17.5.06

O ORDENAMENTO


O governo propôe-se "ordenar" o território nacional até 2025. Será que, por essa altura, ainda haverá um Estado-Nação chamado Portugal?

12 comentários:

Carlos Sério disse...

Será que em 2025 ainda haverá algum território para "ordenar?"

Anónimo disse...

Mas o que é que auguram?
Francamente ainda não percebi.

Anónimo disse...

Creio que sim, visto não interessar a mais ninguém.

Mesmo os espanhóis só estão interessados nos nossos euros seja via ZARA, Telefónica, Abortos em Badajoz, ou, mais recente e não sei se com futuro, via nascimentos na dita cidade.

Neste último caso, as coisas ainda estão na fase de conversações, mas os investimentos já estão a ser feitos, via fecho da maternidade em ELVAS.

Contudo, a baixa de natalidade põe em risco o negócio.

M Isabel G disse...

E quem vai fazer isso? Os mesmos que causaram o "desordenamento"?

marta r disse...

Eu quero acreditar que sim. Sou optimista e quero envelhecer num país "arrumadinho". Vamos ver.

Carlos Sério disse...

Acertou em cheio misspearls, bravo.

http://sub--real.blogspot.com/ disse...

ora, a misse pearls acerta sempre. eu até chamaria à colação a arquitecta Roseta, se ela não estivesse tão divertida a divulgar os feitos dos arquitectos.

Anónimo disse...

« ORDENAMENTO?»

Só se, todo este “espaço” – PORTUGAL -, em 2025 for a

- 18º comunidade autónoma
- 53ª província
... de ESPANHA
Então acredito que SIM

Anónimo disse...

... pelos “tons”
... pelo MAR
obrigada

M Isabel G disse...

O artigo do JMAC no Harblog sobre a (i)responsabilidade dos arquitectos na paisagem urbana do país está muito bom (http://hardblog.blogspot.com/)

Pedro Bingre do Amaral disse...

O actual primeiro-ministro, e o seu imediato Pedro Silva Pereira, foram respectivamente Ministro e Secretário de Estado da pasta do Ordenamento do Território. Eles melhor do que ninguém no Governo conhecem os mecanismos pelos quais as licenças de urbanização trazem instantaneamente fortunas de meio milhão de contos por hectare ao feliz proprietário dos terrenos. Eles melhor do que ninguém sabem que esta forma de enriquecer à custa do desordenamento e da especulação configuraria um crime económico em qualquer outro país ocidental.

Nada fizeram por mudar este panorama. Agora apresentam um plano cheio de "wishfull thinking", que jamais aborda o problema da corrupção associada ao urbanismo.

Distraído com o futebol, o povo não presta atenção.

Anónimo disse...

... "Magnífico" comentário o, de Pedro Bingre