20.7.06

COMO ELA

A ministra da Educação é uma pessoa competente e independente. Duas pechas lamentáveis para o regime e para o pior PS. António Vitorino, um político intermitente e oportunista, de vez em quando lembra-se que usa cartão partidário. E não se furtou a exibi-lo contra Maria de Lurdes Rodrigues. A ministra não devia ter consentido na repetição de exames? Não devia, naturalmente. Não é por muito repetir os exames que a rapaziada lá vai. Fosse "isto" sério e a sério, a maior parte dos que vão concluir o 12º ano, por pudor e por decência cívica, nem devia pôr os pés numa universidade. É verdade que muitas das universidades são puros estabelecimentos comerciais ou, no caso das públicas, antros de má tradição e de péssimos hábitos. De nada disto Maria de Lurdes Rodrigues tem culpa. Pelo contrário, está já a pagar o preço da sua independência e de alguma ingenuidade. Dar "poder" aos pais contra os professores, meter estes todos no mesmo saco e ser benevolente para com a malandragem a que também chamam "alunos", só contribui para afundar ainda mais o "sistema". Lurdes Rodrigues, como diria Borges, precisa de encontrar o seu "centro" e ser politicamente apoiada. Ninguém é perfeito. Todavia tomara Sócrates ter mais ministros como ela.

8 comentários:

João Melo disse...

Ingenuidade?acho q de ingénuia não tem nada...for once i desagree with u, JG. :(

luikki disse...

de certeza gostaria de ter mais ministros como a a criaturinha...
pelo menos que tivessem a mesma habilidade discursiva... capaz de desmentir o indesmentível!

augusta disse...

Gostei...
Vamos ver quanto tempo ele ainda se aguentará... com tantas barbaridades que diz e faz...

Anónimo disse...

também acho de ingenuidade não tem nada..acho-a mais do tipo maquiavélico e sra feita à pressa..só que os estrategas são uma nodoa especialmente o professor primário com o antigo 5º ano (segundo consta)um tal valter lemos

Anónimo disse...

Desde o tempo que em Portugal só existiam 3 universidades, Coimbra, Lisboa e Porto, sempre me habituei a ver que, pelo menos em Coimbra, se cultivava a má tradição e os péssimos hábitos, portanto não é de agora esse problema!
Discutiam nos cafés os problemas da política e da sociedade e acabavam também à pancada. Agora andam só à pancada. Embebedavam-se e escreviam poemas de amor e filosofavam até cairem para o lado. Agora só se embebedam!
A diferença é que dantes um estudante entrava a saber ler e escrever e saía licenciado a ler e escrever ainda melhor. Agora entram e saiem sem saber ler e/ou escrever, e a culpa não é só dos alunos, começa logo na primária, e os responsáveis gritam que isto está mal, esquecendo-se da sua própria responsabilidade!
Conheço licenciados (muitos) em que é impossível manter uma conversa mais de cinco minutos. A não ser que se fale de futebol ou da telenovela! O meu receio é que estes licenciados venham a ocupar ou ocupem já lugares de responsabilidade! Pelos vistos já acontece...
Ninguém no seu perfeito juízo aceitaria o cargo de ministro da educação, daí a minha profunda simpatia por esta senhora.

Anónimo disse...

se formos por aí já vi muitos doutorados de galinheiro... a ministra tem responsabilidade é sobre os curriculos que se ensinam. As escolas não têm programas próprios, por isso impute as culpas aos sucessivos ministros da educaçao pós 25 de Abril que têm criado o facilitismo assustador em que hoje vivemos...há uma responsabilidade política

Anónimo disse...

Anónimo das 12:22AM

«estes licenciados “JÁ OCUPAM” e “BEM SEGUROS” lugares de responsabilidade» !!!

”Ninguém no seu perfeito juízo aceitaria o cargo de ministro da educação”
Pois, pois ... são os que + pululam por aí ... Qualquer “pastinha” serve, “curriculum é preciso” e, sei do que falo

Anónimo disse...

o senhor Vitoriano está para mim como o Limiano...ai ai ai Constança(trejeito á conde de sintra)