18.4.08

O PSD AO ESPELHO - 3

Pacheco Pereira está fazer o habitual "trabalho de casa" como "prefeito para a doutrina social-democrata". Pérolas a porcos, caro JPP. V. dirige-se a um proto-partido, não àquilo que está no "terreno", àquilo que vota. Os "alternativos" do dia - Branco e Coelho -, alheios à "doutrina" e ao país, são gaitas que não assobiam.

8 comentários:

Carlos Medina Ribeiro disse...

A hora de Aguiar Branco
___

«(...) sempre atento e aproveitando a onda, o meu amigo Roberto montou uma banquinha na rua, onde pede aos passantes apoio para se candidatar à Presidência da República!
Diz ele que espera ter muitos votos e, ao mesmo tempo que vai recolhendo assinaturas, distribui papelinhos com o apelo «VOTE EM BRANCO!»; e (...) esclarece que "Branco" é o seu apelido paterno».
_

«EXPRESSO», 10 Abril 2004 - texto integral [aqui]

Carlos Sério disse...

Com Luís Filipe Menezes e Santana Lopes, o PSD tem vivido em contra ciclo. Para eles, o PPD/PSD, como Santana Lopes não se cansa de afirmar, deve seguir uma política neoliberal em que “o Estado não pode ter o monopólio da Saúde, Educação e Segurança Social, em que o Estado deve sair do ambiente, das comunicações, dos transportes, dos portos, e na prestação do Estado Social deve contratualizar com os privados”, etc, como dizia Luís Filipe Menezes há bem pouco tempo. Ora, esta política não é outra senão a que Sócrates vem exercendo com alguma eficácia. É uma política cujos princípios são compartilhados não apenas por Santana Lopes, mas também por Ferreira Leite, António Borges e muitos outros. É o velho PPD, esgotado, estafado, vivendo com todos os seus fantasmas do passado, que nada de novo tem para oferecer ao eleitorado.

Se verdadeiramente o PSD quer conquistar o poder e fazer frente à governação Sócrates, terá que fazer jus ao seu próprio nome – partido social democrata – e propor aos portugueses uma verdadeira política social democrata. Uma política em que o acerto das contas públicas não se faça à custa do aumento de Impostos e cortes nas Funções Sociais do Estado, mas apenas com a redução da Despesa Pública. Terá que encontrar um líder capaz de romper com todos os privilégios criados por este “centrão” politico, romper com a promiscuidade reinante entre o poder politico e económico (com troca de cadeiras a toda a hora), romper com os privilégios das grandes empresas monopolistas nacionais, (que somam lucros escandalosos a cada ano), terá que encontrar um líder capaz de relançar o País para um verdadeiro e consolidado desenvolvimento económico, onde se atenuem progressivamente as desigualdades sociais que uma política neoliberal cega tem vindo a agravar.

Mas será que existe alguém no PSD capaz de responder ao chamamento deste Tempo?

Anónimo disse...

Pacheco prega no deserto das ideias e da decência. perde inutilmente o seu precioso tempo. aquela escumalha é digna de sócrates e da sua "anturraje".
o largo dos ratos tem filial

Anónimo disse...

Sem pôr em causa a elevada estatura intelectual e a "enorme bagagem" literária do dr. Pacheco Pereira, talvez, em meu entender, certos 'atributos' não figuram na personalidade de tão ilustre pensador/comentador.

Frequentemente, as 'posições' do dr. são duma tal acidez que me pergunto se haverá "algum ódio" latente em problemas por resolver : ataca A, B, C, etc. e, por estranho que pareça, são 'colegas' de partido.

Sem que tenha alguma intenção de defender os 'atacados', propunho ao dr. P.P. que A V A N C E , para liderar o partido onde julga que os seus ideais estão a ser adulterados.

Não creio que alguma vez algum socialista se insurgisse contra o Sócrates ; deve ter 'invejosos', discordantes de resoluções e de políticas avulso, insatisfeitos com "coisas" que correm mal, ou menos bem,mas TODOS estão com ele, enquanto se prestar a ser o líder.

Finalmente ... pelo que vai aparecendo, a minha cruz vai, decerto, ficar no bico da esferográfica ... e é lá que fica se o dr. P.P. avançar !!!

Anónimo, o meu voto vale tanto como o dele ; são as incongruências da democracia : é que (talvez, infelizmente ... ou talvez não!) o voto não tem peso específico.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Branco e Coelho? Mas então a receita de coelho á caçador não e com Tintol?

Anónimo disse...

Éme, o Pacheco Pereira está como a avózinha à espera da última queca, bolas, dêem-lhe-lha-lho, porra !

Anónimo disse...

Li hoje, no "SOL", que Rui Rio está disposto a avançar. O exercício do poder, mesmo democrático, não é tarefa fácil. Além de competência, exige tenacidade, experiência, sagacidade, coragem, determinação e espírito de luta. Por que isto está tudo minado. Rui Rio tem sido posto à prova em todos estas áreas, não tem fugido à luta e não tem vergado. Dada a situação do País, a tarefa que nos espera é gigantesca e, para ser bem sucedida, precisa de uma pessoa com as qualidades, raras, deste homem. Oxalá vá em frente.

Anónimo disse...

Enterrem a coisa de vez. Já mostrou o que vale: nada.
Pedro Matias
Lisboa