18.10.10

SOUS LES PAVÉS, LA PLAGE


Estes de carneiros não têm nada. Por cá é tempo de luzinhas de natal camarárias que era o que mais falta andava a fazer. E ainda dizem os nossos deletérios retóricos que os franceses são "palavrosos". Apetece soltar um palavrão.

21 comentários:

Anónimo disse...

A questão francesa é que o governo, lá, é de direita e a esquerda das manifs está bem à solta para fazer o que lhe apetecer.

Aqui e em Espanha há a esquerda xuxa (e não só) que diz que sim às greves e às manifs, mas no fundo põe aguinha na fervura.

Houvesse um movimento bem liderado canhoto ou dextro para correr o dito cujo e íamos ver se o dito cujo era ou não atirado de uma qualquer janela de um quinto andar ou nais alto, tipo o traidor Miguel de Vasconcelos. Pior que este, pois este queria fazer parte de uma Pátria maior... O dito cujo é simplesmente um badameko!

PC

Mani Pulite disse...

EM PORTUGAL É MAIS "SOUS L'ASPHALTE,LA MERDE".O COELHO DO MOTA COM A EXPERIÊNCIA QUE TEM QUE O CONFIRME.OS FRANCESES SÃO ASSIM DESDE 1789 E NÃO SE TÊM DADO MAL.POR CÁ, A IDEOLOGIA NACIONAL DO RESPONSABILISMO-CARNEIRISMO TEM SEMPRE DEIXADO PORTUGAL NA CAUDA DA EUROPA.ATRASADOS E A CHEIRAR A MERDA QUE TRESANDA.

floribundus disse...

'la illah ill Allah'
'dizem que não há Deus, mas Ele existe'

Anónimo disse...

"Custa-me" ver a França envolvida neste chavasco reivindicativo. Sobretudo por uma mesquinharia de 60 para 62 anos...Pensemos na lista grega de "profissões de desgaste rápido", existente antes da invasão alemã, e que incluia, entre centenas, a de cabeleireiro (!) - dando reformas aos 55 anos. Espero que existam mais e melhores motivos para as greves e manifestações. Por outro lado acho 'linda' a adesão inevitável, mas delinquente e acéfala, das falanges liceais e juvenis - para não dizer pueris - aos pneus queimados, montras partidas e pedradas palestinianas. Deve ser muito difícil a vida da juventude francesa, sobretudo a dos jovens brancos residentes nos centros das cidades!... Deve ser também desta fornada de justiceiros-urbanos, progressivos e revolucionários, que sairá uma próxima casta de dirigentes políticos tão apatetados como os seus avozinhos de 68 - que tem os seus correspondentes também em Portugal. E que éticos e poderosos intelectos são geralmente!

Ass.: Besta Imunda

MmM disse...

Se o OE chumbar podíamos ir para a rua comemorar.
Os portugueses não gostam do rótulo que o PS pôs a manifestantes mas estão sempre prontos para a comemoração.
É só um saltinho...

Garganta Funda... disse...

Na França o «contraditório» faz-se na rua.

Aqui o contraditório faz-se nas televisões, nos salões do poder e nos cafés.

Até o Prof. Marcello, um verdadeiro «tiririca» da nossa televisão, como aqui já foi apresentado, faz contraditório a si próprio.

Um pais «sui generis», esta choldra...

Anónimo disse...

...por outro lado o país, papalvamente expectante, pode apreciar agora mesmo e em simultâneo: futebol na TVi24 e na SIC-N (com P Marques Lopes!...), enquanto que na RTP1 a dona fatinha e suas comentatrizes arengam economia e crescimento.
É de raspar uma tábua de escamar o peixe pelas canelas!

Ass.: Besta Imunda

floribundus disse...

4ªf às 18H no ICS
José Rolo apresenta o seu livro
'Labirinto da crise financeira internacional' editado pela Cosmos.
os seus trabalhos têm sempre qualidade.

AN disse...

Estava há pouco a assistir o "prós e prós" da insuspeita RTP, moderado por habilidosa jornalista. Estupidez a minha confesso.
Estava lá um senhor (que já foi ministro de direita) sentado so lado do governo a debitar umas patranhas como "criar riqueza para depois distribuir". Onde já ouvi isto antes? Talvez desde que me conheço. E a lábia do senhor era tanta e com tanta veemência que ele deitava uma espécie de gosma pela boca. E irritava-se quando ouvia umas verdades incómodas.
Depois passou a falar um senhor do governo. Ministro muito respeitável e de fino trato. No exacto momento em que insultou uma personalidade que não estava presente, e cujo nome foi citado pela habilidosa jornalista, mostrou o seu verdadeiro carácter. Aliás este senhor é reincidente no acto de insultar aqueles que vão contra as suas idéias pré-estabelecidas. Ainda por cima o único indivíduo por quem eu tenho paciência para ouvir neste país. E a quem a minha inteligência (ainda que pouca ou não, que já não sei) me diz que deve ser prestada alguma atenção.
Comecei a insultar a mãe da dita personalidade. Coitada da senhora que já não é viva de certeza. Como não tenho obrigação de assistir a lavagens cerebrais, e como não me sinto particularmente feliz quando estão a insultar a minha inteligência (que pode ser pouca ou não como já disse), resolvi desligar o aparelho. Tenho mais o que fazer.

P.S. o tal senhor da gosma ainda disse outras patranhas como a de ter trabalhado muito ao longo da vida para justificar o que ganhou (e ganha). Afinal, todos neste país que trabalham muito são tão ou mais remunerados do que o dito senhor.
E pensar que pagamos uma fábula para manter no ar esse canal "público".

Já lá dizia o outro da canção: "desopilem-me o fígado". Que se f.. o futuro. Que se f. estes gajos todos. Quero ser feliz porra!!!
Ao menos haja saúde.

S.C. disse...

por cá, o povo continua manso...a pagar negociatas. veja-se mais um ajuste directo...
http://www.base.gov.pt/_layouts/ccp/ajustedirecto/detail.aspx?idajustedirecto=75140

Anónimo disse...

Aquele "chavasco reivindicativo" Francês não é pela mesquinharia de 60 para 62 anos...
Antes, a reforma MÍNIMA é que passará dos 60 para os 62 e a reforma PLENA dos 65 (como cá...) para os 67...
POR ESTE ANDAR AOS 70 E COM SALÁRIOS PARA SEREM COMPETITIVOS COM A CHINA E OUTROS EMERGENTES, NÉ?
A Economia a colocar-se no centro de tudo e o HOMEM/MULHER absolutamente em sua função...pois.pois...
G

Karocha disse...

Nunca tiveram!!!

Fado Alexandrino disse...

Ass.: Besta Imunda


Grande intervenção colocando as coisas como elas são e não dando-lhe uma lótica interpretação de "margem esquerda".
Nisto tudo gostava de saber qual o sentimento do fulano que acorda com o carro queimado.

joshua disse...

Tudo ficará na mesma, mas não sem luta, o que faz toda a diferença para separar águas.

Por cá, enquanto houve pão e água ou vinho tinho, tudo se suporta: mesmo o monumental enrabanço orçamental.

Anónimo disse...

É simples. Mais uma vez é a França, já o foi em 1789(julho), já o fora em 1968(maio) e é agora em 2010(outubro) a assumir o papel de farol para esta Europa de vêrmes intestinais que, mais cedo ou mais tarde, vão ter de sair pelo cu daqueles que ainda mantêm o recto com adstringência para aqueles que há tanto tempo procuram penetrar, quantas vezes conseguindo, a dignidade e a paciência de nós todos.
Só não vê quem não quer que é preciso calcinar carros nas ruas, partir montras, esmigalhar o conforto destes filhos da puta no alcatrão para que as águas de outubro de 2010 lavem a porcaria que sobrar.
É na rua que vai ter de acabar este martírio, não para o corpo ou pela alma, mas pela decência.
E, como custa ver que é em Portugal que aquilo que a FRança da rua está a fazer, mais se justificava, não por ser aqui que mais se sofre, mas por ser aqui que se sofre em resultado da actuação de gente mísera que mente, que ludibria sem pudor nem réstia de decência.
Mas é neste país que se marca uma greve geral para ... 24 de Novembro!!! Como é possível???
Acho que sei. Controlo. Porque a greve geral tinha de ser marcada(quase por vergonha), com este espaçamento dew calendário, minimizam-se danos. Os comunistas também nunca quiseram gatilhar contra o fascismo!!! E agora vão gatilhar com meses de atraso. Que se forniquem também.
Mas não é tarde. Inicie-se já a tomada das ruas. Que venham abaixo as primeiras montras, que ardam os primeiros carros... ainda não é tarde!!

Rita

observador disse...

Caro João,

Uma das vantagens de nos termos visto livres de S e do seu nefasto regime, foi vermo-nos livres da Censura, pelo menos da institucinalisada por ele.

Sendo assim venha lá o tal palavrão que lhe apetece!

Mas será que soluciona alguma coisa?

Anónimo disse...

65 para 67...e então? A não ser que haja uma razão de saúde REAL, devidamente justificada por médicos insuspeitos, porque diabo não se poderá trabalhar até aos 67 ou 70? Ainda por cima com cada vez mais meninos e netinhos de 30 e 40 anos 'em casa da mãe'. Também é preciso referir que estas exigências são mais de quem ainda consegue planear a vida a mais de 3 meses de distância: funcionários públicos e contratados definitivos com "carreira". Os outros, os merdas da 'iniciativa privada' que se reformem quando puderem, como puderem e com o que tiverem (que na maior parte das vezes é nada). Se a esperança de vida aumenta, devem aumentar as obrigações; senão, brevemente, haverá gente a viver mais tempo na reforma do que em actividade: início de actividade aos 25; reforma aos 55 (sobretudo tipos que trabalham na GALP, no Banco de Portugal ou na CP); morte clínica aos 85. Como será em França? Alguém sabe ao certo?

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

Ó "Besta Imunda" também não é preciso ser-se adicto do trabalho. Como é então, vamos esperar pela reforma à porta do cemitério ?!
Haja Deus !

Anónimo disse...

O que é de reter é mais este exemplo francês de exercício activo da indignação popular, a antitese do carneirismo nacional. Quanto aos jovens, lutam por um futuro que lhes vêem negado, querem ter a oportunidade de ser verdadeiramente autonomos e não ter de viver com os pais até aos 40 anos ou compartilhar apartamentos com outros casais. E não querem ser eternos precários, sob o império das teses neoliberais. Tomara que a juventude portuguesa não fosse tão conformada e acrítica.
Carlos F

Anónimo disse...

A mim pouco me importam as teses neo-liberais, liberais, social-democratas ou democrata-cristãs.
O que eu quero é um País equilirado, em que possamos viver com um porção legítima de alegria e de felicidade, longe desta canalha de corruptos e de mentirosos que transformaram a democracia numa miserável Respútrida («Dragoscópio»).

Anónimo disse...

Oh grande besta: Deves mesmo é conhecer os meninos franceses.