25.8.11

CANCELAR A "ARTE DEGENERADA"

«É bom saber que, na "coutada do macho ibérico", há uma empresa que se mantém fiel aos viris valores ancestrais e tem a coragem de, como nos saudosos anos 40 na Alemanha e na URSS, "cancelar" a "arte degenerada". Porque não se dedicam os artistas a pintar pores-do-sol e retratos dos 'stakeholders' do Grupo Espírito Santo?»

Manuel António Pina (via Do Médio Oriente e Afins)

11 comentários:

zé sequeira disse...

Por enquanto acho que, em sua casa, o BES tem todo o direito de não querer expor o que acha que pode incomodar os seus clientes. É legítimo. Confesso não conseguir perceber o que é arte gay; o problema é certamente meu mas consigo conviver perfeitamente com ele. Provavelmente, na sede da ILGA, também não é possível expor arte homofóbica (se é que isso também pode existir).

Fado Alexandrino disse...

Este (o artista)teve muito mais que os famosos quinze minutos de fama.

Anónimo disse...

O pior é que a dita "viril" empresa estava acostumada a contratar rapazotes desse jaez "cultural"...

Anónimo disse...

Devo dizer que o cartaz da exposição é quase tão bonito como aquele andor que os 'indignados' da Porta do Sol carregaram - devidamente 'vestido' de veludo e ornado de cruz - aquando da visita de Sua Santidade a Madrid. Depois, sempre desprezei estas coisas apenas na aparência fracturantes, que mostram as cuecas ao mundo (mesmo que o mundo já não se interesse e nem sequer liberte um gás...). O paralelo com a "arte degenerada" é sem dúvida forçado e exaltado - Vale e o amigo poderão sempre reservar outro espaço em qualquer câmara municipal ou salão dos bombeiros, que os receberão com olhar terno. Senão veja-se: "arte feita com pornografia gay". Mais do que quererem chocar 'o mundo' (como é já possível chocar este reservatório de amoralidades várias?), os artistas pretendem é o enaltecimento do seu pessoalíssimo modo de vida e preferências, o que é um direito legítimo (mas fraquíssimo motivo). O argumento da 'Tranquilidade' foi certamente mau - se é que existiu; mais valia terem dito: "no nosso ver, isto não presta para nada". Mas não o disseram a outros eventos e a outros conteúdos de outros 'artistas' - igualmente beras.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

Também é bom saber e relembrar que o Dr. Cunhal afirmou soberbamente "não existirem homosexuais no PCP". Mas em 1990 ou 91...

Ass.: Besta Imunda

Cristiano Maria disse...

Muito folgo em saber que V. agora se louva no Pina e em outros comunas ou ex-comunas de trazer por casa.
Bom proveito!

MINA disse...

PARA O CRISTIANO MARIA:

Não conheço a orientação política de Manuel António Pina, mas querer aferir um texto sobre uma objectiva tomada de posição de uma empresa pelas eventuais ideias do signatário que a critica não me parece critério inteligente e adequado.

Blogue de Júlio de Magalhães disse...

Como se depreende do texto do escritor Manuel António Pina (aliás galardoado este ano com o Prémio Camões) e de todas as notícias que se referiram ao cancelamento do evento, a anulação da exposição deveu-se não ao facto de ter uma temática sexual (quantas exposições não se realizam por esse mundo sobre esta temática nas mais prestigiosas instituições), mas por essa sexualidade ser homo e não hetero.

E dizendo isto, está tudo dito.

o disse...

Quanto ao comentador das 4.51 : Exactamente.

Anónimo disse...

Seja como for, é um direito da 'Tranquilidade' fazer o crivo - e não dos artistas de impingir os seus cueiros onde quiserem. Cada local tem (devia ter...) a sua espicialização homo-plástica: no institucional e conservador CCB Gilbert & George brilharam com quadros gigantes ornados de enormes cagalhões cruzados e eflúvios corporais multicolores. Para Vale & Amigo o espaço mais adequado é talvez o Cinema Roma - a cargo do viril-Costa.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

"Não conheço a orientação política de Manuel António Pina, mas querer aferir um texto sobre uma objectiva tomada de posição de uma empresa pelas eventuais ideias do signatário que a critica não me parece critério inteligente e adequado."

Obviamente que depreende. Porque o Pina tem a lata de comparar os regimes comunas que tanto apoiou com a Tranquilidade.
A Tranquilidade tem direito de censurar o que quiser na sua casa. O autor deste blogue faz o mesmo aqui, eu faço o mesmo.
Mas o Estado Português ou outro Estado já não tem legitimidade de calar quem o autor deste blogue, eu ou a Tranquilidade não gostam.
A mistura dos poderes diferentes é habitual da táctica comuna.

lucklucky