18.9.07

CALLAS OU O MUNDO QUE NÓS PERDEMOS

Passaram indemnes os trinta anos do desaparecimento da maior artista de ópera do século XX. A Callas - estou a revê-la num documentário na 2: - não precisou da "globalização" para ser global. Nem necessitou ceder à vulgaridade para ser grande e trágica. Até na derradeira digressão com Di Stefano - duas ruínas vocais ambulantes - a Callas manteve intacta essa veia clássica que a crucificaria três anos depois num apartamento solitário de Paris. Quando olho para as imagens dos anos cinquenta e sessenta que a consagraram, tenho pena de não ter vivido nessa altura. Um mundo que é impossível de descrever porque já deixou de existir há muito. Em certo sentido, eu também.

6 comentários:

António Viriato disse...

Pode não ser definitiva essa perda. Cabe aos que cá continuam criar condições de um certo renascimento cultural ou civilizacional, na verdade, hoje mais necessário que nunca, para afastar presenças socráticas nefastas, infelizmente tornadas possíveis pelas incompetências sucessivas de putativos social-democratas.

Anónimo disse...

"veia clássica que a crucificaria"?
Em que sentido emprega "clássica"?

Anónimo disse...

(VOU REPETIR-ME)
Olá Amigo,espero as mais breves melhoras da tua Mãe e que esta fase se ultrapasse o melhor possível.
Ainda no Domingo-em conversa s/Saúde c/vários amigos ao pequeno-almoço,constatámos que todos nós tínhamos as mesmas PENAS,não as de cada um dos presentes,mas dos "relatives".E,de entre os N/Pais mui idosos(já ultrapassaram a barreira dos 80-e-tal anos e sp saudáveis, UMA FELICIDADE!!!), 4 faleceram nestes dois últimos meses, 4 estavam já mui doentes(em casa ou hospitais).
Nesse grupo, onde havia alguns médicos,1deles Cirurgião Cárdio Vascular/MPM, que Quel(a minha "pen-pall" especial:>40anos)sabe bem a quem me refiro...disse algo que nunca houvera ouvido e há horas que penso nisso:"todos os dias ouvimos notícias sobre a morte de X ou Y, com setenta/oitenta e tal anos, «de doença prolongada»(!),mas o que é a Nossa Vida Toda senão isso - UMA DOENÇA PROLONGADA ???.Dantes morria-se aos 60 ANOS,agora os Pais ultrapassam os 80/90 e nós talvez nem lá chegaremos, pois a idade média de vida em Portugal ronda os 72. Por mais sentimento de perda que tenhamos, não podemos pedir-lhes ou querer que vivam muito para ficarmos todos juntos e contentinhos, mas a partir de certa idade tudo lhes é penoso: até endireitar as costas...".
É verdade,fazer mil coisas para prolongar a vida dos N/idosos, pode realmente ser egoísmo! Mas dar-lhes Qualidade de Vida até fecharem os olhos é o DEVER DE QUALQUER FILHO!
Um abraço João e pensa nisto.
FáPauloDuarte

Luís Bonifácio disse...

O pior de tudo é que Hollywood vai fazer um filme sobre Maria Callas, no qual o seu papel é interpretado por ...
Penélope Cruz

É caso para se dizer Cruzes!!!

Anónimo disse...

«eu também»
Bem vindo ao clube já de outro mundo.
Azar nosso, termos sido suficientemente ingénuos para acreditar.
Na civilização ocidental, em África, na democracia.
Por falta, ou excesso consciência?

Anónimo disse...

=)