Ou será que eles efectivamente já o saberiam? Fica a pergunta.

Agora que a coligação PSD/CDS formou governo e já se conhecem os respectivos integrantes, a guerra está aberta e os ataques cobartes, o cinismo, as atoardas, a desvalorização de carácter dos seus membros, particularmente de P. Portas, já começaram em força.
É o hipócrita do Rosas com a história do "discurso inaceitável" de A. Barreto; é a 'espera intolerável'... de hora e meia (imagine-se!, coitadinhos deles) pelos jornalistas, para registar a assinatura do acordo entre os dois partidos, etc.; é a peixeira Gomes mais o 'escândalo' insuportável de Portas vir a assumir a pasta dos Negócios Estrangeiros, (pois, pudera!), etc. Parece que o trabalho sujo de difamar o novo executivo (ou melhor, todos os executivos desde que de direita e desde Abril de 76) cabe quase em exclusivo à extrema esquerda, como aliás é para isso mesmo que eles têm servido desde o primeiro dia da 'democracia'.

Se os caluniadores estivessem muito caladinhos é que faziam bem. Os defeitos de carácter, profissional e moral, de muitos dos que cessaram funções executivas, com especial destaque para o p.m., mas não só, não se comparam nem de perto nem de longe com os dos novos governantes. E as pedras começadas a atirar a estes sem o mínimo pudor nem vergonha, podem fazer ricochete e irem cair com mais força e verdade nos telhados de quem as lançou.
Maria

Anónimo disse...

Esqueci-me de dois pormenores (ou serão pormaiores?) que não incluí no comentário acima e que tinha escrito nos anteriores, perdidos.

Muito antes de se saber se o PSD teria maioria e se Passos Coelho iria ser primeiro ministro, já eu aqui lhe pedia para ter muito cuidado com os inimigos porque as facas iriam ser-lhe espetadas nas costas mal houvesse notícias de que o PSD iria ganhar as eleições. Não foi preciso muito e elas aí estão afiadas e a começarem a ser desferidas.
Volto a repetir o que disse, Passos Coelho que se ponha a pau com a escrita (desculpem o plebeísmo) porque esta maltesaria brava não dorme em serviço. Ela sempre existiu para denegrir e caluniar a direita até a derrubar os respectivos governos e quando não consegue socorre-se de outras armas bem piores. É disto que ela sobrevive em todas as 'democracias' do mundo.

O PS, quando está na oposição (raramente, infelizmente para Portugal), como bom destabilizador de todos os governos de direita, em parceria com o BE de que não prescinde e socorrendo-se de boatos e mentiras como é seu hábito, assim que viu que podia inventar um pretexto qualquer, por mais ridículo que pudesse ser e foi, para atrazar a nomeação pelo Presidente da República do novo executivo e com isto - seu único objectivo - desviar a todo o custo Passos Coelho de comparecer na reunião do conselho europeu a 23/6 - mas que diabo!, então o excelentíssimo, honestíssimo, cultíssimo e competentíssimo p.m. ainda em funções, não ia estar presente em tão importante reunião?, isto significaria uma desfeita política e pessoal sem precedentes! - inventou que os boletins de voto "de fora da Europa", no caso o Brasil, estariam mal escrutinados... facto 'gravíssimo' que poderia favorecer o PSD em detrimento do 'pobre e íntegro' PS... Lata não lhes falta. Tudo manobras de diversão que vão continuar noutros moldes, disso não tenhamos a menor dúvida.

Quanto ao Rosas, no programa em que colabora, não 'toca' nem ao de leve na honorabilidade de P. Portas... porque tem no seu partido o irmão deste, caso o não tivesse haveríamos de o ouvir a destilar ódio contra Portas, como de resto o faz com toda a direita... Deixa o trabalho sujo para a peixeira Gomes, que tem uma queda para a chinela que só visto.
Pelo contrário, no que a Passos Coelho diz respeito, bem como aos outros elementos que compõem o novo governo... vai ser uma festança em boataria da parte de Rosas e de toda a esquerda em geral. E nem escaparão Santana (este já começou muito subtilmente) que estranhamente ou talvez não, está quase sempre d'acordo com Rosas... nem o socialista/independente Medeiros, que parece estar a perder a (aparente) independência que o caracterizava. Senão, cá estaremos para ver.
Maria