25.3.11

O CANDIDATO E OS IDIOTAS ÚTEIS


Entre hoje e amanhã, o PS "elege" o seu secretário-geral. Existe, como se imagina, uma enorme expectativa sobre quem será o escolhido. Há, porém, militantes ilustres do PSD que, se pudessem, e a avaliar pelo que têm andado a dizer, votavam neste simpático candidato, um conhecido "modelo" mundial de cultura e densidade democráticas.

Adenda (Eduardo Cintra Torres, no Público):

«Agora que parece aproximar-se o fim de seis anos de Carnaval da Mentira, espera-se mais contenção no discurso político. Mas para isso terá de tomar-se em conta o papel fulcral dos órgãos de informação. Se diversos comentadores e se as redacções se esforçam hoje por noticiar com verdade a situação económica, é preciso recordar que não foi sempre assim. Muitos, mas mesmos muitos, dos que agora criticam o governo são exactamente os mesmos que andaram com ele ao colo durante os cinco primeiros anos da governação socretista. Incensaram Sócrates como o melhor primeiro-ministro do mundo, elevaram aos píncaros as suas políticas. Criticaram ou até enxovalharam (como fizeram a Manuela Ferreira Leite) quem chamava a atenção para a mentira. Promoveram (como o Diário de Notícias no caso dos emails) actos de pura desinformação e campanha negra. Durante anos, alguns que agora parecem pitonisas em previsões de tragédia, recusaram-se a criticar, calaram-se, outros tiveram medo do governo, da sua violência verbal e das suas pressões. A central de propaganda e Sócrates fizeram o que quiseram deles. Alguns comentadores da área económico-financeira só começaram a criticar as políticas do governo depois de os grupos financeiros se terem virado contra ele, nunca antes. São poucos os comentadores, como Barreto, que sempre falaram não só de acordo com a sua consciência — a sua verdade interior — mas também de acordo com os factos conhecidos. Alguns espaços de maior liberdade, de notícias e comentários verdadeiros, desapareceram por acção de blitzkrieg do governo, como o Jornal Nacional de 6ª ou os comentários avulsos de Paulo Pinto de Albuquerque na RTP. Outros desapareceram como por encanto, caso de Plano Inclinado, na SICN, ou um bom frente-a-frente que houve em tempos na RTPN, com Manuel Villaverde Cabral e Joaquim Aguiar. Mas o lixo comentatório, como O Eixo do Mal, ou Pedro Marques Lopes, ou Luís Delgado, ou os politólogos que sintonizam a sua ciência política com a onda política, isso permanece sempre. Por isso, o apelo aos responsáveis políticos para que nos digam a verdade sobre a situação económico-financeira de Portugal deve estender-se aos meios de informação, às televisões, para que não tenham medo de dizer a verdade e moderem a verborreia dos tudólogos que não esclarecem nada, antes confundem ainda mais, acrescentando um zumbido de vespeiro ao furacão da propaganda. Os jornalistas e os comentadores devem procurar a verdade e não escondê-la, como fizeram tantos durante meia dúzia de anos, traindo o contrato ético com os seus leitores, ouvintes ou espectadores.»

11 comentários:

Anónimo disse...

O peiésse é uma estrutura empolgante... Ainda não estou descansado com o ranhoso a concorrer e a falar para uma corja de ignorantes que ainda o põem lá outra vez!... Daí ter sugerido que o incinerassem. Este verme é um portador de uma virose de cabeça oca muitíssimo perigosa.

PC

vasco disse...

Fartei-me de rir ao verificar que há 4 candidatos a líder no congresso do PS. Um deles, com aquele ar dos técnicos superiores que já não podem fumar no seu gabinete, até apareceu na televisão a falar da coligação negativa. Parece aqueles arranjinhos que se fazem nas juntas da Beira Alta para aprovar uma merdice qualquer e criar a ideia de que até foi discutido e que o pessoal até é pro-activo.

Anónimo disse...

Os jornalistas não são melhores pessoas só por serem jonalistas. Alguns são competentes, a maioria nem por isso. Alguns são independentes, a maioria está alinhada em clubismos partidários. Alguns são sérios (ou burros?), a maioria vende-se ou está à venda. Tal qual como os políticos, os juízes, os advogados, os gestores, os médicos, os mecânicos de automóveis, os funcionários públicos, os canalizadores, etc.
Quanto melhor conheço os homens, mais gosto do meu cão.

vasco disse...

errata ao meu comentário anterior: onde se lê "uma merdice qualquer" deve ler-se "um progressista muro de cimento". Não quero ofender ninguém.

floribundus disse...

são descendentes da corrente que a partir de 1800 denegriu quem não fosse de esquerda
Gomes Freire de Andrade
Homens do Sinédrio (1820)
Costa Cabral

elogiou-se o lixo humano
saldanha
rodrigo
fontes

hino da Ma da fonte
«tem uma espada à cintura
para matar os Cabrais»

joshua disse...

Ao ler ECT, recordo a nossa saga de seis anos contra o Socratismo, penso em ti, no António Barreto, em mim, no António Balbino Caldeira, na Manuela Moura Guedes e muitos mais. Nunca fomos volúveis. Sofremos, mas vencemos e precisamos da vitória completa.

Fica uma afectividade a unir-nos e um sentido de Portugal Livre e Limpo da Mentira. Falta completar essa tarefa.

Anónimo disse...

Este Cintra é um despeitado.
A profissão dele é escrever contra o Sócrates.
Se isso lhe faz bem à saúde...

hajapachorra disse...

Este senhor merece uma estátua. O lixo tóxico marques lopes, delgado e outros tudólogos e jornalístas merece acompanhar no exílio o oligofrénico querido lider.

Anónimo disse...

O Expresso já veio dizer que Cavaco bloqueia uma auditoria ás contas publicas. Espero sentado pelo desmentido.
Pois já sei o que a casa gasta.

lucklucky

Floriano disse...

No detestável Eixo do Mal já ouvimos tudo e o seu contrário, dos iluminados Daniel Oliveira e Clara F.Alves. Sem ruborizar.

Isabel disse...

Gostei da entrevista televisiva a Passos Coelho.A ideia de vir a ter em breve um Primeiro-Ministro civilizado e afável agradou-me verdadeiramente (já com tão pouco me contentaria). Pareceu-me também uma pessoa culta, informada, calma e honesta. Se é competente? Sei lá! Penso que sim, embora precise de melhorar a entourage e, talvez, de arranjar por aí uma agência de comunicação semelhante à que conseguiu vender Sócrates a Portugal como sendo "coisa boa". É que, como é sabido, "quem o inimigo poupa, às mãos lhe morre" e quem trucidou eleitoralmente Manuela Ferreira Leite já demonstrou tê-lo agora na mira.Qualquer sua frase menos feliz se arrisca, agora, a ser repetida e deturpada até à náusea.Já cansa, esta orquestração desvergonhada!