21.11.07

A DENTADURA NACIONAL


Nada como um jogo no Porto para revermos o melhor de nós próprios. Até para dentes o regime fornece "novas oportunidades".

11 comentários:

Anónimo disse...

Portugal é o maior. Este foi o dia mais feliz da minha vida. Estamos no Euro 2008! É obra! Viva a selecção! Viva Portugal!

Carlos Sério disse...

Boa malha!

http://sub--real.blogspot.com/ disse...

é esta a nossa rapaziada. que faz do implacável "clube portugal" arremedos de amor à pátria. e como bons tesos - de bolso e de espírito - tornamos um jogo de futebol no "dia mais feliz da minha vida".
haja sanidade.

VANGUARDISTA disse...

O Sócrates e o Silva Pereira (em 2º plano)ficaram bem na foto!

Anónimo disse...

Quando, para um cidadão deste país cheio de contradições," o dia mais feliz da 'sua' vida " é estarmos (?) no euro 2008 ... algo de péssimo enferma a nossa sociedade e é, muito urgente, necessário fazer algo para consciencializar e graduar as convicções do povo.

Anónimo disse...

Nada como o regime em lisboa para nos fornecer "novas oportunidades".

joshua disse...

Atenção que o Emplastro é meu vizinho e se queres usar a sua imagem dentada e sinalada, simbólico-nacional, terás de pagar direitos de autor, ó João. Nem ele nem ninguém tos virá reclamar.

Nada sei de me ver ao espelho ou ao País quando vejo o meu vizinho beijoqueiro Palhilha ou Emplastro, cuja graça é Fernando.

Sei é que a mãe do Fernando, a Laura, passa a ferro alguma coisa em minha casa onde vivo com a minha.

A avó do Fernando, doente terminal, esteve mais de um ano acamada e era a Laura que cuidava dela. O anedotário cresce-lhe da língua como as Rosas das Mãos da Rainha Santa Isabel.

Um dia disse solene à minha mãe: «Zirinha, posso ir à casa de banho?». «Podes, Laura.» Pelo postigo ouvia-se a Laura em esforço defecante: «Zirinha, (esforço eeeee universal de forçar o defecanço!) quando a minha mãe morrer (esforço eeeee universal de forçar o defecanço!) eu telefono-lhe.» «Está bem, Laura».

Talvez falte humildade aos vaidosos e orgulhosos para um amor efectivo e generalizado a quem quer que seja o que é Fernando.

Pedro Barbosa Pinto disse...

Os jornalistas é que ficaram à beira dum ataque de nervos!
Os portuenses não insultaram Scolari, aplaudiram a equipa do inicio ao fim do jogo e saíram felizes com um empate! Nem um pingo de sangue para encher primeiras páginas!
Tiveram que ir para uma conferência de imprensa, não fazer perguntas, mas provocar até conseguirem que Scolari os deixasse a falar sozinhos, para então sim, poderem ir dizer aos patrões:
Foi díficil, mas graças ao nosso profissionalismo, aplicação e tenacidade, aqui está uma primeira página: Scolari é um ordinário!

Anónimo disse...

Meu Deus...

Anónimo disse...

CLARO ... o melhor e, o pior ...

Anónimo disse...

O Emplastro já tem emplastros...
É o delírio.