22.11.09

RASURA

O Jorge Ferreira foi vice-presidente do CDS e liderou a sua bancada parlamentar. Dedicou a maior parte da sua vida pública ao CDS/PP. Isto passou-se apenas há doze anos. Pois se bem reparei, só dei pela presença do deputado Nuno Magalhães no seu funeral. O CDS/PP é um partido que não respeita a sua história. Ou, melhor, Portas não tem a menor consideração pela história do partido de que é presidente. Como se a coisa tivesse nascido com ele e com os seus imberbes cristãos-novos. Lucas Pires, Freitas do Amaral, Adriano Moreira, Manuel Monteiro ou Jorge Ferreira não cabem no ego de Portas. O episódio do retrato de Freitas - ou outras edificantes atitudes (ou a falta delas) por parte de Portas - define um carácter. Ou a falta dele. É uma espécie que colhe votos e que tem adeptos. Muitos. Como me dizia um amigo citando alguém conhecido, há pessoas que quando lhes cospem na cara aproveitam para fazer a barba.

16 comentários:

Lura do Grilo disse...

Parabéns pelo post. Esperava mais de Paulo Portas

Garganta Funda... disse...

O Paulo Portas, com aquele linguajar histriónico e «moralmente» categórico, é o «irmão gémeo» do Pregador-Geral da República, o professor doutor Louçã.

Portas e Louçã, dois papagaios separados à nascença.

(Para um líder dum partido que se reinvindica da «direita conservadora» é interessante constatar que o Dr.Paulo Portas não respeita minimamente a história do CDS; a herança cultural e politica deste partido; os antigos líderes e mesmos alguns destacados membros, como foi o caso do Dr.Jorge Ferreira.
Ser da «direita conservadora» é respeitar a história, os símbolos, as pessoas e as instituições que nos antecederam.)

Toninho disse...

Também, não sejamos tão injustos assim.

Li por aí, em alguma imprensa uns pesares de circunstância.

Para aliviar as (in)consicências.

Cumprimentos.

radical livre disse...

para portas a história do pp
é a sua passagem pelas feiras
de feirantes humildes´
ou das vaidades

Montagne dizia nos Ensaios
«as fezes só cheiram bem ao próprio»

Gustavo A. B. disse...

Inteiramente de acordo com a sua observação. De Democrata Cristão ( na acepção directa ) este partido CDS-PP infelizmente parece ter muito pouco do que o podia diferenciar tão brilhantemente dos outros.
Inesquecível exemplo tão claro, que no discurso de "vitória" na votação das legislativas o líder Dr.Paulo Portas não tenha feito referência e reverência aos seus dois candidatos falecidos em vésperas de iniciarem a campanha. Mais não seria preciso dizer.
Saudações calorosas de Coimbra!...

Eduardo F. disse...

De há muito que o CDS não tem nem quer ter memória. Já teria desaparecido se a mantivesse.

Quanto a Paulo Portas, limitou-se a ser igual a si próprio.

Valter Marques disse...

Olá João! O senhor tem no meu entender toda a razão.
Jorge Ferreira merecia mais. Bem mais.
Devo tanto a esse Senhor. Foi dos melhores professores que tive e com quem mais aprendi. Apesar de termos ideologias políticas opostas, o debate de ideias com o professor Jorge Ferreira, apesar de difícil, era bastante estimulante.
Fica a minha homenagem no meu blog "www.esquerdismosliberais.blogspot.com".

Cumprimentos!

Anónimo disse...

A Ingratidão é dos piores defeitos. A falta de memória sobre um homem de bem e bom mostra a tibieza de sentimentos do CDS e da sua tribo.

Não vale a pena por a mão no peito, ir a Fátima, comungar, ir á missa se no final não se estende pela última vez a mão e se não se olha por aquele que jaz, já frio.

O CDS não mereceu o Jorge. O CDS não tem sentimentos. O Paulo Portas não tem memória e não tem sentimentos.

Para mim. EStá tudo dito.

Ao Jorge, que estejas lá no alto que nós aqui vamos ver se conseguimos ainda ter a tua força para mostrar o que isto tudo de tornou.

Ao Paulo Portas, "quem com ferro mata, com ferro morre". Nunca se esqueça desta aforismo.

Luisa

Anónimo disse...

Este texto parece-me um bocado descabido.
Seria bastante hipócrita da parte do presidente do CDS ir a um funeral onde ninguém o queria ver.
Conheci o Jorge Ferreira na JC e no CDS, quase nunca concordamos mas sempre nos respeitamos. Ainda há quinze dias lhe deixei uma mensagem demonstrando o grande apreço que tinha por ele.
Este tipo de posts são a pior forma de respeitar a sua memória.

José Mexia

Zé Dias da Silva disse...

Só não têm vergonha porque desconhecem o sentimento.

jorge Oliveira disse...

Uns dias de ausência do convívio com as notícias - e um choque pior que um murro no estômago. O Jorge era um dos nossos, colega de carteira, colega do nervosismo indisfarçável antes das orais, de algumas imperiais de fim de noite...
1 abraço para os seus e para ti, João.
Jorge H. Oliveira

Professor de Português disse...

José Mexia:

"Este tipo de posts são a pior forma (...)".

E este tipo de comentários É a pior forma de forma de alguém se exprimir.
Este tipo é. No singular.

Anónimo disse...

Sr.Professor de Português:

Muito obrigado pela atenção.
Prometo ter mais cuidado na forma de escrever.
Ainda bem que há alguém disposto a andar por aqui a corrigir-nos.

José Mexia

("É a pior FORMA de FORMA de alguém se exprimir.")

Professor de Português disse...

Pois é.
No melhor pano cai a nódoa, não?
Por mim, não Mexia mais no assunto...

Anónimo disse...

Caro João, apesar de não conhecer os pormenores do relacionamento recente entre PP e JF, parece-me correcta a decisão de não estar presente no funeral. Por isso concordo com o José Mexia. E discordo do professor de pretuguês.

Professor de Português disse...

José Mexia aka Anónimo:

Já eu discordo de si, em ambas as versões.
E esta, hein?!