8.10.11

O FIM DAS SCUTS

Santana Lopes, quando esteve primeiro-ministro, foi famosamente sovado pela opinião dita pública (e por alguma da que se publica) por querer acabar com as scuts, uma aberração inventada pelo visionário Cravinho no tempo em que as vacas do Continente e dos Açores eram gordas (as da Madeira estão à beira de uma cura de emagrecimento forçado). Ou seja, era urgente acabar com o conceito e as respectivas consequências - "sem custos para o utilizador" - e não com as estradas. Anos volvidos, o actual Governo termina com essas inqualificáveis borlas para a semana e o ministro da tutela, Álvaro Santos Pereira, anunciou-o perante uma, também, inqualificável comissão parlamentar onde pontificam alguns dos mais ilustre tenores e aves canoras do regime "deposto" a 5 de Junho que (parece) ainda não se deram conta de tal defuntice política. Este folclore aberrante e de circunstância pouco importa. O que importa é a decisão política firme apesar da tentativa de crucificação mediática do ministro à custa de dois ou três esbirros irrelevantes. E essa decisão, podem ter a certeza, está tomada e é irreversível.

9 comentários:

rafael rodrigues disse...

Fala o assessor do governo.

João Gonçalves disse...

Também, e o cidadão. É crime ou sofrem os ditos de alguma capitis diminutio?

joshua disse...

Muito bem.

Fado Alexandrino disse...

Ora cá está um dos meus assuntos favoritos. Está ali um nome (Cravinho) e uma obra que endividou gerações. Porque é que não se consegue criminalizar a pessoa ou pelo menos removê-lo da sinecura onde está?

Isabel disse...

Bom, parece que os tais "esbirros irrelevantes" também andam por aqui, tadinhos . Habituem-se! (olhem que o conceito foi inventado por um dos vossos maiores).A vida é cruel para quem, depois de tantos e tão esforçados malabarismos, deixa de ter como coutada um país: o nosso.

alberico.lopes disse...

Caro João Gonçalves:Não ligue a provocações!Deixe-os ficar felizes a recordar um passado que já não volta!

Rui Ratão disse...

A médio prazo, vamos ver as consequências desta decisão.

Daqui a um ou dois anos, já poderemos constatar o que o país vai perder para agora ganhar umas dezenas de euros, passe a hipérbole ao contrário.

Por outro lado, é preciso ser honesto e dizer que o imposto sobre os combustíveis foi agravado há uns anos para suportar os custos, nomeadamente, com as A23 e A25. Assim sendo, espero que Passos Coelho retire, a partir daqui, esse agravamento dos impostos.

Anónimo disse...

Se aparece um comentador que não concorda com a opinião do articulista é insultado de esbirro, etc.

Pergunto a essas iluminárias para que servem os impostos de Circulação.

Joaquim Costa

Carlos Medina Ribeiro disse...

Dado que Mário Lino teve a brilhante ideia de fazer portagens onde não se pode pagar sem ter um dispositivo electrónico, um dos problemas, a que ninguém parece conseguir dar resposta é muito simples:

Como é que vão pagar os carros com matrícula estrangeira (emigrantes ou turistas, p. ex.)?

No domingo passado, fiz a viagem de Sevilha para Lagos e coloquei-me na pele de alguém que, não tendo o tal dispositivo electrónico (Via Verde ou DEM) quisesses passar de Ayamonte para cá.

Compraria o aparelho nos CTT... ao domingo à tarde?

Sairia da A22 e iria procurar um quiosque?

O mais certo seria passar sem pagar, pois a respectiva multa nunca lhe seria enviada. Pois se até a Polícia Municipal de Lisboa se queixa de não ter acesso às moradas dos condutores portugueses para lhes enviar as multas para casa!