3.3.10

NÃO CHEGA


No Correio da Manhã, Maurício do Vale elogia a ministra da cultura por ter incluído num conselho qualquer de "cultura" a chamada "cultura taurina", vulgo as touradas. Tenho asco a touradas e só aprecio as chocas porque é o mais próximo que conheço da raça lusa no seu estado actual. Considero um primitivismo os touros de morte e, se possível, ainda mais primitivo andar ali às rodas a picar os animais em danças que têm mais de efeminadas do que de másculas. Só se perdem, por isso, as marradas dadas nas barreiras. Dito isto, Maurício tem razão. O que Canavilhas permite que se esteja a fazer do São Carlos releva mais da "cultura taurina" - que ela aparentemente protege - do que do teatro lírico tal como sempre foi entendido lá fora e cá até ao presente descalabro pornográfico. Ser apenas bonita não chega.

12 comentários:

Jacinto disse...

O seu ponto de vista é totalmente aceitável - de Badajoz para cá.
Caia atravessado , o que se nos depara é um ritual de morte , ou a morte ritualizada, se preferir. A coisa não dá para racionalizar - sente-se (?) e detesta-se ... ou fica-se "agarrado".
Marañon falava no "planeta de los toros"...
Permita-me que, sem qualquer descabido proselitismo, mencione Andrés Amorós, catedrático de Literatura Espanhola na Complutense de Madrid, e o seu livro "Toros y Cultura". Talvez aceite( o que não quer dizer que os comparta) os seus pontos de vista sobre uma manifestação antiquíssima que não deixa indiferente nenhum sector da sociedade espanhola - tanto a favor como contra...
Cpmts.

Mestre Baptista disse...

E lá pelo São Carlos,«marra-se» em quem não tem mais cu para aguentar o estado a que aquilo chegou...

Anónimo disse...

O Senhor só se deixa atrair por coisas muito másculas. Curioso...

João Diogo

APC disse...

Eu sei que o autor deste blog já não precisa de solidariedades. No entanto, aí vai a minha, não podendo, estar mais de acordo com o que escreveu.
Morte às touradas e ao juízo mentecapto sustentado na Tradição.

jaa disse...

Caro João Gonçalves: você é demasiado amargo para eu me sentir bem concordando consigo muitas vezes. Mas a verdade é que concordo.

Xico disse...

Concordei consigo no que está a acontecer com o S.Carlos.
Não concordo no que se refere às touradas. Julgo que uma tem a ver com outra. A sociedade aséptica e politicamente correcta e da boa saúde é que está a permitir o que se passa em S. Carlos.
A tourada, pode ser bárbara, violenta e agressiva, mas é bela porque tudo aquilo é necessário. Enquanto nos alimentarmos da carne dos animais, o ritual da tourada é seguramente o meio mais civilizado para se dar a morte a um animal daquela nobreza, do que um matadouro.

Isabel de Deus disse...

O sadismo explícito de quem rejubila com o dorso sangrento de um touro jamais poderá ser civilizado ou promovido a "cultura".

Garganta Funda... disse...

Concordo com o Dr.João Gonçalves.

Misturar tauramaquia ou «cultura taurina», parafraseando algumas bestas que fazem disso profissão, com Cultura é uma aberração de todos os tamanhos.

O que o Governo Português devia fazer - a começar pelo MC - era proibir toda e qualquer manifestação da «cultura taurina», nomeadamente touradas de praça.

Se há gente que sustenta a evolução dos costumes e tradições (desde as tradições familiares e sexuais,etc) porque é que a sociedade não está sensibilizada para acabar de uma vez por todas com as touradas, essa barbaridade que vem do fundo dos tempos?

Às vezes fico atónito quando vejo e oiço alguns «marialvas» do meio a darem justificações para essas «tradições», alguns alegando até que o toiro bravo não sofre na arena...

Eu ficaria elucidado se esses mesmos «marialvas», vestidos com a indumentária a preceito e muito apertadinha, estivessem na arena e lhes fosse trancado as lanças e as aguilhadas nos seus nobres lombos...

Nesse dia eu converteria-me num apoiante das touradas!

Xico disse...

Cara Isabel de Deus,
Julgo que o assunto pode e deve ser discutido. O insulto gratuito não ajuda a perceber coisa nenhuma, e todos já vimos para onde nos leva uma sociedade politicamente correcta. Gostava que me explicasse se então acha cultura qualquer festa gastronómica que envolva carne e o prazer de a degustar.
Depois que me explique porque Hemingway ou Lorca eram selvagens e brutos.
Admito que seja um espectáculo duro e pouco simpático, mas faz todo o sentido enquanto se comer carne. É preciso perceber todo aquele ritual que só faz sentido, volto a repetir, enquanto formos carnívoros. Acredito que o mundo não ficará melhor nem mais civilizado acabando-se com as touradas.

Capitão Nemo disse...

Cara Isabel de Deus
Acho perfeita a sua definição.

OCTÁVIO DOS SANTOS disse...

Tourada não é cultura mas sim falta dela.

E não, não como carne.

Xico disse...

Qualquer camponês que saiba interpretar os sinais da natureza para a prática do seu trabalho, tem mais cultura do que um licenciado de Bolonha. O que é cultura? Reconhecer o efeito de bater a massa para que se faça um bom pastel, é cultura. A caça, seus métodos e estratégias, trouxeram cultura e conhecimento científico à humanidade, para além do alimento. Ritualizar a prática da caça, que é de facto o significado da tourada, é um acto cultural, como o são as matanças rituais de animais feitas pelos muçulmanos ou judeus ou outros povos.
A cultura não se define pela sua moralidade ou falta dela. Os sacrifícios humanos dos Maias eram actos culturais.
Esconder a morte dos animais que comemos parece-me, a mim, ter efeitos mais negativos do que o espectáculo da tourada. Sempre vi matar a criação à vista de todos. Vivia em cidades de província. Hoje sou incapaz de fazer mal a um bicho. E se os mato (aranhas e moscas) é sempre com repulsa pelo acto.
A tourada faz todo o sentido, numa sociedade que tem o culto da alimentação da carne dos animais.
Mas isso sou eu que penso assim. E quando assim penso, sou inculto. Mas nisso estou bem acompanhado:
Homens com falta de cultura:
Hemingway
Lorca
Picasso
Dali
Homens essencialmente carnívoros: Esquimós. Não consta que tenham feito muitas guerras contra outros homens e são, em regra, pacíficos.
Dispenso por isso a sua arrogância vegetariana, Sr. Octávio dos Santos.
Gosto de touradas, e de um belo bife alto e em sangue
Vou jantar.