27.8.10

DMITRI







Este homem, Dmitri Hvorostovsky - que pude apreciar há três anos, na Ópera da Bastilha, no papel de Simon Boccanegra -, para além de ser uma belíssima figura, canta extraordinariamente bem. Da Rússia e do antigo leste estão a aparecer nomes na ópera que merecem ser seguidos com devida atenção enquanto o "ocidente" fenece, nesta matéria, entalado entre a América Latina e estes eslavos nada melancólicos como Hvorostovsky, Anna Netrebko ou Marina Poplavskaya.

8 comentários:

MINA disse...

Notável a interpretação de Dmitri no Rodrigo do "Don Carlo". Aliás, como escreve o autor do post, têm vindo da Rússia e do antigo leste belíssimas figuras, no canto lírico e, acrescentaria eu, não só, como de resto se pode comprovar mesmo em Portugal.

Fado Alexandrino disse...

Em atenção ao dono do blog coloquei o "jovem" Dmitri a intepretar (em mp3)canções do folclore russo.

Anónimo disse...

De facto, de facto.
http://www.youtube.com/watch?v=Dk-g6tsbAhI

Merkwürdigliebe

Anónimo disse...

E também se devia prestar atenção a algumas vozes portuguesas - algumas oriundas aqui de Braga - que merecem ouvido mais atento. Infelizmente, como era de esperar, andam a espalhar o seu talento pelo estrangeiro, porque aqui, em Portugal, aparentemente, não há palcos nem ouvidos para a grandeza.

Anónimo disse...

Não é só agora. A tradição já tem largos anos,até porque a música, felizmente,ultrapassa fàcilmente as fronteiras. Veja-se o velho Chaliapine,o Boris Christoff,o Ghiaurov,a Raina Kabaivanska,etc. Quanto aos "ocidentais",veja o que desponta em Salzburg,em Aix,em Espanha. Claro que já não há a "ditadura" italiana sintetizada na "nossa" Aida do pretérito S.Carlos,a Caniglia,a Stignani,o Gigli,o Bechi,o Tajo. Outros nomes e continentes vão aparecendo sem desmerecimento necessàriamente para o "Ocidente". Tant mieux.

Karocha disse...

Nunca há anónimo!!!

Garganta Funda... disse...

De facto a Rússia continua ser um verdadeira potência cultural, principalmente na Música, na Ópera, Ballet,etc.

Grandes compositores e grandes intérpretes.

Mesmo no tempo da ex-URSS estas Artes foram cultivadas, divulgadas e acarinhadas pelos melhores padrões mundiais.

Bolshoi, Kirov, o Coral do Exército Vermelho, os Conservatórios de Moscovo e de São Petersburgo, entre outras instituições, estão entre as mais brilhantes instituições do género a nível mundial.

Não esquecer que em pleno séc. XX,a Rússia forneceu, entre outros, grandes génios da música clássica e erudita: Igor Stravinsky; Dimitri Shostakovitch; Serguei Prokofiev e Aram Khachaturian (origem arménia).

Anónimo disse...

Parece que o senhor, para além de boa figura, também é do politicamente incorrecto no que toca aos gays e à Sida. É casadinho e pai de dois interessezinhos privados.