8.9.09

ENCONTRO TELEVISIVO ENTRE DOIS EVANGELISTAS


Repare-se como o admirável líder olhou várias vezes, aflito, para a moderadora - hoje com ar de "Pipi das meias altas" - como quem diz "de que é que estás à espera para o mandar calar?" Sócrates falou de escolha entre fantasia e realismo. Sucede que estavam ali dois fantasistas. Um deles, aliás, exibe quatro anos e meio de passivo e de passado contra ele e só está preocupado com a "maledicência". O outro - apesar de o já ter declarado num momento "revista cor de rosa" - não aspira a ser primeiro-ministro. O realismo não passou pela RTP.

Adenda: O dr. Louçã ainda não reparou - porque gosta muito de se ouvir - que paulatinamente, de feira em feira, o dr. Portas lhe anda a catar o terceiro lugar. O outro já só quer ter um voto a mais. É esse o seu "programa" como se percebeu pela monomania insular com que rematou. Como se não houvesse um César plantado no meio do Atlântico. Ou um Jaime Gama.

17 comentários:

Garganta Funda... disse...

Até parecem dois "tele-evangelistas" americanos:

Sócrates, qual bispo da Igreja Universal do Reino da Fantasia;

Louçã, qual Pregador-Geral da República da Utopia e da Fractura.

PQPs!

Aires Vilela disse...

Um pormenor: Francisco Louçã trata o adversário por "eng. José Sócrates"; este trata o doutor Louçã por "o Franciso Louçã".
Só por aqui se vê o nível do burgesso que se auto-arvorou em engenheiro...

Mani Pulite disse...

Trotski guilhotinou Robespierre.C'est la vie...

Fado Alexandrino disse...

Nunca esperei.
O demagogo-mor engasgou-se.

Garganta Funda... disse...

Não me quero repetir, mas os "politólogos" voltaram novamente e em força à pantalha...

Na RTPN o "Gordo Brilhantina" (um liberal socrático) e na SICN o "Pente Zero" (um passista-coelhone socrático) estão neste momento a debitarem ideias fantabulásticas sobre este debate "de esquerda"...

Que seria de nós sem estes "politólogos" de serviço?

(O Sr.Sócrates trouxe a lição bem estudada: refere-se sem exaustão à viagem da MFL à Madeira, mas quando questionado sobre as palavras elogiosas de Jaime Gama a AJJ, finge de imediato que não ouve ou então remata para canto...
Na minha terra chama-se a um tipo destes, uma mula sonsa!)

Anónimo disse...

Sócrates, que é quem interessa e ainda ocupa o lugar de PM, continua, mesmo à saída (repetindo, portanto) a falar na eliminação de benefícios fiscais proposta pelo BE. Não diz, como fez no debate, que a proposta do BE é tornar o sistema gratuito e retirar as deduções. Nem ninguém questiona. Fica-se com a impressão que fez de conta que não ouviu a proposta de gratuitidade. Mas fez mais: classificou como de aplicação impossível um sistema destes. Curioso, porque há países onde se recebe para estudar. Já quando leu o texto de Louçã fez o mesmo e depois descaiu-se ao ler o resto da frase, que dizia "nacionalizar ou colocar sobre o controlo do Estado". O papel dele é este, esclarecer o povo e por si tomar as melhores decisões sobre contentores sem concurso, em nome do interesse comum. Com um PM assim recto um país só pode estar totalmente descansado.

zé sequeira disse...

Tal como o homem de Pirescoxe também o evangelista, de olhos esbugalhados, demonstrou ser muito bom - sobretudo - entre os seus. O outro ferrou-lhe as canelas com "as nacionalizações " e "os benefícios fiscais" e não mais o deixou recompor-se. Perdido o centro, que lhe deu a maioria absoluta, o nosso peixeiro, perdão, Primeiro, quer "comer" à esquerda. Com tanta concorrência nas causas "fracturantes" vão mesmo ser necessárias muitas horas extraordinárias na secção de ortopedia de S. José, ali a S. Lázaro, por acaso mesmo ao lado de uma das sedes dos LGBT's. Ficam todos juntinhos para se consolarem.

Pessoa disse...

Já há novidades sobre a reunião secreta ou não se pode saber?

Lura do Grilo disse...

Afinal, num desses programas de flirt televisivo, o camarada Jerónimo também diz fazer batota na bisca. Está na moda ... a batota.

Anónimo disse...

Para grande desgosto meu,o Zézito arrumou com o Louçã.O Bloco vai perder votos que a classe média não é parva,só que lê pouco.

Laura disse...

Concordo com o anónimo.E fico triste.

paulo disse...

O melhor momento de Socrates foi quando teve a lata de dizer que uma das medidas para combater a crise foi baixar o IVA. Quando a tomou na altura em que o seu ministro Manuel Pinho decreto o fim da crise. Como é possivel dizer com convicção uma mentira destas?

Anónimo disse...

Louçã é um homem bom como poucos na nossa terra.

AG disse...

A classe mérdia, vai lendo. Alguma... mais que o zézito. Parva, vai se fazendo, mas estúpida... é de mais. E o zézito, é asco. Lamento, mas espero que esse injinheiro desapareça. Já chega. Que atirem mais baldes de merda, mas dessa?

Anónimo disse...

«Só por aqui se vê o nível do burgesso que se auto-arvorou em engenheiro...»

:lol: Boa malha!
Eu acrescentaria que por estas e por outras idênticas, temos o país que temos, onde o mérito e o know-how são completamente arrasados pela mediocridade e pelo chico-espertismo.

Toninho disse...

Boas.

Só há pouco assisti ao debate no sítio da televisão de todos nós e sou forçado a reconhecer que de facto o Chico desta vez baqueou.

A sensação que tenho é de que tal se deveu unicamente à circunstância do senhor Pinto de Sousa ter optado desta vez por dismistificar a retórica do bloco de esquerda em desfavor dos costumeiros auto-elogios e das promessas, mesmo que um pouco por ali não se tenha conseguido desprender das "maledicências".

As questões das nacionalizações, os ppr's e as deduções na educação e na saúde do programa do BE não deram quaisquer hipóteses ao nosso robin dos bosques.

Curiosa ainda a dualidade do trato:

O "Francisco Louçã" versus "sr. Engenheiro José Sócrates".

Mas gostei, deu para entreter.

Cumprimentos.

Nuno Castelo-Branco disse...

Como não voto em nenhum deles estou bem à vontade para dizer que Sócrates venceu quase por KO. Apesar de tudo!
É facílimo derrotar Louçã e para isso, basta ler o "programa" do BE, que copia ponto por ponto a cartilha comunista dos LCI e dos UDP's. Fácil. É preciso é ter a coragem de em vez de o deixar autodenominar-se "socialista", chamar comunista ao senhor Louçã. Coisa que é a perfeita e rematada verdade que ele não terá coragem de negar.