14.3.10

AFTER MAFRA


«O mito do "salvador" - no fundo, de Sá Carneiro e de Cavaco - obscurece o facto de que nenhum das candidatos de hoje é, mesmo de longe, comparável em autoridade e estatura a Cavaco ou a Sá Carneiro. O intervalo entre o congresso de Mafra e arrumação definitiva do PSD é insignificante. Só depois se verá (Vasco Pulido Valente).» Não apareceu, de facto, algo ou alguém. Apenas um remendo - Rangel - é francamente melhor que os outros dois. Bastaram as intervenções de três antigos presidentes (Marcelo, Santana e Mendes) para se perceber o declínio que aterrou em Mafra. Pareciam três príncipes ao pé dos putativos candidatos a sucessores. Conseguem estes prender, por quinze dias, a atenção de um país exangue ou apenas vão servir de pasto aos vários trolhas do comentarismo "profissional" entre duas emergências demagógicas de Sócrates? Este ciclo telenovélico - congresso, campanha, eleição directa, congresso, líder - enfada. Só lamento a dra. Ferreira Leite que ainda vai ter um mês pela frente para carregar esta miserável cruz.

Adenda: A propósito do comentarismo político televisivo a partir de Mafra, escreve um leitor que «a Constança (Cunha e Sá) está totalmente eufórica, quase histérica. Os comentários são demasiado maus em qualidade analítica, vocabulário, estilo. Que se passa com ela? Foi da suposta promoção? Está-se afeiçoando ao PS e à TVI domesticada?» Ela que lhe responda que eu não tenho troco.

6 comentários:

Alex disse...

Se Rangel tiver oportunidade, quem sabe, talvez ainda consiga salvar algo que ainda seja salvável! Mas vai necessitar de apoio, de contrário, mais tarde ou mais cedo, ficará preso na “comédia” partidária ...

O Psiquiatra de serviço disse...

O PSD vai proibir os seu militantes (veja-se só esta palhaçada) de se expressarem nos 60 dias anteriores às eleições. Para quem se queixava de asfixía democrática e asfixía os seus militantes, imagine-se no poder o que não faria aos seus não-militantes!



Quanlquer asno sabe que a liberdade de expressão é um direito inalienável! menos o PSD. Ao ponto a que deixamos isto chegar!

M.Abrantes disse...

Hoje Sócrates vai dormir muito melhor. Acresce que não apetece confiar num partido que amordaça as críticas internas. Se eles se amordaçam entre si, o que não nos farão a nós, comum carne para estatísticas? Espero que no dia das eleições esteja sol. Sempre dá para um café e um jornal numa esplanada. Porra pró assunto.

Comentador encartado disse...

Ena, tanta gente preocupada com o que se passa no interior de um partido que manifestamente odeia!

S.C. disse...

Inacreditável esta peregrina ideia de amordaçar opositores! Com que moral vão continuar a falar em asfixia democrática?!

Também me tem surpreendido a atitude da D. Constança. Parece uma daquelas pespinetas arregimentadas! Que coisa estranha! Será da menopausa?

Garganta Funda... disse...

O Congresso do PSD em Mafra mostrou à saciedade que este partido continua a não ser alternativa à pior governação que Portugal possui desde que a democracia foi restaurada em 74, o que já é de si assinalável.

O PSD continua balcanizado e sem uma estratégia clara para o país.

Um partido que cauciona o OGE e que se prepara para votar esse famigerado PEC, não merece o governo da Nação.

Marques Mendes adiantou que cheira já a «fim-de-regime», mas nesse desiderato há que incluir a implosão do PSD juntamente com o PS socrático, dois partidos responsáveis pelo declínio e descalabro duma nação de 900 anos.

Uma palavra para a Drª MFL, a única voz coerente no meio daquela bovinidade e que teve o mérito de descobrir a «careca» aos socretinos.

Tudo o que ela diagnosticou e criticou desde que assumiu a presidência do Partido a realidade veio confirmar. Infelizmente.

Outro anacronismo do PSD é o apoio incondicional à recandidatura de Cavaco Silva.

Cavaco Silva é um dos simbolos e sustentáculos deste regimen podre e corrupto.

Apoiar a recandidatura de Cavaco Silva é apostar novamente no mesmo, ou seja, no declínio de Portugal.

Receio que o Admirável Líder continuará em «cooperação estratégica»....