25.8.07

A BANDA LARGA - 2

O José Pacheco Pereira tem razão. Também assisti ao telejornal da RTP, conduzido por esse grande escritor português contemporâneo que é Rodrigues dos Santos. Ele ia "entrar" na notícia do falecimento de Prado Coelho, mas alguém lhe deve ter soprado que devia esperar um bocadinho. E, coincidência das coincidências, o "directo" sobre o ensaísta "apanhou" Sócrates a sair das Galveias e a botar faladura. O Lagartinho - ou deveria antes chamar-lhe "lagartixa"? -, o "jornalista cultural" de serviço, ainda teve tempo para entrevistar Lídia Jorge a quem chamou de... Lígia. Sócrates, aliás, foi tridimensional neste telejornal. Deu computadores, falou do aeroporto e celebrou o "homem de espírito" (quem é que lhe terá ensinado esta?) que foi Prado Coelho. Até um funeral serve para a propaganda. Regressou em beleza.

14 comentários:

Torquato da Luz disse...

Como muito bem escreve Pacheco Pereira, "não há de facto vergonha nenhuma, nem respeito".

Anónimo disse...

Quando, assim é preciso pela notícia - faladura - a engrenagem do sistema, está bem "oleada"!

Anónimo disse...

Foi de facto uma vergonha o que se passou hoje. Até a morte de Eduardo Prado Coelho serve para meter Sócrates em directo, como se ele fosse relevante para o que estava em causa.

Já não há pachorra para a subserviência dos jornalistas a este governo. Não há nenhuma aparição de Sócrates que não seja encenada, nenhuma afirmação que não pareça uma gravação. Parece um Max Headroom em carne e osso.

Em vez de dizer banalidades, eu gostava que Portugal tivesse um Primeiro-ministro que defendesse os interesses do Estado Português, nomeadamente, reagindo contra campanha vergonhosa que os ingleses estão a fazer contra Portugal, para defenderem os McCann. Já não basta as críticas à PJ, agora estão a pôr em causa o nosso ordenamento jurídico, por causa de uns javardos que, no mínimo, deixaram três bébés sozinhos para se irem meter nos copos. Basta ver a caixa de comentários a notícias sobre este caso, em jormais como "The Times", para perceber o efeito terrível que a propaganda inglesa está a ter sobre a imagem de Portugal, junto até de cidadãos não britânicos. Vê-se gente a dizer que a UE tem de vir cá pôr ordem nisto, outros que nunca cá virão passar férias. Portugal NÃO PODE deixar os media britânicos dominar a agenda noticiosa sobre este caso para todo o mundo! Não pode deixar que nos "pintem" como convém aos ingleses, para livrar a cara de uns pindéricos de classe média que são tão badalhocos como os "chavs" lá da terra deles. No mínimo, Sócrates devia vir a público defender a PJ e a Justiça portuguesa, porque não pode haver em Portugal uma justiça para portugueses e outra para estrangeiros com as costas quentes!

Anónimo disse...

A +paranoia é tamanha que sempre que Socrates aparece alguém vem dizer que é propaganda. Querem censurar o PM. Imaginem um país em que o Primeiro Ministro nao pode aparecer na tv, sem haver uns tais a queixarem-se.

Mas depois se ele nao aparece, os mesmos gritam logo numa histeria que ele nao aparfece.

Anónimo disse...

Nervoso, o anónimo das 11.23PM ?

Devia preocupar-se quando o primeiro ministro (com minúsculas, porque é assim em todos os países civilizados, modernos, do século XXI - os "doutores", esses, são SÓ os médicos; os outros são os jims, os alans, os tonys, os pepes, os jurgens e os filipos e os engenheiros são os tu cá, os tu lá, mas ... por cá ... ó gente ! somos os maiores! - e, no nosso "país de ontem", somos (pensamos que) o centro do mundo (desempenhei funções de engenharia na CAF, em Besain - Espanha - e NUNCA me chamaram "de" engenheiro).

Que as políticas e os sistemas do nosso país sejam por nós, Portugueses, criticados, denunciados e rejeitados, é uma coisa; mas se um outro país interferir com a nossa vivência, então isso é só, e só, inadmissível e intolerável.

Um povo precisa de uma palavra de conforto quando alguém morre e que não tenha que ser um ilustre; um povo precisa de verdade; os pobres, os desconhecidos e os anónimos ... também são POVO.

!...mas ...sabemos, todos sabemos que prestar uma justa homenagem a um PORTUGUÊS DO POVO ... não dá votos.

Anónimo disse...

Não vi o referido telejornal mas não me admira que seja mais um pretexto para o aparecimento do nosso "primeiro" e tudo o que tenha a ver com a propaganda deste governo. A RTP, enquanto canal público, ainda não conseguiu autonomizar-se nem isentar-se em termos de rigor informativo. Com este e outros governos, sejam do PS ou do PSD. Admira-me que o João não tivesse referido à excelente crónica do Vasco Pulido Valente no Público de sexta-feira sobre a "visita do assassino" a Portugal que julgo que teria sido bastante oportuna. Trata-se de Mugabe o ditador do Zimbabwe cuja economia encontra-se em colapso total. Aqui fica a sugestão.
José Rocha

Anónimo disse...

Isto já é obsessão doentia, caso para foro próprio. Não há nada a fazer ou a dizer quando se é preso por ter cão como por não ter cão. Pobre país ...

Al Cardoso disse...

Ate onde chega o baixar das calcas!!!

fado alexandrino. disse...

A RTP, enquanto canal público, ainda não conseguiu autonomizar-se

Como é que há-de autonomizar-se, se depende de um ministro e mais ainda dos dinheiros do Estado (de nós)?

Quem é que quer morder a mão que dá a comidinha?

Anónimo disse...

Mais um triste episódio da proverbial subserviêhcia da "Voz do Dono" ao poder estabelecido.
Recordemos a "entrevista" feita à criatura pela "gaga" e pelo "gago" de serviço de momento... O bacharel sanitário debitou o que quis e como quis.

Anónimo disse...

Cultura a quanto obrigas!

Anónimo disse...

É claro, a não ser que esse «lagartixa» seja código...

Adolfo Letria disse...

http://pequenaloja.blogspot.com/2007/08/silogismos.html

Unknown disse...

Posso não concordar com algumas atitudes e medidas deste governo, mas começo a pensar que neste país só se está bem a criticar! Mas estão no vosso direito.
Já agora o Sr. João Gonçalves e o Sr. Pacheco Pereira podiam candidatar-se a PM nas próximas eleições. Assim poderíamos usufruir da imensa sabedoria e sentido de estado que os dois têm!

Estranho que o Sr. João não tenha escrito a criticar o silêncio do PS acerca do caso do PSD e Somague (Não encontrei nada no seu blog, mas posso estar enganado). Não acha esse caso mais importante do que a chamada propaganda? Não será o silencio do PS um sinal de que também têm o rabo preso por casos idênticos?
No Portugal de hoje só se deixa levar pela propaganda quem quiser, ou vamos continuar a acreditar que Portugal ainda é um pais de pessoas ignorantes.