11.9.08

FILHOS DE UM DEUS MENOR

Não dei por "o país que se vê", a começar pela máquina comunicacional do governo, festejar as vitórias portuguesas nos "jogos paralímpicos". Pelo menos com o idêntico entusiasmo mediático que dedicaram a Évora e à Fernandes. A alegria daqueles homens e daquelas mulheres é diferente da que convém mostrar sobre o "país das maravilhas"? Eles não contribuem para o famoso "optimismo" que Sócrates descobriu em todas as suas derradeiras intervenções públicas pós-verão? Serão, de facto, filhos de um Deus menor?

6 comentários:

José A. Vaz disse...

O modernaço Sócrates só gosta da «"bio-tiful" people». é assim que ele se vê e vê tudo o que lhe interessa mostrar e publicitar. o resto não faz parte da sua "criação" e do seu paraíso tecno. restons zen.

Nuno Góis disse...

Fiquei então a saber que antes de Sócrates não era assim...
Realmente não se entende a falta de entusiasmo de Sócrates ou seja quem for em relação a estes desportos...
Com todo o respeito por quem os pratica.

Anónimo disse...

o país onde o "pritibói" não se movimenta funciona atrás do biombo, ou seja, não existe

radical livre

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

No dia da cerimónia de inauguração dos Paralímpicos, deixei no ar algumas questões sobre o assunto, lá no CR.
Parece-me evidente que continua a haver um certo desconforto quando o assunto é a deficiência. É só o retrato de um país "poucachinho"

Fernando Antolin disse...

Não faço parte do "País que se vê",por isso e através do site dos Jogos,tenho acompanhado e sentido a extraordinária lição de garra e humildade destes atletas,Filhos de um Deus Maior.

P.S.- caro Nuno Góis,acho que entendeu o que o João quis dizer,não se trata de comparar atitudes.
Com amizade

Fernando Antolin

Anónimo disse...

É uma evidência do dia-a-dia. São filhos menores de um Deus menor. Nas respectivas vidas e nos respectivos feitos.
Por muitas medalhas que algum deles ganhe não será convidado para as festas VIP e não aparecerá nas revistas "cor-de-rosa" o que, pensando bem, até é uma coisa boa.