5.10.10

OS BONS, OS MAUS MALANDROS E OS PARASITAS DA ACTUALIDADE

Um tipo sem ombros e com cabelo "à fosga-se", na tvi24, vocifera contra os funcionários públicos e o "privilégio" da ADSE e os restantes "privados" presentes acenam com a cabeça. Saberão o coiso e os outros que os malandros dos funcionários públicos - no activo e aposentados - descontam todos os meses (e, com o OE de 2011, passarão a descontar mais) para a dita ADSE uma percentagem dos seus vencimentos ou pensões? E que, quando recorrem ao SNS, pagam exactamente (não "tendencialmente") o mesmo que "qualquer não malandro que não é ou foi funcionário público" paga? Boa noite e boa sorte.

24 comentários:

Anónimo disse...

pra verdade,o que afirma.
nós funcionários já estamos habitados aser os bons malandros ,cheios de regalias e não trabalham...,mas se o funcinário fôr um vulgar professor ,aí as críticas ainda aumentão

H:S

Anónimo disse...

joão,
O que eu sei é que a minha mulher (professora) se pretender ir a um hospital privado (p.ex. na zona do Porto ao hosp. da Arrábida) vai e paga uma importância ridícula. Eu, pobre beneficiário e pagante do SNS, pago pela tabela normal.
Concordo em absoluto com o jornalista do qual, aliás, não tenho a melhor das impressões.
Boa noite e sorte a sua.

João Gonçalves disse...

Porque adse tem um acordo com essa entidade. Como um seguro de saúde. Descanse que tudo se paga e nada é dado rigorosamente a ninguém.

j. disse...

Mas ainda assim julgo que a ADSE não se paga a si própria com o que os beneficiários descontam, e tem de ir buscar o resto do financiamento ao OE - o que já não me parece bem. Para além disso não é um subsistema que possa substituir os benefícios de um seguro de saúde privado - pelo menos na minha experiência. Se se acabasse com a ADSE e com os respectivos descontos, cada faria o que muito bem entendesse - i.e., contratar ou não um seguro de saúde -, e extinguia-se uma Direcção-Geral sem grande prejuízo para os beneficiários e com benefício para as contas públicas e para a justiça do sistema.

Anónimo disse...

O problema, João, é que a ADSE não é paga só com os descontos dos funcionários... Não é que tenha grande inveja da coisa, mas não gosto muito de pagar para ela, se não usufruo. Mas também não é isso que mais me choca.

Choca-me mais a atitude um bocado alienada da maioria dos funcionários públicos quando toca a falar sobre a vida cá fora, longe do vencimento, do escalão, da promoção automática e do "artigo qualquer coisa"...

É que os €€€ vêm de cá de fora...

Fosse o Estado e os fps um pilar de desenvolvimento e de apoio à vida "cá fora" e ninguém discutiria as ADSEs e coisas como essa.

PC

Cecília disse...

2º anónimo,

A situação que conta é rara. A ADSE tem alguns, muito poucos, acordos com clínicas. Para além da que cita, tem também, em Lisboa, um contrato com o Hospital da Luz, mas o acordo é só com a instalação porque a parte médica é paga à parte. Dum modo geral tudo é bem diferente. Por exemplo: os doentes crónicos com insuficiência respiratória (DPOC) pagam 20% quer do oxigénio que consomem quer dos ventiladores que utilizam, pelo contrário os beneficiários da Segurança Social para além de não pagarem absolutamente nada ainda recebem um cheque para compensar o aumento de consumo de energia eléctrica que esses aparelhos provocam. Escusado será dizer que os funcionários públicos pagam tudo por inteiro e ficam depois à espera que o ministério das finanças lhes devolva os 80% do total.
Para fazer uma ideia dos custos fique a saber que por mês pago 366€. Calcule agora como é que um aposentado dos escalões mais baixos suporta um tratamento deste tipo.

Anónimo disse...

Merda para a conversa sobre os funcionários públicos. Foi graças aos impostos que eles pagaram que esta merda de fossa chegou até hoje. Caso contrário, já tinha ido à falência há séculos.

joshua disse...

A confusão oportunista está instalada para se fugir ao que interessa. Típico.

Anónimo disse...

Mas o João sabe quanto é necessário pagar para ter um seguro de saúde que me permita ir ao hospital da Arrábida?
Se a ADSE permitir não me importo de pagar algo mais e passar a ser beneficiário... Mas não o privilégio é só para alguns.

Red Eagle disse...

O problema é que está uma campanha montada contra os FP e a ADSE. Eu vejo pessoas em serviços públicos a reclamar de coisas sem sentido e depois em serviços privados (bancas, superficies comerciais, ...) comem e calam.
Eu não tenho nada contra a ADSE e os FP, mas acho graça que ninguém fala do sistema de saúde dos jornalistas. Nesse nem tocam e esses também pagamos todos...

Saudações Chaladas

Anónimo disse...

A estratégia, da aranha,
é desacreditar os serviços públicos,
e os funcionários, esses gatunos.
É gerir para a ruína,
o serviço nacional de saúde,
as pensões de reforma,
as obras públicas.
Para depois,
agradecer ao Champalimaud,
herói do fascismo,
herói do Bloco Central!

Traque Back disse...

Descontos que eu fiz para a Segurança Social: 11% + 23,75% (que não vêm no recibo) = 34,75%.
Isto para ter uma reforma de 80% da média dos últimos 10 anos de trabalho, ou seja cerca de 60% do que ganhava.

Sabe quanto se desconta para a ADSE?
Sabe qual é o valor da Aposentação?

M. Abrantes disse...

É tão porreiro dizer mal da ADSE sem precisar dela.

Eu devo ter problemas de saúde levados do catano, porque tenho que desembolsar para a maioria dos exames que faço, sem ajuda da ADSE.

Tive que pagar do meu bolso 4 operações, para não ter 3 anos de espera - devo ser muito distraído, porque não encontrei nenhum hospital privado onde pagasse amendoins para me operarem.

Querem ver que há funcionários públicos de 1ª e de 2ª?

Um participante anónimo escreveu
"Fosse o Estado e os fps um pilar de desenvolvimento e de apoio à vida "cá fora" e ninguém discutiria as ADSEs e coisas como essa."

Ora essa! Então o senhor quando quer ir às finanças não tem quem o atenda?, quando quer uma escola pública para os seus filhos porventura não a encontra?, quando numa emergência precise de um 112 não o tem à disposição?, quando quer o lixo levado da entrada de sua casa não tem quem lho leve?

Talvez seja tempo de os funcionários públicos pararem por 2 ou 3 dias, para vermos os Raposos e outras espécies vacuosas chamarem pela mamã.

Anónimo disse...

Se querem saber em que mãos anda a nossa saúde, a nossa legislação, a nossa educação, consultem o curriculum dos deputados do Bloco Central.
Por exemplo, o porta voz Relvas, está desde pequenino no PSD e formou-se em "ciências políticas". Funcionário do aparelho, típico.
Com esta "formação", e "prática profissional", o fulano tem 6 ou 7 conselhos de administração e consultorias, que "vendem" desde aparelhagem hospitalar, até jurisprudência, passando pela informática e plos medicamentos.
Ou seja, ele opta, age, e ganha a vida, como lobbiista eleito pelo PSD, por conta das empresas que lhe pagam principescamente.
A saúde está, na realidade, entregue a esta fauna, que prolifera no Bloco Central.

Anónimo disse...

Voltámos à lenga-lenga de denegrir nos funcionários públicos com a agravante de que, muitos comentadores não sabem do que falam quando entram em considerações sobre aspectos concretos como seja a dicotomia ADSE/segurança social.
Valerá a pena reiterar que os trabalhadores do Estado têm as mesmas qualidades e defeitos dos outros ou serão alguns aliens?
E que são eles, acima de todos, que pagam as crises?

Anónimo disse...

Caro João,
Caros comentadores.
Assisti aos "dizeres" do tipo com o cabelo à "fosga-se" na tvi24. Não liguei muito: "mais um a dizer bacoradas!".
Não aprecio o discurso feito em cima "do meu exemplo" como um discurso mais racional sobre um assunto. Concordo consigo João: "nada é de graça". Por isso não fiquem com inveja dos FP e dos seus grandes benefícios com a ADSE. Muitos acham que a ADSE também é responsável pelas reformas dos funcionários públicos. Gostaria de saber quanto paga mensalmente para a sua saúde um funcionário não público? Nada.
Sou um dito FP, não sou funcionário politico ou daqueles que são colocados a mandar nos FP e são arrigementados a partir do voto de cada um nós e também de quem se queixa e inveja os FP.
Lembro-me que o Sr PM defendeu a uniformização dos regimes de protecção da Segurança Social (privado e Estado). Foi uma das razões que me levou a votar nele nas eleições em que obteve a maioria absoluta. Acahava que era uma forma racional de gerir o Sistema de Protecção Social (reformas e saúde). Tudo se esfomou.
Acham que os FP são desmiolados, ou no mínimo masoquistas ou morcões?
O que assisto quase diariamente é a muito barulho palavroso, mas a tomar uma decisão coerente para o nosso e vosso futuro colecivo, as coisas já não são connosco...às malvas, vou tratar da minha vidinha: modelo chico esperto.
Perguntem aos Holandeses e aos Dinamarqueses como têm acesso no seu país aos cuidados de saúde e à refforma. E já agora "às baixas médicas". Logo veriam como eles se organizam. E já agora vejam os impostos que pagam. E também como exercem a sua cidadania política.
Já agora saibam que a Dinamarca não está no EURO e quando os Dinamarqueses pensam ir de férias para a zona euro sabaim quanto dinheirinho têm que gastar devido ao Câmbio.
Permitam-me a ousadia de recomendar que leiam Bertrand Russel (A conquista da Felicidade) o capítulo de dedicado à inveja.
P.S. Não votei mais em demagogos. Gato escaldado de água fria tem medo.
Desculpem os excessos.
Saudações Lusas.
José Genesius

Anónimo disse...

Quando me vi obrigado há uns anitos, por circunstâncias várias nada estranhas, a fazer um contrato com uma "companhia de seguros" (a CGD...) sobre uma apólice de saúde, confiei. Papalvamente.
Um dia fui ao dentista; e concluí - brandindo inutilmente um cartão de plástico onde figura uma família sorridente - que não tinha direito a nada; nem a água-oxigenada (bióxido de hidrogénio, para os doutos). Tirando o nome de umas obscuras e vetustas marcas de pomada que meu Pai me recomendou (antes de se reformar...), estou completamente a Leste "da saúde e dos remédios". Daqui a uns anos terei apenas a medicina "oferecida" pelo estado aos indigentes (se existir estado). Talvez seja a melhor; quando for para caír na vala, caio e pronto. Levem-me para o Câmara Pestana e metam-me em frascos de boca larga.

Ass.: Besta Imunda

Isabel disse...

Com um terço (ou mais) do meu salário, retido na fonte, sem apelo nem agravo, deverei andar a pagar saúde, ensino etc... a muita gente. Da ADSE pouco usufruo, exceptuando as comparticipações em medicamentos, uma vez que fujo de tudo o que é público como o Diabo da cruz. Médicos privados, colégios privados para a descendência, são opcão de que só abdicarei, talvez, se um dia me vir com fome(já estive mais longe). Espero nunca ter de me colocar nas mãos deste Estado, do qual só aceito o vencimento, porque preciso dele, estou em fim de carreira e não tenho outra opção. Mas lá que gostaria de sanear o "patrão" ninguém o duvide.
Enfim, sou "fp", mas outros são "fdp". Não será pior?

Anónimo disse...

Para que conste eu desconto mais para a merda da ADSE que a minha mulher para a bosta do seguro privado.

Puta que os pariu! Os dos seguros claro...

Anónimo disse...

"Gostaria de saber quanto paga mensalmente para a sua saúde um funcionário não público? Nada."

Um funcionário privado desconta para a S.S. 34,75% de tudo o que ganha. Acha isso "nada"?

José Manuel disse...

Caro João Gonçalves,
Permito-me corrigi-lo: eu não acenei com a cabeça. É verdade que não contrariei essas afirmações, pois tinha outros assuntos para falar, mas se por acaso lê o que escrevo deverá saber que defendo a ADSE como modelo complementar/alternativo ao SNS. Se não lê, posso-lhe mandar os textos.
José Manuel Fernandes

Anónimo disse...

M. Abrantes, acho genial que escreva o seguinte:

"Ora essa! Então o senhor quando quer ir às finanças não tem quem o atenda?, quando quer uma escola pública para os seus filhos porventura não a encontra?, quando numa emergência precise de um 112 não o tem à disposição?, quando quer o lixo levado da entrada de sua casa não tem quem lho leve?"

Caríssimo, por mim as "finanças" podem fechar e a "escola pública" também. A recolha do lixo é paga pelas taxas municipais que a CML saca e o 112 era o que faltava que deixasse de existir, com a talega de impostos que me sacam a toda a hora... IVA, IRS, IRC, IS, IUC, IMI, IMT, etc., etc. Estávamos a discutir a ADSE dos fps e quem acaba por pagar essa coisa, mas eu estava da atitude dos referidos senhores perante a vida real... Uma atitude de verdadeira despreocupação com a árvore das patacas deles.

PC

Anónimo disse...

Boa noite JG

Desconto mensalmente 30 euros mês para a ADSE, mas os médicos convencionados são cada vez menos, porque o voto que fazem no inicio de carreira, que não é de missioário, rapidamente é esquecido quando se apercebem do dinheiro que deixam de fazer para atender os fp. É triste assistir a esta decadência de valores, quando sabemos que são os sistemas especiais (sub-subsistemas de saúde) de por ex: CML, JUSTIÇA, MILITARES...)que fazem o verdadeiro tratamento distintivo e especial que não vi ninguèm aqui referir.
Boa noite
Cristina

Pedro disse...

PC, era porreiro que te fizessem a vontade. Feche-se as "finanças", mandem-se os sacanas dos cobradores de impostos para casa, feche-se a "escola pública", venda-se as ambulâncias e os hospitais públicos, mande-se a malta do 112 apanhar batatas, tudo gente que te vai ao bolso e que não te serve para nada. E falas tu da "vida real"?