10.8.10

É TUDO GENTE MORTA*



4 comentários:

Fado Alexandrino disse...

Há tempos no Museu da Electricidade esteve uma exposição sobre Callas, vestidos, jóias, cartas, partituras enfim um pouco do mundo dela.
Tirei umas fotos que estão no

http://contadordeviagens.blogspot.com/

Também há coisas boas por cá.

Anónimo disse...

Quando se junta a fome com a vontade de comer,dá este resultado inevitável. Tudo o que era bom acabou,e hoje,neste horrivel mundo só há desgraças e vilanias. Por acaso nesta área específica,não é tanto assim,continua a cantar-se bem,os bons festivais estão cheios,e há meia dúzia de divas e divos para que o S.Carlos não tem dinheiro nem para pagar um sumo de alperce. Talvez ainda possa ler no "El Pais" on line(embora com o sacrifício de pesquisar um jornal socialista e portanto abominável) que há poucos dias no Teatro Real de Madrid o Plácido fez a sua estreia como barítono no "Simão" e foi aplaudido durante 32 minutos,o aplauso mais longo da história do teatro.Não deixem o pessimismo sistemático cegar-vos para o que se vai passando pelo mundo. O Fim está próximo,como proclamam os patuscos homens-cartaz de N.York,mas ainda se vai aproveitando qualquer coisa enquanto não vem o cataclismo.Com tanto azedume,até a água simples tem sabor amargo,como justamente(no caso dele...)se queixa o Simão no último acto.

Anónimo disse...

A Maria Callas foi única, nunca houve tão extraordinária soprano nem jamais haverá. Quando Toscanini ouviu pela primeira vez a voz grandiosa de Mario Lanza, adirmou: "uma voz tão grandiosa só aparece de cem em cem anos. O compositor Koussewistky (com quem ele trabalhou) disse dele: "era de uma voz como esta que eu estava à espera deste Caruso". De Maria Callas, teria dito algo parecido certamente. A própria Diva disse de Mario Lanza "que o meu maior desgosto foi nunca ter tido a oportunidade de cantar com ele".
Lanza foi convidado pelo director do Scala de Milão para abrir a temperada de Novembro/Dezembro de 59/60 onde iria cantar pela primeira vez naquele famoso teatro d'Ópera, o seu maior sonho desde sempre. Não foi a tempo infelizmente. Faleceu tràgicamente ano dia 7 de Outubro de 1959.
Parabéns por ter trazido aqui esta fantástica voz.
Maria

mag disse...

Por vezes é bem mais interessante e reconfortante falar nos/dos mortos.

http://www.youtube.com/watch?v=Wb1fi1JWuU8