13.8.10

A CANALHA


Conheço Domingos Duarte Lima há trinta anos. Nessa altura ele era o maestro do coro da Universidade Católica – que fundara – e eu um reles tenor. O Domingos (é assim que o trato) era um pouco mais velho que nós. Frequentava o primeiro curso de direito da Católica (o de 76). De origens humildes que nunca escondeu, o Domingos era um rapaz voluntarioso, dedicado, espertíssimo, verdadeiro músico, empenhado na “qualidade” do seu coro que ensaiava uns dias de semana pela hora de almoço e ao sábado de manhã numa Católica deserta. Fizemos “digressões artísticas” e participámos em diversos encontros de coros da região de Lisboa. Com fortes ligações à igreja, Domingos cedo se destacou no PSD e, um belo dia, em pleno ensiao, comunicou-nos que ia deixar aquilo para, finalmente, se dedicar em exclusivo à política. Talvez fosse em 1981 ou 82, não tenho presente. Sabíamos que o seu, por assim dizer, “padrinho” era Ângelo Correia, ministro de Balsemão. Mas Domingos era – e julgo que sempre assim foi – o melhor padrinho dele mesmo. Uns anos volvidos sobre isto e Domingos, já Duarte Lima, chegou a presidente do grupo parlamentar do PSD. E, como advogado, ganhou muito dinheiro tal como outras vestais o ganharam. Votei nele numas eleições para a distrital de Lisboa. A última vez que falámos, depois da doença, foi num concerto de órgão na Sé. Era o mesmo Domingos fraterno e generoso que reconheci nele e não tanto o político Duarte Lima que, nessa “qualidade”, nada de especial me dizia. Talvez a vida madrasta tivesse feito de parte do Domingos um homem mais deslumbradamente ambicioso do que a média. Também não me interessa porque nunca nos deixámos de conhecer. É – e isso, sim, basta-me – amigo do seu amigo. A canalha, por causa de um episódio em que Lima entra, imagino, por uma porta lateral, anda há dias a lançá-lo na lama e a sua honra ao canil. A canalha – que nunca faz a coisa por menos – “suspeita” e, famosamente, suspeita logo de tiros de “morte matada”. O Domingos vai passar por uma provação pública à conta da morbidez mercantil da canalha dos jornais e das televisões. E estará inevitavelmente só. Não sei como é que ainda não se lembraram de enviar uma estagiária vesga à sua aldeia vasculhar as couves. Não valho nada. Mas se ele precisar de um simples amigo, tem aqui um.

Adenda (noite): Devo deduzir, portanto, da maioria dos comentários feitos a este post, que os ilustres - quase todos anónimos ou jacintos capela rego - já visualizaram a pessoa em causa aos tiros, num lugar ermo nos arredores do Rio de Janeiro, não é verdade? Tenham juízo.

35 comentários:

Anónimo disse...

Fica-lhe bem.

Anónimo disse...

Afinal não detesta tudo e todos. Gosta do Domingos. E tem de o anunciar no blogue, não bastava um simples telefonema. Espero que o Domingos o leia, não vá perder-se esta sentida oferta de amizade verdadeira. Julga que está no palco, entre rosnados, deu-lhe para isto.

jg disse...

Ilustre João Gonçalves, sou devoto leitor do blog portugal dos pequenitos desde o dia em que, acidentalmente, me apareceu no monitor.
Invejo-lhe a prosa, a ironia fina e a acutilância analítica.
Com toda a franqueza, acho que apenas Vasco Pulido Valente estará à sua altura no esgrimir da pena.
No entanto, suspeito que o significado da palavra "voluntarioso" o traíu.
" Voluntarioso" significa exactamente o contrário do que geralmente pensamos significar.

Anónimo disse...

Meu caro João, por quem tenho imensa consideração, aconselho-o a não pôr as mãs no fogo pelo advogado Duarte Lima. E o tempo vai-me dar razão.
Oxalá estivesse profundamente enganado.

João Gonçalves disse...

Não, jg, no sentido de determinado, voluntarioso. Quanto ao anterior parvalhão, é canalha tolinha. Também há.

Anónimo disse...

Tal como a Sócrates e demais PS's envolvidos com a Justiça, também neste caso se aplica a presunção de inocência. A diferença é que este envolve o "sistema" do outro lado do Atlântico, do "amigo" Lula ...

Lamas disse...

João Gonçalves,
Depois do último episódio da novela Freeport, estava à espera de quê?

João Vieira disse...

Pode ser que seja assim, como o JG diz...
Contudo, há situações na vida desse Sr. , na sua qualidade de advogado, que deixam sérias dúvidas acerca da sua honradez...

Fernanda Valente disse...

Domingos Duarte Lima é um homem integro digno do maior respeito e consideração.
Recordo vê-lo naquela fase da vida que lhe foi muito difícil por motivos de doença a adquirir uma bela "corbeille" na minha loja por altura do Natal, destinada a ser oferecida a alguém. É claro que fui eu que executei o pedido como fazia com todos os clientes que mereciam a minha maior atenção.
Por último e como a sua conta não pudesse estar fechada, Duarte Lima colocou nas mãos da encarregada da loja um cheque em branco, assinado, com o intuito de proceder ao pronto pagamento da sua encomenda, facto que muito me "assustou" quando observei o cheque meio perdido, misturado com uma série de "papéis" cuja finalidade seria outra que não um meio de pagamento.

floribundus disse...

conheci-o ao acompanhar um familiar que pretendia vender um prédio ou andar.
totalmente diferente de muitos vagabundos do ps que bem conhecemos.

uma história da cão.
1965 terminara o serviço militar. fora promovido a aspirante a oficial miliciano gaduado em tenente. fui almoçar à messe de Sta Clara.encontrei um coronel conhecido que me pediu para o deixar no Califa.
ao chegarmos junto do meu vw ghia
o coronel limpou as patas enlameadas do cão com um guardanapo de papel. passa um operário de lancheira na mão.olhou-me com ódio e quase gritou
«estes ricos têm mordomo para passear o cão».

a inveja e o ódio estão sempre presentes na vida dos portugueses

Alex disse...

Essa modéstia não lhe fica bem, João. Não soa a verdadeira. Mas que acredito que quando quer pode ser um verdadeiro amigo, isso acredito. Que tem poder para ajudar o seu amigo, tem. Que o João tem ao dispor meios através da escrita para deitar na lama sem dó nem piedade todos aqueles que denegridem a conduta do seu amigo, tem. Nem pense duas vezes.

joshua disse...

Pois bem, João, usa os teus poderes para "superajudares" o Domingos amputando de razões e especulações quem o quer tramar, abocanhando-lhe a canela todos os dias nos jornais.

José Viegas disse...

Não deve estar a falar do mesmo Duarte Lima que eu pensava.
Do Duarte Lima que eu conheço, pode dizer-se:

”Por exemplo: só na decoração da sua casa em Lisboa foram gastos cerca de 150 mil contos quando entre 1986 e 1994 o total declarado para impostos foi de 180 mil contos. Que das diversas contas associadas a Duarte Lima saíram 233.883 contos para uma quinta na região de Sintra que supostamente pertence a uma empresa sediada nas ilhas Virgem, a Cosmatic, que por sua vez terá enviado para Portugal 120 mil contos. Que foram detectadas nove situações de crimes fiscais, que só não deram origem a processos porque os valores em dívida foram prontamente regularizados. Que o MP julgou encontrar indícios de “manobras de simulação de capitais”. Que o enorme prestígio da firma de advogados de Duarte Lima (quem sou eu para julgar?) lhe permitiu ter apenas dois clientes confirmados, a Associação Nacional de Farmácias e a Mota & Companhia”. Que o processo foi mandado arquivar, porque “não se obtiveram provas suficientes.”

www.angeloochoa.net disse...

A turbamulta é cega. (Já Nietzsche ou Kierkgaard o disseram.)
Foi a canalha ou a multidão ou a turbamulta que crucificou o Cristo.
«Esse não, solta-nos Barrabás!», gritaram para Pilatos.
Pese embora aos marxismos e aos Pablo Neruda e aos Gassett incensadores vãos de multidões.
Muita gente junta não se salva, diz povo, e diz bem.

Zé Rui disse...

Não faça como o outro que disse: "se ele é pedófilo, eu também sou!!!".

Talvez a justiça brasileira seja mais eficiente e conclusiva que a nossa e limpe o nome do seu amigo.

Anónimo disse...

Admirador confesso deste blog, como várias vezes, embora anonimamente, tentei demonstrar e apesar de reconhecer o valor da defesa de um amigo parece-me no mínimo discutível a caracterização de Duarte Lima, personagem que, pesem algumas qualidades políticas e eventualmente pessoais, tem imensos "rabos de palha" e não estando propriamente ao nível dos execrandos PS não será de todo digno de tal confiança.

Daniel Gonçalves disse...

Como alguém afirmou recentemente "a opinião pública, em Portugal, ainda vive no tempo da Inquisição", basta existirem meros rumores sobre uma personalidade ter cometido uma "infracção" ou ser parte interveniente nela, para ser logo queimado na praça pública, ver o seu nome e carácter vilipendiado, a nossa mentalidade não evoluiu, "Portugal é um país perigoso".

Garganta Funda... disse...

É tudo gente séria , que não rouba nada do que é deles...

Anónimo disse...

"Morbidez mercantil da canalha dos jornais e das televisões"?!!! Então e o J. António Cerejo, a M. Moura Guedes, o Mário Crespo, e todos os outros? Por amor de Deus, Dr. J. Gonçalves!

antónio chulado disse...

Porque é que os pobres e os 'não notáveis' são sempre culpados?

Porque é que os actos 'menos' lícitos são sempre arquivados quando praticados por ricos ou notáveis?

A Natureza tem 'coisas' ...!

Anónimo disse...

Seja como for, é preciso aproveitar: "Duarte Lima, ex-deputado do PSD, principal suspeito..." como são iniciadas todas as notícias do caso, para distrair a opinião pública do Freeport e outras baralhadas incómodas. Entrou na boca da cãzoada, está lixado.

José Viegas disse...

Comentário à adenda:
Li os comentários (ao contrário de Cândida de Almeida, que não lê os dossiês sobre que despacha) e NEM UM me sugere sequer "a pessoa em causa aos tiros, num lugar ermo nos arredores do Rio de Janeiro". E não percebo as suas recomendações de juízo.

Anónimo disse...

Sobre este "tema" direi (quase) apenas que em todas as televisões o atributo mais terrível que DL parecia ter (pelo menos nos 3 primeiros dias) era o de "ex-dirigente social democrata", coisa repetida até à exaustão e por vezes connvenientemente mastigado o "ex", para melhor efeito. E muitas fotografias de conjunto e de "família política"; principalmente porque DL deixou a política há muitos anos e a populaça não estava bem lembrada dele...
Nunca gostei de Duarte Lima - isto apenas como mero eleitor e "acompanhador" de notícias do tempo de Cavaquismo (entusiasticamente divulgadas pelos "Independentes" da altura). Mas não faço a mínima ideia das suas responsabilidades neste caso. Nem as polícias fazem (ainda), quanto mais nós.
Citarei para finalizar duas sábias frases de um meu amigo brasileiro (já velho e apreciador de alcool), que lembram Tácito:
1-De homem pobre ou mulher feia, ninguém ouve falar.
2-O dinheiro, onde chega e não resolve - é porque é pouco.

Ass.: Besta Imunda

Zé Rui disse...

"Sou humano, e nada do que é humano me é estranho"
Terêncio

Anónimo disse...

"Sócrates, Vara, Rodrigues, Patrão, Pereira e Godinho são muito humanos"
Besta Imunda

Ass.: Besta Imunda

Fado Alexandrino disse...

Não vou fazer nenhum juízo sobre a pessoa em questão. Nada sei e portanto é melhor estar calado.
Só gostava de apontar que a televisão conseguiu mostrar Duarte Lima sempre ao lado de Pedro Passos Coelho.
Isto é que devia dar para pensar.

joshua disse...

O Fado disse tudo.

Anónimo disse...

Também conheci o DDL na Católica, embora não tenha cantado no coro... Só que esse DDL já lá vai há muito... depois de ter vendido a alma ao diabo em mil negócios, trapaças e vigarices. Ou não tivesse ele como mestre quem teve, que o apadrinhou desde esse início dos anos 80 e que ainda o chama de "Dominguinhos". Só que a voracidade do DDL não tem limites e leva-o a cometer erros grosseiros e a correr riscos muito elevados. Sinceramente, acho que ele não mandou matar a dita Rosalina, mas que está envolvido até à careca no desfalque da herança Féteira, disso tenho a certeza. Alguma coisa aqui lhe correu mal, algo lhe fugiu ao controlo. Provavelmente nunca se saberá. Mas ele sabe e a consciência do católico que já foi deve, ao menos desta vez, fazê-lo pensar. Pelos vistos, nem a leucemia foi suficiente para o acordar e fazer arrepiar caminho. João, convença o DDL a passar um dia destes pelo P. JS para conversar - talvez lhe faça bem!

Anónimo disse...

É um bocado a latere, mas há muito que, ignoro porquê, não se ouvia dizer que alguém era "amante".

Nem as meninas do sr. da Costa alguma vez assim foram chamadas pelos media.

Anónimo disse...

Esse pormenor de Duarte Lima ser repetidamente apresentado a falar com Passos Coelho é muito interessante. É o mesmo que uns ditadores de África serem objecto de notícias sobre corrupção ou violação dos direitos humanos e serem mostradas imagens deles em conversas e encontros com o PM.

Anónimo disse...

Por outro lado o PM, animado pelas vantagens da "real-politike", tem às escâncaras negócios frutuosos com Chavez, um conhecido defensor do Estado de Direito. Nem sequer precisa de ser "apanhado desprevenido" por um qualquer canibal centro-africano.
Como dizia uma velha criada de minha avó: "olha filho, quem não rouba e não herda, tudo o que arranja é sempre merda"

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

Anónimo das 9:56 AM:

Já tinha notado essa da "amante" que cheira a arcaico, principalmente depois da democratização socretina vale-tudo das relações inter-pares. Bem observado.

Nuno Castelo-Branco disse...

Sinceramente, João, penso que tudo isto se insere na troca de "olhos por olhos, dentes por dentes". Entre os rotativos, claro.
Não se dão conta do que estão a fazer e a tudo recorrem, mesmo antes da mínima prova. Vai sair-lhes caro, mas talvez nos vejamos livres disto tudo. O regime transformou-se numa maquineta de triturar carne e chegaremos ao ponto do magarefe lá colocar a própria mão!

NunoFS disse...

Caro João:
Não conheço o Domingos mas conheço todos aqueles que neste país cada domingo invejam a camisa lavada do vizinho, o carro novo do "amigo", o estilo de vida daqueles que chegaram onde pretendiam mas que têm a distinta lata de com o seu esforço terem descambado da mediania e fazerem ressaltar a pobreza, desde logo de espírito, em que os domingueiros se encontram.
Os julgamentos em praça pública, sem contraditório são uma das maleitas do nosso país.
Deixemos a justiça respirar, recatadamente, para poder funcionar, enquanto isso leiam um bom livro, ouçam música e saiam de casa.
Abraço Amigo,
NunoFs

Anónimo disse...

Ó João G,

O Domingos é professor, de certeza.

Os professores enriquecem com a crise.
www.porquemedizem.blogspot.com/2010/08/professores-enriquecem-com-crise.html


Este despaís não tem ponta-por-onde-se-lhe-pegue: ordinário, mesquinho, invejoso, corrupto, manhoso,...
Valha-nos sentirmos que não estamos sós. Apreciei (muito) este seu post.

A.