31.7.06

A DEVASSA

Parece que a DCGI publicou na net a lista dos relapsos em IRS e IRC, com dívidas superiores a determinados montantes. Seguir-se-á a Segurança Social com os "seus" devedores e, em ambos os casos, presume-se que o valor da dívida, para efeitos de pública exposição, irá descendo. Eu entendo que quem não cumpre as suas obrigações tributárias, ou torpedeia as coisas de maneira a não cumprir, é um vígaro. Sobretudo quando se analisa a "qualidade" do devedor, individual ou empresa. Por isso o "sistema" continua a ser suportado fundamentalmente pelos chamados "trabalhadores por conta de outrem" e pelo IVA. Dito isto, parece-me uma falácia este alegado exercício de "combate à fuga e à evasão fiscal". Não será pela via da devassa - um método medieval apenas "actualizado" pelo processamento electrónico de dados - e da pretensa humilhação pública dos devedores - que só serve para excitar o "voyeurismo" alarve que nos é peculiar- que se lá vai. Depois disto, exige-se que, a seu tempo, o Estado dê notícia de quanto é que conseguiu "arrecadar", dos cento e trinta milhões de euros em dívida, à conta desta frivolidade. É o mínimo.

9 comentários:

""#$ disse...

20 milhões de euros- jornal da noite da TVI - 31 de julhod e 2006

130 milhões menos 20 milhões
FALTAM só 110 milhões.
Pouca coisa.
Mas à humilhação medieval qual é o preço a definir?

Anónimo disse...

mas que grande atrasado mental que você me tem saído!

Anónimo disse...

Ò Sr. JG:
diga lá a verdade: era preferível o Governo não fazer nada, deixar correr a tinta (afinal estamos em tempo de férias e tudo, não é?) e o Sr. já não destilava ódio contra ele, não era?
Ponho-me a pensar e não me lembra que os Governos do partido que o Sr. tanto gosta, tenham feito algo para tentar que os devedores comecem, finalmente, a ter de pagar...

Anónimo disse...

Meu Caro João Gonçalves, hoje pela primeira vez na vida não me incomoda nada ser considerada, por si ou por quem quer que seja, uma alarve voyeuristas medieval. É que sabe, o pessoal que pode e não paga, que camufla surripia e goza impunemente com todos que como eu pagam e não chiam,merecem ser tratados abaixo de cães, sim cães de que o meu amigo tanto gosta. Quero lá saber da devassa.. eles querem lá saber se eu trabalho e pago para eles andarem a gozar com a minha cara... chame-me o que quizer, não me atinge.

luikki disse...

o "problema" estaria resolvido se a canalha que faz este foguetório fosse séria....
bastava acabar com o "sigilo fiscal"!

Anónimo disse...

Errado. O mínimo que se espera e exige é que o Estado se inspire na moralidade que prega em bolso alheio e passe ele próprio a praticar o mesmo rigor. Coma as contas que ele têm em atraso. Isto de se achar piada a um Estado mal pagador tem os dias contados

Anónimo disse...

"Via da devassa"
Devassada sinto-me eu quando olho no final do mês a rubrica total de descontos na minha folha de vencimentos... e penso em tantos que nada pagam.
"Método medieval"
A fuga aos impostos é ou não uma forma de estar medieva? Os métodos equiparam-se.
"Voyeurismo alarve que nos é peculiar"
Discordo. Se o voyeurismo alarve nos fosse peculiar os Big Brothers não teriam tido sucesso noutras sociedades... e não foram os portugueses que inventaram o modelo.

O acerto da decisão medir-se-á daqui a uns meses. Esperemos então. Avaliemos no final "a frivolidade" da medida. E se esta não resultar que o governo seja criativo e invente outras...é o meu desejo.

Anónimo disse...

Ò Sr. JG:
Para seu desespero, informo que vai igualmente ser publicado na NET as dívidas que o Estado tem para com os particulares.
Tem de arranjar outro assunto para dizer mal acerca deste Governo.
Ou então, a exemplo do que o Sr. já fez, publicar outro artigo no seu blog, dizendo que não era bem isso o que queria dizer...
O Sr. não deve ser trabalhador por conta de outrém, de certeza, ou então ganha tanto que nem sequer se dá ao trabalho de ver a coluna da direita (sabe qual é? é a dos descontos, daqueles que as pessoas honestas pagam...)

Anónimo disse...

Se o Estado, ao recolher mais impostos, baixasse os impostos dos que pagam - então estaríamos perante uma situação de justiça fiscal.
Mas, senhores distraídos, o que o Estado faz é algo completamente diferente: procura encontrar todos os meios para recolher mais impostos. A devassa é, infelizmente, apenas mais um deles.
Quanto mais impostos o Estado recolher, maior desperdício teremos. O Estado é o pior gestor dos nossos dinheiros.
Recolher mais impostos não significa melhor os serviços colocados pelo Estado ao dispôr dos cidadãos contribuintes. Significa mais mordomias para alguns.