14.2.07

UM DOS NOSSOS MAIORES


Jaime Nogueira Pinto apresentou um programa notável sobre o Doutor Oliveira Salazar. Falou, como lhe competia, na "ditadura democrática" da I República, a famosa "ditadura da rua" a que o "28 de Maio" pôs cobro. Falou das origens humildes, da rectidão e da probidade do homem do Vimieiro, dentro das ruínas da casa de alguém que deteve o poder máximo no país durante mais tempo, em pleno século XX, sem tergiversações e com absoluta frieza. Falou do patriota, do rigor financeiro sem demagogias, do "fomento económico", de um regime autoritário sem veleidades a pretender ser outra coisa qualquer. Falou da firme e intransigente defesa do Ultramar como último avatar de uma "grandeza" que sempre nos escapou e que, aos de hoje, soa a algo incompreensível. A partir dos anos 50, Salazar "internacionalizou" Portugal como pôde e, vagarosamente, afastou-se - a ele e a nós - do mundo. Falou, em suma, de um "Salazar que agarrou o país". Não foi um democrata e isso, na altura, não era exactamente um pecado. Em nome da sua concepção do país como "império", perseguiu, prendeu e exilou. Percebeu muito cedo que, depois dele, não haveria mais lugar para ele. "Cheguei ao fim. Os que vierem depois de mim, vão fazer diferente ou vão fazer o contrário e contra mim", confessou a Franco Nogueira em 1966. Nunca sentiu a necessidade de se afirmar ou de se disfarçar como "progressista". Pelo contrário. Era um pessimista impenitente, profundamente conhecedor dos desequilíbrios humanos, um anti-liberal e um conservador. À sua peculiar maneira, foi um dos nossos maiores.

47 comentários:

António Viriato disse...

Não é preciso ser Salazarista para concordar com o teor do seu texto.
Com este programa, a RTP entrou finalmente na sua era democrática, quanto a maturidade histórica. Salazar começará a ser olhado, em Democracia, como a grande figura de Português que foi, que é, ao lado de outros vultos autoritários, como o Marquês de Pombal, por exemplo, que tem uma das mais imponentes estátuas do País, numa das mais nobres praças da sua capital.

Tornámo-nos todos, hoje, um pouco mais adultos, graças à frontalidade, à sobriedade pedagógica de Jaime Nogueira Pinto.

Anónimo disse...

Subscrevo. Excelente documentário de alguém que procurou sempre analisar a personagem aos olhos da época. Sem emoção, sem fervor, com a neutralidade que muitos desejavam, alguns exigiam.

Atenção, não vai demorar muito a receber visitas dos "fieis" que, certamente, estavam distraídos quando os gulags stalinistas evidenciaram a "bela" e grandiosa obra prima do comunismo.

P.R.

Anónimo disse...

concordo sr viriato . A democracia so se dignifica se respeitar a história e o seu circunstancialismo. parabens à rtp e ao sr jaime Nogueira Pinto.

All that Jazz disse...

Simplesmente repugnante!

Anónimo disse...

O "Documentário" foi de excelente qualidade.
Os breves momentos de "passeio" pelo interior da sua modesta casa em ruínas, contrastantes com a riqueza alarve dos "oligarcas solidários" de hoje em dia, já valeram mil palavras. Sem dúvida que Salazar foi um dos grandes estadistas da nossa História.

Anónimo disse...

Sempre admirei a honestidade e o rigor intelectual do JNP. Um grande homem e académico que nos últimos 30 anos deve ter perdido muito lugar, muita crónica nos media de "referência" por saber pensar pela própria cabeça. É um daqueles documentários que é para gravar e mostrar aos netos e à restante trupe de "jovens democratizados"

Anónimo disse...

Excelente post. Por acaso não acompanhei a emissão mas o seu post, de algum modo, compensa a perda.

Anónimo disse...

DIA DE SÃO VALENTIM:
É dia de São Valentim e m/marido tá nos AzUres!Mandei-lhe 1 msg c/o refrão d canção"O Feitiço..".E ele respondeu-me:«...pois bên toú cum soudadi aqui nús Azúres...Bjs».Enfim,comecei hj/cedo a rir,já que este País sem SALAZAR...(?)não vale nada!!!Já votei no AOS como o melhor português do m/tempo:porquê? Porque não foi POLÍTICO,lg,NÃO ROUBOU nada aos contribuintes!Ao contrário, tirou o País do caos, neutralizou-se em relação à IIGGM, a Economia no s/tempo crescia 7%/9% ao ano!Éramos pobres?Sim,mas a Europa toda tb o era...e cresceu. A seguir ao 25 de Abril,perdemos tudo o q em 800 anos os N/Reis conquistaram e q ele defendeu até morrer e,no entanto,depois dele e já no SécXXI,nós os “tugas”, estamos PIOR, mais POBRES e inseguros do que NUNCA neste rectângulo-zinho à beira do Atlântico.Fui sp contestatária por "feitio"(sem nunca ser comunista:se gosto-aplaudo!, se não gosto-critico!,e sp de cara levantada/frontal),fui perseguida pela PIDE qdo ainda era 1 miúda (17/18anos).Vivia numa Colónia lindíssima/Moçambique,ms só ontem,depois d ouvir o Nogueira Pinto a falar s/AOS,compreendi realmente quem foi esse Homem,que defendeu Portugal e o Ultramar,com o maior sentido de missão e SABEDORIA,sp discreto conseguindo atingir diplomaticamente as melhores relações p/Portugal(ao contrário do q os políticos de meia tijela contavam...).Se foi fascista, ou ditador ou qq coisa e tal...o que são os governantes de hoje,senão uns“zés”da prozápia?Agora é assim: quem não tá c/eles são inimigos/perseguidos e postos nas listas negras(mesmo dentro dos seus próprios partidos),e mesmo os q estão, são OBRIGADOS a “engolir sapos” e a alinhar pelo mesmo diapazão ou:“OUT”!...pq só querem q se faça polítiquices, NÃO QUEREM TÉCNICOS/BONS PROFISSIONAIS(como aconteceu c/o anterior MinFinanças Cunha:era técnico,não era?Não era político,pois não?Então toca a andar:FORA!).Que desilusões tenho eu sofrido c/esta POLITICAGEM de Bestas, Pedantes,Novos Ricos e Corruptos.Puxa,não quero este país governado p/bandos d ladrões(só c/retóricas balofas e d propaganda),a apoderarem-se dos Tesouros do Estado e da Administração Pública, sem sequer saberem CONTAR(os académicos só sabem ensinar lá nas salas de aulas e,os outros,só souberam colar cartazes e berrar-até à rouquidão-nas campanhas eleitorais:são esses os s/Curriculum-Vitae p/serem Ministeriáveis e/ou GestoresPúblicos.PORTANTO,desejo ansiosamente ver o meu País governado p/Homens com sentido de Estado e de Justiça, servindo o Povo e não servindo-se dele(deixando os mais ricos/pedófilos e quejandos, a coçar a barriga de satisfação...fugindo aos impostos e a acumular fortunas sem se saber donde lhe vem tão elevado“poder de compra”–é por isso q o Sr EngºSócrates é tão adverso a combater a corrupção...mandou o Cravinho p/longe,p/q o Parlamento se cale s/esse assunto,a q o “1º” chamou de “asneiras”...vejam só,QUE VERGONHA!).Vou terminar o discurso q talvez este PS o considere "subversivo" e ainda me mande p r e n d e r...(?)Será...?Lá teria de viver c/cama, mesa e roupa lavada, à custa dos Serviços Prisionais!Ouvi dizer q até nem é mau d todo:às vezes dão suites(Q+WC),c/TV,Telefone e LIVROS,o que,reconheçamos,é mesmo MUNTA BOM!!!FáPD.

Rouxinol disse...

"Não foi um democrata e isso, na altura, não era exactamente um pecado."
Nem na altura nem agora, é na boa! Pecado é abortar!

Suspirador disse...

Que Salazar era patriota, não ponho em causa. Que era um sujeito cujos preconceitos obnubilavam a sua inteligência e cuja ideia de país era profundamente miserabilista, também não pode ser posto em causa.
Não era por certo um monstro. Mas não era um estadista brilhante. Foi pequeno quando se exigia grandeza.

Anónimo disse...

Se havia alguém que podia, e devia, ter feito a descolonização no seu devido tempo foi ele. Não o fazendo, deixou esse óbice para os que vieram a seguir. Não aproveitando a autoridade que detinha para pôr Portugal na direcção do vento da história foi pouco corajoso e isolou o país do resto do mundo. O projecto que tinha de um país de Minho até Timor falhou, como se previa, e esse seu autismo foi dramático para milhares e milhares de pessoas. Podia ter sido um grande português mas não foi. Sendo grande o seu projecto sobreviver-lhe-ia pelo menos solidamente por muito tempo. Ora, pouco tempo depois ruiu e da pior maneira. Podia, pois podia, mas não foi grande. O resto serve apenas para os ideólogos do costume dagladiarem-se neste autêntico combate póstumo ridículo entre Cunhal e Salazar. Há gente que tem vistas mesmo muito curtas e, pior ainda, retrógadas. Como dizem os Xutos: o que foi não volta a ser, por muito que se queira. E ainda bem, digo eu.

Johnnyzito disse...

Excelente post que, com a devida vénia ao meu homónimo, merece o link no meu espaço.

lusitânea disse...

Não vi infelizmente o programa mas já não preciso de ver para crer acerca de Salazar.Era um regime que tinha defeitos e que cometeu erros mas nenhum comparado ao regabofe desta amostra de democracia/monarquia republica jacobina...
Sem autoridade moral como podem governar bem?
Aos poucos e poucos nós vamos vendo que acabam por cometer as "infâmias" de que acusavam o Salazar... até já chapeladas aprenderam a fazer...
Ao menos o Salazar não mentia... sempre disse ao que vinha... deve haver fotos do seu funeral em que apareço...

Anónimo disse...

O penoso e sombrio caminho do salazarismo ficará para a história portuguesa como a mais desgraçada lembrança do século xx. Aponto sumariamente alguns argumentos demasiadamente estafados mas com alguma acuidade: do ponto de vista da imposição cultural o salazarismo optou pelo caminho mais mesquinho e cruel. A regressão cultural assumiu um papel fundamental para a imposição das premissas serôdias e isolacionistas da idelogia do Estado Novo. Homens livres e distintos universitários foram saneados e perseguidos porque discordavam das ideias totatitárias do regime fascista. Abel Salazar, Bento Jesus Caraça, entre muitos outros, ilustres universitários, foram impedidos de ensinar porque tinham uma concepção oposta à veiculada pelo regime salazarista. Que dizer do escritor Aquilino Ribeiro, perseguido no final da sua vida por ter dado voz ao gentio humilde da Beira interior. A mesma Beira que viu nascer o ditador mais abjecto do século XX e que vivia numa situação de atraso sócio-económico quase feudal! E o que dizer da estrutura sócio-produtiva constante no Alentejo, com situações de quase escravatura a lembrar as herdades feudais medievas! A relevância de Salazar ficará para sempre marcada no DNA do século XX português: a marca do atraso, do obscurantismo provinciano, desconfiado e delator.

rs disse...

...como TODOS temos defeitos e qualidades, que bom seria que os nossos políticos tivessem as qualidades de Salazar!!! Como Portugal estaria melhor!!!!
O carácter de uma pessoa manifesta-se em tudo, e sobretudo, na Política!!!
PARABÉNS João Gonçalves pelo seu "post" e PARABÉNS a Jaime Nogueira Pinto pela isenção com que apresentou UM GRANDE PORTUGUÊS !!!!!

JoseM disse...

Este apontamento, não deve ser entendido como um aplauso á generalidade dos figurões do novo regime. Que estão a repetir o retrato feito por Vasco Pulido Valente ao regime liberal do século XIX - "Os devoristas".
AOS e Marcelo, capazes de nos deixarem um tesouro no BdP, em ouro e divisas, perderam uma oportunidade histórica.
Tratar, ou tentar tratar, os portugueses como adultos (coisa que hoje está igualmente longe de suceder).
Se tivessem estado mais atentos à História, e à Política pós IIGM, com a Argélia FR aqui ao lado, teriam percebido a tempo o destino do Ultramar. E do regime.
Depois do acontecido com o Estado da India, faltou pouco para o desastre de um pequeno Dien Bien Phu na Guiné.
Sobrou o desastre da descolonização após o golpe de Estado. E não ter havido generais para fazer o movimento. Faltou ao general Spínola, o golpe da asa de De Gaule.
O culto da independencia citado pelo apresentador JNP, acabou por levar o país à revolução que sabemos. Perdendo o que estava destinado a ser perdido. Mas mal e pior.

Anónimo disse...

Não foi a Política de Salazar que levou Portugal à revolução,Josem!

Foi tão-só as invejas de remunerações entre soldadinhos da nossa praça, não sabia????

Nós somos lá por revoluções!...Nem sabemos o qu isso é.....Não temos ideais, nem objectivos, nem ideias....Só queremos dinheiro, muito dinheiro, para mostrarmos aos outros que somos ricos!!!......

Cada vez lamento mais que d. Afonso Henriques, com boa intenção, claro, nos tenha tornado independentes......

Já viu como estaríamos se fôssemos Espanhóis???? Também é verdade que não temos as características deles, pois, OH se as tivéssemos, onde é que~não estaríamos também!!!.......

Assim......vamos vendo passar os combóios....e os aviões......

Anónimo disse...

O "anónimo" das 3.10 PM, deve axar que a Comunice lá do Leste era melhor, nos mesmos tempos de Salazar,não?Então lembre-se de qtos milhões de Intelectuais o Staline mandou ASSASSINAR(até mandou 1qq Alfaro matar o TROSTKI no México e tts outros p/mundo fora....).Qdo o Muro de Berlim caíu,ficaram à vista de todos as infâmias "vermelhas" desse regime que, de tão FANTÁSTICO que se definia, apenas teve 70 anos p/mostrar que era PODRE/RETÓGRADO/MAFIOSO,com a maior exploração de tantas (HOJE,felizmente)Nações(então autênticas Colónias q a Rússia explorava/oprimia gananciosamente-as chamadas Repúblicas Socialistas Soviéticas em "união"),cuja experiência ninguém no Mundo quererá ver repetida pelo devir dos Séculos.Tb podia referir a MASSACRANTE política da COMUNICE Chinesa, de Mao Tsé-Tung,da Revolução Cultural q MATOU,MATOU,MATOU milhões de xx sem conta,incluindo todas as crianças q vinham depois do 1ºfilho dos casais.Todos os países no Mundo foram pobres e ignorantes em alguma fase das suas histórias e Portugal tb o foi.Mas retenhamo-nos um pouco agora sobre África,especialmente a Lusófona,hj independente e entregue à Governação de autênticas "cabeças-de-burro":como vivem os seus Governantes e os respectivos povos:os primeiros,mais ricos e poderosos q alguns Reis europeus e a sua criadagem toda a viver de FOME,MALÁRIA,SIDA,CÓLERA!!! Daqui a 10 anos,+de 50%dessas populações morrerá.E, qtos deles (os mais velhos e que eu própria presenciei)não chorarão ou não terão saudades dos outros velhos tempos(?),mesmo o dos colonizadores brancos portugueses, com quem, pelo menos, partilhavam PÃO!FPD.

AM disse...

"Não foi um democrata e isso, na altura, não era exactamente um pecado."

Claro que não! "Pecado" era, e é, ser democrata.

jb disse...

Não foi devido a Salazar que Portugal se "atrasou" entre 1930 e 1966. Leiam o Eça, o Ramalho, o Camilo, os jornais do periodo da I républica, por ex.! Salazar impôs um regime, é verdade. Não foi perfeito. É verdade. Com consequências. Mais do que verdade! Mas se salazar tivesse enviado um contingente para a II guerra e tivessem havido muitas baixas o que diriam hoje da sua politica? Que tinha sido um democrata? O que dizer então da politica de defesa das nossas colónias? Defesa! Porque se tratava de defender um território e proteger pessoas e bens!!! O que diziam os jornalistas das campanhas descolonizadoras da Holanda, Espanha, Inglaterra, Bélgica, etc. por altura do 25 de Abril??
O fim histórico de Portugal não foi feito por Salazar. Está a ser feito... ... !!!!

Cristina Ribeiro disse...

A boa notícia seria a de que a RTP enveredasse por nos oferecer Documentários como este,de uma excelência a toda a prova,em lugar de Gatos Fedorentos e outros que tais;mas acreditar numa tão boa nova é muito ingénuo,não é?

Anónimo disse...

Viva a Democracia ! Viva Salazar !

Pedro Pereira disse...

Pena que o meu avô tivesse sido assassinado pela PIDE, à porta de casa e à frente da mulher e da minha mãe, apenas porque era sindicalista e distribuía propaganda Comunista.

Enfim, são coisas sem importância em nome do "rigor financeiro" e do "patriotismo"

PS: Tenha coragem de publicar o meu comentário!

Anónimo disse...

Você desculpe, mas a PIDE matava assim, à porta de casa, talvez com um tiro e à frente de toda a gente ?!...

Anónimo disse...

Salazar não quis descolonizar para dar a oportunidade a mário soares de a fazer com o "brilhantismo" com que a fez!!!!! Ah ah ah....

Quanto ao cometário do pedro pereira, lamenta-se sempre as mortes, mas......não creio que Salazar mandasse matar....A PIDE, por vezes, ultrapassava-O e cometia excessos!!! E olhe que, apesar de algumas mortes, ainda sobraram muitos comunistas que tanto trabalho nos deram até ao 25 de Novembro!!!

Bertha disse...

Este poste enquadra-se nas coisas mais nojentas que já me foi dado ler nos últimos tempos. E olhe que tenho lido muita alarvidade em blogues e afins.
Sabia que no tempo do Salazar, condenavam-se pessoas a sete anos de prisão por fazerem um brinde à liberdade? Foi esta condenação e a indignação internacional por ela suscitada que levou à criação da Amnistia Internacional.
Fora com os ditadores!! Ainda restam 44 ditadores no planeta, não queira agora ressuscitar mais um.

Anónimo disse...

«Sabia que no tempo do Salazar, condenavam-se pessoas a sete anos de prisão por fazerem um brinde à liberdade?».

Ohh Bertha, aquilo é que era, caramba, hein ?
Ao menos hoje temos a liberdade dos brindes, não é ? Haja Deus minha filha.

noz disse...

Já estou a ver como é que o botas teve tantos votos... Graças aos pequeninos de Portugal. O poste é tão idiota quanto a maioria dos comentários.

Em especial para o senhor anónimo das 11.47: isso que o senhor escreveu era um discurso? Então porque não escreveu em Português de Portugal e não de telemóvel? Ou será que para si a Pátria não lhe passa pela língua? Não sabendo Vossa Excelência escrever, como poderá pensar? No saudoso (para si) sistema do "ler, escrever e contar", aposto que o caro senhor não teria conseguido fazer o exame da quarta classe.

Quanto ao resto, viva a liberdade, porque se não fosse a santa liberdade os senhores não poderiam andar para aqui a dizer alarvidades destas.

Bertha disse...

"Discordo do que dizes, mas bater-me-ei até à morte pelo teu direito a dizê-lo." Voltaire
Ganhamos entre outras coisas a liberdade de expressão, que não é coisa de somenos importância.
O exemplo do brinde é um entre muitos, mas representativo do valor da sociedade que temos agora. Ou acha que ainda há riscos de as pessoas serem mortas a tiro por distribuírem panfletos comunistas?
Se acha isto assunto de pouca monta, experimente imigrar para uma das 44 ditaduras que há no mundo fora, aí nem Deus o ajuda.

antónio disse...

Onde é a porta de saída? O ar por aqui fede!

Anónimo disse...

Bertha, minha linda!
Beijoca grande!

760 10 2003

Anónimo disse...

...oh Bertha, e sabia que também se comiam criancinhas ao pequeno-almoço???

Tenha juízo, criatura, vá com esse discurso para o inferno....Tanta demagogia!!! Leia o livro do Fernando Dacosta intitulado "As Máscaras de Salazar" e veja bem como era o Salazar!!! Aprenda, leia, conheça aquilo de que fala.....TANTA IDIOTICE!!!!

MP-S disse...

Discordo. O documentario foi, na minha opiniao, mediocre. Por varios motivos:
no que diz respeito 'a forma, esteve mal realizado e mal apresentado; quanto 'a substancia: 1) mal fundamentado. JNP diz que as accoes de Salazar foram sempre norteadas pela defesa da
independencia e do interesse nacional. Em momento algum, demonstra de forma critica como e'
que as accoes concretas foram a concretizacao desses valores. Diz que Salazar apoiou Franco
porque, caso a Republica vencesse a guerra civil, a independencia nacional estaria em grande
risco (evidencia para isso? nenhuma); diz que foi Salazar que serviu de intermediario entre a
politica de Franco e os Aliados como se fosse evidente que os paises ibericos fossem favoraveis
aos aliados desde o inicio da guerra (nenhuma evidencia); diz que temos de compreender a
politica interna de Salazar tendo em conta o contexto internacional do comunismo e estalinismo
(nenhuma evidencia que o comunismo fosse um perigo para Portugal, especialmente depois do fim
da segunda guerra), nao menciona a perseguicao aos academicos (matematicos, fisicos, etc.) da
universidade portuguesa (de que maneira expulsa'-los da universidade por motivos politicos
podera' ter sido vantajoso para ointeresse nacional, fosse economico ou cultural); nao
analisa de forma critica a politica colonial de Salazar numa epoca em que os imperios coloniais
europeus estavam a ser desmantelados ate' por motivos economicos (os paises mais ricos da Europa
nao tinham condicoes economicas para manter os seus imperios, como e' que Portugal poderia ter? em que circunstancias? de que maneira?); omite as perseguicoes politicas, a existencia da PIDE, a censura previa (ate' quase ao fim do programa); omite totalmente os assassinatos feitos pela PIDE, a falsificacao de eleicoes, o assassinato de Humberto Delgado. E podia continuar.

Nao e' uma questao de simpatizar ou nao com Salazar. Isso e' secundario. E', pura e simplesmente, um pessimo trabalho de Historia. O que e' deprimente em Portugal e' as pessoas optarem por
promover estes trabalhos de tao fraca qualidade em vez de apostar em programas serios que recorram a varios estudiosos, que ponham varios pontos de vista em confronto, que sejam criticos e
rigorosos.

ultrasilent disse...

Salazar e Cunhal no Top 10 dos "Grandes Portugueses". Bloguistas e comentadores de blog por toda a blogoesfera lusa a criarem um ambiente de guerra fria, de "comunas" contra salazaristas. Pessoas a justificar a censura, a PIDE e o Tarrafal. A elogiar Salazar por ser tão grande estadista. Pela moral do regime. Quem diria que estamos num país pertencente à UE já faz 20 anos? A viver em Democracia (com todas as virtudes e defeitos) à 33.
Se os alemães se lembrassem de fazer um programa "Os grandes Alemães", coisa que não fazem porque programas destes são uma parvoíce, quem aplaudiria se Hitler e Honecker estivessem no Top 10? É isto que distingue o nosso país? O nosso Salazar e o nosso Cunhal? Felizmente que notícias sobre este programa não circulam europa fora. Imagine-se a vergonha...

gpn disse...

Lendo alguns comentários aqui estou a pensar em falar ao JNP para lhe pedir a produção de mais umas dezenas de comentários. Coitadinha da Bertha e de outros tantos que foram sendo enganados e ludibriados a vida toda e agora que "acordaram" para a realidade não querem acreditar...

Pedro Bingre disse...

"Jaime Nogueira Pinto (...) falou das origens humildes, da rectidão e da probidade do homem do Vimieiro, dentro das ruínas da casa de alguém que deteve o poder máximo no país durante mais tempo (...)"

Evocar a frugalidade de Salazar não chega para mascarar o carácter essencialmente plutocrático do regime que liderou. Frugais? Frugais foram as centenas de milhar de portugueses que sob o Estado Novo se viram forçados a fugir de Portugal subnutridos e analfabetos, para habitar os "humildes e modestos" bidonvilles parisienses.

Pedro Bingre disse...

Bertha, essa suposta citação de Voltaire é apócrifa: não consta de nenhuma obra sua.

ultranoisy disse...

«Se os alemães se lembrassem de fazer um programa "Os grandes Alemães", coisa que não fazem porque programas destes são uma parvoíce, quem aplaudiria se Hitler e Honecker estivessem no Top 10?»

Ó ultrasilent, parece que foi de propósito para lhe estragar o argumento, mas os brincalhões dos alemães fizeram mesmo um programa semelhante - já em 2003. O Hitler não foi incluido na lista final de 10 candidatos, o que faz todo o sentido diga-se.
O que já faz menos sentido é a sua comparação. Salazar pode ter sido muita coisa má (e o seu regime foi mau para muita gente, sem dúvida, a minha família que o diga) mas colocá-lo no mesmo patamar de Hitler não tem pés nem cabeça. Uma coisa são ditadores (como Castro ou Mugabe), outra coisa são autocratas saloios e retrógrados (como Salazar) outra coisa são monstros (como Estaline e Hitler).
E convém não misturar as coisas.

ultrasilent disse...

Tem razão. Eu não sabia. Peço desculpa. Mas veja-se então a lista do Top 10 na Alemanha e França:

* Os 10 Mais na Alemanha

1 Konrad Adenauer
2 Lutero
3 Karl Marx
4 Willy Brandt
5 Sophie und Hans Scholl
6 Bach
7 Guttenberg
8 Goethe
9 Otto von Bismarck
10 Albert Einstein

* Os 10 Mais em França

1 Charles de Gaulle
2 Louis Pasteur
3 Abbé Pierre
4 Marie Curie
5 Coluche
6 Victor Hugo
7 Bourvil
8 Molière
9 Jacques Yves Cousteau
10 Edith Piaf

Por muito que eu discorde de algumas das personalidades (Charles de Gaulle ou Adenauer em 1o lugar), não são casos muito flagrantes.
Já sobre o não serem comparáveis. Salazar foi um "Hitler" à imagem deste país. Obviamente que não foi tão sanguinário e montruoso. Foi, como disse, "saloio e retrógrado. Mas não deixa de ter sido um ditador. E não deixa de ter sido principalmente prejudicial. E não é, de certeza, um dos 10 Grandes Portugueses...

Bertha disse...

Ao anónimo que em vês de contrariar racionalmente os meus argumentos preferiu-me chamar-me idiota, mando-o dar uma volta ao bilhar grande. E para mim está encerrada a discussão.
Por que raio há quem pense que os opositores do Salazar são necessariamente fãs do Estaline? Nunca ouviram falar que ainda há democratas neste mundo? Por que será preciso um "pai" da nação, um grande timoneiro? Achei que no começo do século XXI já nos tivéssemos livrado deste complexo de filho órfão.

Respondendo ao Pedro Bringre, a citação foi extraída de um artigo de opinião de Timothy Garton Ash no jornal Guardian.

Pedro Bingre disse...

Bertha, como dizem os classissistas, "Homero também dormia" (ou seja, cometia deslizes na escrita). E se Homero o fazia, Garton Ash não menos...

alice disse...

Bom dia, João. Desculpe vir aqui comentar. Quero partilhar consigo que toda a minha vida o Senhor Salazar foi assunto de conversa, à nossa mesa, lá em casa. É um nome de muito respeito e grande estima, por ter sido fundamental num certo período da vida do meu Pai. Há mais de 30 anos, antes de ele ir para o Ultramar, pediu por carta um auxílio, que lhe foi atendido no prazo de uma semana. O meu Pai tem um défice de visão, que exige o uso de umas lentes especiais, que na altura não eram acessíveis ao seu poder de compra. Foi o Senhor Salazar que lhe enviou os óculos a ajudou o meu Pai a ver e ter uma qualidade de vida melhor. O meu Pai conta muitas vezes este episódio e diz sempre que, se fosse hoje, ninguém lhe atenderia tão prontamente. Desabafos à parte, eu estou desolada com o que tenho lido contra si. A blogosfera tem salas de insulto gratuito. Já me alonguei demasiado. Desejo-lhe um bom domingo. Beijinho,

alice

Bertha disse...

OK, Pedro. Concedo que a frase pode não ser de Voltaire, mas concordará comigo que é voltairiana na sua essência, ou não?

António Fernandes disse...

Muita gente fica escandalizada quando se compara Salazar a Hitler; mas repare-se nas afinidades:
MOCIDADE PORTUGUESA - Juventude Hitleriana.
LEGIÃO PORTUGUESA - Corpo de Voluntários (idosos e muito idosos) que foram obrigados a combater mesmo com a guerra praticamente perdida.
PIDE - agentes desta "venerável" instituição foram à Alemanha receber ensinamentos da sua congénere, a Gestapo.
A sAUDAÇÃO NAZI também era usada pelo nosso ditador. Abandonou-a estrategicamente quando acabou o conflito.
Salazar decretou luto oficial quando Hitler se suicidou.
Tinha um retrato na sua secretária de Mussolini (talvez para se inspirar).
VENDEU tudo o que pôde aos germânicos para os ajudar no esforço de guerra. Aos Aliados já o fazia contrariado.
Foram ambos ditadores. Hitler matou milhões de compatiotas sem pestanejar. Se tivessemos aqui guerra, Salazar tinha estruturas (as acima citadas, por exemplo) para liquidar uns bons milhares de "indesejáveis".
Mais haverá para falar mas como não usei rascunho por hoje é tudo.

António Fernandes disse...

Queria adicionar ao meu último comentário o seguinte:
"A mesma comparação se poderá fazer em relação a Álvaro Cunhal e José Estaline, que como se sabe também assassinou uns 20 milhões de compatriotas, pelos motivos mais comezinhos.
Foi horrível demais a primeira metade do século passado".

António Fernandes disse...

Sei que Salazar (e depois Marcelo, parece,) tinha uma secção destinada a enviar pequenas ajudas a algumas pessoas que lhe escreviam. Ficava sempre bem, falavam umas com as outras e como era remetida directamente por Salazar, este passava por santo, como no caso da Alice que diz que estão sempre a falar nisso em casa.
Mas no caso de seu pai ele tinha mesmo de conseguir os óculos, fosse como fosse, senão lá no Ultramar ainda alvejaria os camaradas em vez do inimigo.
Aconteceria o mesmo comigo pois tenho miopia mas felizmente não fui destacado para o Ultramar (minha mãe, coitada fez promessas a todos os santos e ainda hoje está a pagar). Dei cá a tropa, 30 meses -o 25 de Abril poupou-me 6 o que já foi magnífico, mas trabalhei sempre, em várias secções, na medida em que havia uma constante falta de pessoal porque no fim da "Especialidade" os formados quase todos ganhavam guia de marcha para Longe, ficando cá apenas os indispensáveis. Há quem tenha saudades, eu não.Atrasou a vida a todos.
Estou a lembrar-me que quem dava igualmente uns bodos aos pobres era a Evita Peron, da Argentina. Lá está, ainda hoje é considerada santa porum pequeno extracto da população muito pobre. No entanto
também se diz que fez (muitas) das suas.Aliás chegou a conviver cá com Salazar. Um deles deu a ideia, vão ver.
É só. Cumprimentos.

Antonio Armindo disse...

Aqui nasçeu DR OLIVEIRA SALAZAR Um Senhor que governou PORTUGAL e nada ROUBOU.